― Advertisement ―

spot_img

Regiões Norte e Nordeste não têm sequer tratamento para 35% do esgoto gerado

Para chegar, pelo menos, perto de atingir as metas de universalização do sistema de saneamento básico, o Brasil vai precisar se comprometer ainda mais....

Robôs começam a implantar novas redes nas avenidas Maruípe e Leitão da Silva nesta terça-feira (02)

A Companhia Espírito-santense de Saneamento (Cesan) inova e dá um salto tecnológico ao incorporar robôs e inteligência artificial em suas estratégias de prevenção aos vazamentos de água. A medida, anunciada em janeiro, se materializa agora com o início das atividades de implantação de uma nova adutora pelo método não destrutivo na avenida Maruípe, a partir da próxima terça-feira (02), e recuperação de adutora na avenida Leitão da Silva, a partir de quinta-feira (04), ambas em Vitória.

Os serviços serão realizados no período noturno e com intervenção pequena, itinerante e localizada em uma das faixas das avenidas, evitando prejuízos à mobilidade das pessoas e ao comércio local, além de preservar o asfalto da via. Na avenida Maruípe os serviços vão começar no cruzamento com a avenida Paulino Muller, próximo à Padaria Monza, com previsão de serem concluídos até junho. Na Leitão da Silva, o início dos serviços será no trecho em Bento Ferreira, próximo ao Hortifruti, com previsão de conclusão até outubro deste ano.

O diretor-presidente da Cesan, Munir Abud, destaca que o Espírito Santo sai à frente nesse avanço. “São consideradas as tecnologias mais avançadas do mundo, direcionadas à redução de perdas de água e ao aumento da vida útil das redes. Cada técnica utilizada é projetada para casos específicos, mas todas têm como objetivo alcançar uma execução mais rápida, menos poluente, com menor impacto para a população e melhor custo-benefício”, explica.

Para reduzir vazamentos, aumentar a oferta de água e garantir que o abastecimento acompanhe o crescimento da cidade, será implantada uma nova adutora de 500 milímetros (mm) de diâmetro com mais de dois mil metros de extensão na avenida Maruípe e recuperação de uma adutora de 600 mm de diâmetro com mais de mil metros de extensão na avenida Leitão da Silva. Os trabalhos serão realizados por robôs e máquinas capazes de executar os serviços sem destruir o asfalto e com baixo impacto na mobilidade.

As obras são realizadas por métodos não destrutivos, por meio de pequenas intervenções no asfalto para introdução das tubulações em um furo direcional no solo. Apesar do baixo impacto na mobilidade e no asfalto da via, algumas condições adversas podem ocorrer. No caso eventual de quebra do equipamento, podem acontecer atrasos na recomposição do asfalto no local de intervenção. Outra condição rara, mas que pode ocorrer, é a interdição total da via em caso de interveniência com outras infraestruturas subterrâneas que não foram identificadas no mapeamento inicial de planejamento da obra. Nesses casos, a Cesan destacou equipes técnicas para atuação emergencial de forma a mitigar os riscos e realizar as correções com agilidade.