― Advertisement ―

spot_img

Acidente entre carro e moto no Bambé

Um acidente foi registrado na manhã desta terça-feira (21), no bairro Bambé. Conforme mostra as fotos, o acidente foi entre uma motocicleta e um veículo...

Irmãos Brazão tinham um miliciano infiltrado no Psol, diz Lessa

Segundo o ex-policial militar, no 1º encontro de planejamento do assassinato, Domingos Brazão relatou que Laerte Silva monitorava a vereadora em reuniões

O ex-policial militar Ronnie Lessa afirmou, em delação premiada, que Chiquinho e Domingos Brazão, suspeitos de serem os mandantes do assassinato da vereadora Marielle Franco (Psol-RJ), já tinham um miliciano infiltrado, chamado Laerte Silva, que participava de reuniões do Psol sobre regularização fundiária.

As declarações constam em relatório da PF, divulgado neste domingo (24.mar.2024), depois da prisão dos irmãos Brazão e de Rivaldo Barbosa, ex-chefe da Polícia Civil do Rio. Eis a íntegra do relatório da Polícia Federal, que embasou a decisão de Alexandre de Moraes (PDF – 22 MB).

Lessa afirmou que Laerte teria ouvido Marielle falando para moradores n a novos loteamentos situados em áreas de milícia, que seriam de interesse dos irmãos Brazão.

Segundo Lessa, Domingos Brazão disse que havia um infiltrado no Psol no 1º encontro de planejamento do assassinato, que foi realizado em um local próximo à casa do conselheiro do TCE-RJ.

Nesse 1º encontro, de acordo com Lessa, Domingos afirmou que Rivaldo Barbosa, então chefe da Divisão de Homicídios da Polícia Civil do Rio de Janeiro, havia instruído que o assassinato não ocorresse na saída da Câmara dos Vereadores do Rio para evitar “conotação política”.

Laerte foi preso em 2019 na 1ª fase da operação Os Intocáveis. É indicado como “um dos braços armados da milícia”.

RELEMBRE O CASO

Marielle e Anderson foram mortos na noite de 14 de março de 2018. A vereadora havia saído de um encontro no instituto Casa das Pretas, no centro do Rio. O carro em que a vereadora estava foi perseguido pelos criminosos até o bairro do Estácio, que faz ligação com a zona norte.

Investigações e uma delação premiada apontaram o ex-policial militar Ronnie Lessa como autor dos disparos. Teria atirado 13 vezes em direção ao veículo.

Lessa está preso. Já havia sido condenado por contrabando de peças e acessórios de armas de fogo. O autor da delação premiada é o também ex-PM Élcio Queiroz, que dirigia o Cobalt usado no crime.

Outro suspeito de envolvimento preso é o ex-bombeiro Maxwell Simões Correia, conhecido como Suel. Seria dele a responsabilidade de entregar o Cobalt usado por Lessa para desmanche. Segundo investigações, todos têm envolvimento com milícias.

No fim de fevereiro, a polícia prendeu Edilson Barbosa dos Santos, conhecido como Orelha. Ele é o dono do ferro-velho suspeito de fazer o desmanche e o descarte do veículo usado no assassinato.

O homem já havia sido denunciado pelo Ministério Público em agosto de 2023. É acusado de impedir e atrapalhar investigações.

Apesar das prisões, 6 anos depois do crime ninguém foi condenado. Desde 2023, a investigação iniciada pela polícia do Rio de Janeiro está sendo acompanhada pela Polícia Federal.

Em dezembro de 2023, o então ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino, disse que o crime seria elucidado “em breve”. Na ocasião, afirmou que as investigações estavam caminhando para a fase final.

 

Irmãos Brazão tinham um miliciano infiltrado no Psol, diz Lessa