― Advertisement ―

spot_img

Boi gordo: arroba em queda custa R$ 221,40

A cotação do boi gordo apresentou queda de 0,29%, nesta terça-feira (28). Com o resultado, a arroba de 15 quilo do produto passou a...

Segunda equipe de bombeiros capixabas chega ao Rio Grande do Sul

Os militares do Corpo de Bombeiros Militar do Espírito Santo (CBMES) prosseguem prestando assistência ao povo do Rio Grande do Sul. Na madrugada desta quarta-feira (08), a segunda equipe chegou ao destino e já se apresentou ao comando local, para iniciar sua atuação ainda pela manhã.

Os militares levaram três estações portáteis de tratamento de água, que vão auxiliar no abastecimento da população local. Agora são 26 homens e dois cães do Centro Especializado de Resposta a Desatres (Cerd) do CBMES atuando em solo gaúcho.

Até o momento, os capixabas já salvaram 186 pessoas e 29 animais. As vítimas foram retiradas de locais alagados, muitos deles acessíveis apenas com embarcações. Os militares capixabas também fizeram a entrega de mantimentos, água e medicação para moradores de São Leopoldo.

Outra parte da equipe foi direcionada para Santa Cruz do Sul, onde as cadelas Brisa e Fênix foram aplicadas na busca de vítimas soterradas.

Os bombeiros do Espírito Santo vão atuar no Rio Grande do Sul enquanto for necessário. O governador Renato Casagrande deu autorização permanente para o envio de novas equipes, conforme for necessário.

Busca com cães (K9) em Santa Cruz do Sul

A equipe do CERD do CBMES, através da busca com cães (K9) aplicou as cadelas Brisa e Fênix e conseguiu localizar o corpo de uma adolescente de 13 anos que foi arrastada pela enxurrada.

Equipes estavam procurando pela adolescente há 6 dias. A equipe do CBMES iniciou o apoio na terça-feira (07) e no mesmo dia as cadelas indicaram um ponto. Após remoção de árvores e outros diversos detritos, o corpo foi localizado.

As cadelas, que compõem o efetivo do Centro Especializado de Resposta a Desastres (Cerd), do CBMES, são treinadas para localizar pessoas vivas ou restos mortais. Quando encontra uma vítima, o cão late, indicando o ponto para o militar que o acompanha. Em todos os casos já atendidos pelo CBMES, não há registro de indicação de ponto equivocado.