― Advertisement ―

spot_img

Homem morre em acidente de moto na ES 220, em Nova Venécia

Witilan Fernando Conceição Silva tinha 33 anos. Crédito: Reprodução / Facebook Um homem de 33 anos, identificado como Witilan Fernando Conceição Silva, morreu em um acidente...

Inteligência do RJ foi contra nomear delegado envolvido em caso Marielle

Nome foi contestado pela Subsecretaria de Inteligência ao general Richard Nunes, secretário de Segurança do Rio durante intervenção federal em 2018

O subsecretário de Inteligência do Rio de Janeiro em 2018, Fábio Galvão, foi contrário à nomeação de Rivaldo Barbosa para chefiar a Polícia Civil do Rio em março de 2018, segundo informou a PF (Polícia Federal) em relatório sobre o caso Marielle Franco (Psol-RJ). Leia a íntegra do documento (PDF – 22 MB).

Rivaldo foi um dos 3 presos pela PF neste domingo (24.mar.2024) por envolvimento na morte da vereadora e de seu motorista, Anderson Gomes, em 14 de março de 2018. Além dele, foram presos Domingos Brazão e Chiquinho Brazão, acusados de serem os mandantes do assassinato.

O delegado foi nomeado em 8 de março de 2018 e tomou posse 1 dia antes do crime, em 13 de março. Rivaldo foi responsável por obstruir as investigações e recebeu R$ 400 mil para evitar o avanço das investigações, segundo a Polícia Federal.

Rivaldo foi nomeado pelo general Richard Nunes, que foi secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro durante a intervenção federal de 2018. Nunes foi escolhido pelo interventor, general Walter Braga Netto, que disputou a eleição presidencial em 2022 ao lado de Jair Bolsonaro (PL).

Segundo a PF, Richard recebeu uma contraindicação na época, mas rejeitou por entender que não se pautava em “dados objetivos” e por isso “bancou a nomeação de Rivaldo à revelia do que havia sido recomendado”.

Fábio Galvão, responsável pelo alerta ao militar, foi exonerado –expressão própria do serviço público para desligamentos– em agosto de 2018. À época, suspeitou-se que o motivo da saída foi a contraindicação de Rivaldo.

RELEMBRE O CASO

Marielle e Anderson foram mortos na noite de 14 de março de 2018. A vereadora havia saído de um encontro no instituto Casa das Pretas, no centro do Rio. O carro em que a vereadora estava foi perseguido pelos criminosos até o bairro do Estácio, que faz ligação com a zona norte.

Investigações e uma delação premiada apontaram o ex-policial militar Ronnie Lessa como autor dos disparos. Teria atirado 13 vezes em direção ao veículo.

Lessa está preso. Já havia sido condenado por contrabando de peças e acessórios de armas de fogo. O autor da delação premiada é o também ex-PM Élcio Queiroz, que dirigia o Cobalt usado no crime.

Outro suspeito de envolvimento preso é o ex-bombeiro Maxwell Simões Correia, conhecido como Suel. Seria dele a responsabilidade de entregar o Cobalt usado por Lessa para desmanche. Segundo investigações, todos têm envolvimento com milícias.

No fim de fevereiro, a polícia prendeu Edilson Barbosa dos Santos, conhecido como Orelha. Ele é o dono do ferro-velho suspeito de fazer o desmanche e o descarte do veículo usado no assassinato.


 

 

Inteligência do RJ foi contra nomear delegado envolvido em caso Marielle