― Advertisement ―

spot_img

Soja: produtores já podem se preparar para semeadura

Os agricultores que seguem as recomendações do Zoneamento Agrícola de Risco Climático (ZARC) — estudo que identifica regiões e épocas de menor risco climático para...

Tira-dúvidas da dengue: quais os sintomas, quando procurar ajuda e o que fazer para se livrar de vez do mosquito

O Brasil já ultrapassou a marca de um milhão de casos de dengue e mais de 200 mortes. Dezenas de cidades já decretaram estado de emergência por conta da doença. Mas acabar com os focos do mosquito Aedes Aegypti é papel de todos. Por isso, o Ministério da Saúde recomenda que toda a população tire 10 minutos semanais do seu tempo para verificar todo e qualquer lugar que possa servir de criadouro para o mosquito.

Mas, para enfrentar a doença, é preciso conhecê-la. Por isso, o Brasil 61 fez um resumo de tudo o que você precisa saber sobre a fase crítica da doença e a importância de buscar ajuda o mais rápido possível.

Que sintomas indicam que estou com dengue?

A febre alta é um dos primeiros sintomas da doença. Normalmente ela vem seguida de manchas vermelhas pelo corpo, diarreia, dor de cabeça ou ao redor e no fundo dos olhos e dores musculares e nas articulações. Segundo a Ministra da Saúde, Nísia Trindade, após notar esses sintomas, “comece você mesmo a se proteger, bebendo bastante líquido.”

A fase crítica da dengue, normalmente, aparece entre três e sete dias do início dos sintomas, mas por ser uma doença muito dinâmica, a dengue pode evoluir rapidamente de uma fase para outra.

O que indica que a doença evoluiu para uma fase mais grave?

Os sintomas da dengue grave costumam surgir quando a febre começa a baixar. O Ministério da Saúde orienta procurar ajuda médica imediata caso sinta dor abdominal intensa, vômito persistente — às vezes até com sangue — além de sangramento nas gengivas ou nariz, dificuldade para respirar, confusão mental, fadiga, náuseas, queda da pressão arterial e sangue nas fezes.

Os perigos da automedicação

Alguns medicamentos para gripe, anti-inflamatórios e antitérmicos que contenham o ácido acetilsalicílico não devem ser usados. Eles podem agravar a situação e levar até a morte. Buscar ajuda nas primeiras 48 horas depois que surgem os sintomas é fundamental para evitar complicações. 

Mulheres grávidas, crianças, idosos e pessoas com doenças crônicas — como asma, diabetes, anemia falciforme, hipertensão, entre outras — são mais suscetíveis a desenvolver complicações. 

A segunda vez que pega dengue é mais perigosa?

Contrair dengue uma vez não significa que você vai ficar livre da doença depois. A reinfecção tem o potencial de ser mais grave que a doença anterior. Por isso, se você já teve dengue, aumente os cuidados. Use repelentes e caso seja infectado, procure ajuda médica imediatamente. 

Em uma nova dengue, o sistema imunológico pode entender inicialmente que é uma infecção igual à anterior, mas, na verdade, ela é provocada por um sorotipo diferente do vírus (existem quatro tipos). O organismo produz anticorpos contra o invasor, mas a resposta imune, ineficiente, não neutraliza o novo vírus.

Existe remédio para tratar a dengue? 

Não existe remédio nem  tratamento específico para combater o vírus da dengue. Mas a orientação do Ministério da Saúde é manter o paciente hidratado e indicado repouso para aliviar os sintomas — isso nos casos leves. Quando os únicos medicamentos indicados são o paracetamol ou dipirona — em caso de dor ou febre. Na maioria dos casos, há uma cura espontânea depois de 10 dias.

Nos casos mais graves, o paciente costuma ser internado para o manejo clínico e acompanhamento frequentes da doença. 

Controle do mosquito ainda é a melhor prevenção 

O Dia D foi criado com essa intenção: mobilizar a população na luta contra o mosquito. Segundo a Ministra da Saúde, Nísia Trindade, é preciso redobrar os cuidados com as nossas casas e em volta delas. “Cerca de 75% dos focos estão dentro de casa. Vamos tampar as caixas d’água, descartar o lixo corretamente, manter as vasilhas de água dos animais sempre limpas, guardar garrafas e pneus em locais cobertos, retirar água acumulada dos vasos de plantas.”

Se um agente da vigilância ambiental bater à sua porta, seja receptivo, a ajuda e as orientações dele podem salvar vidas. Além disso, a recomendação é usar repelentes e telas em janelas e portas.

E a vacina, para quem é indicada?

A vacina contra a dengue começou a ser oferecida pelo SUS em fevereiro, mas por conta da disponibilidade reduzida do fabricante, apenas jovens entre 10 e 14 estão recebendo o imunizante — que protege contra a forma mais grave da doença. 

A ministra da Saúde explica como esse público foi escolhido. “Os critérios de distribuição inicial para um grupo de municípios foram baseados na incidência da doença e definidos pelo Ministério da Saúde e pelos Conselhos Nacionais de secretários de saúdes de estados e municípios.”
 
Na rede particular, a vacina é segura para quem tem entre 4 e 60 anos. Feita em duas doses, ministradas com três meses de intervalo entre elas. 

Foto: Reprodução FreepikFoto: Reprodução Freepik