― Advertisement ―

spot_img

Justiça Federal nega novo pedido de transferência de Ronnie Lessa

O juiz titular da 5ª Vara Federal de Campo Grande (MS), Luiz Augusto Iamassaki Fiorentino, negou novo pedido da defesa de Ronnie Lessa para...

Preso pela morte de motorista de aplicativo foi agredido pelo “tribunal do tráfico”

 

Um dos suspeitos de envolvimento com a morte do motorista de aplicativo Jonata de Souza Oliveira, de 27 anos, foi agredido por traficantes antes de ser preso pela polícia. A informação foi divulgada durante coletiva de imprensa na manhã desta segunda-feira (19).

Weliton Jones da Silva, de 23 anos, foi preso no último sábado (17) durante uma operação conjunta da Secretaria de Estado da Segurança Pública (Sesp), Polícia Civil, Polícia Penal e Corpo de Bombeiros. Outros dois suspeitos seguem foragidos.

De acordo com a investigação policial, após ser agredido por traficantes no “tribunal do tráfico”, como forma de castigo pelo assassinato de Jonata, o rapaz foi levado para um hospital porque ficou com ferimentos pelo corpo.

Já ciente da participação dele no crime, a polícia foi até o hospital para prendê-lo, mas Weliton recebeu alta e deixou o local instantes antes da chegada dos policiais.

Os investigadores conseguiram descobrir o endereço da casa da avó do rapaz, para onde ele teria ido. Com autorização da mulher, entraram no imóvel e deram cumprimento ao mandado de prisão expedido contra ele.

Foi Weliton quem indicou aos investigadores o local exato onde o corpo do motorista de aplicativo teria sido deixado.

Na primeira versão, ele disse que os comparsas teriam jogado o corpo de Jonatas no Rio Santa Maria. Os bombeiros foram mobilizados com equipamentos específicos para retirar possivelmente o corpo da água.

No entanto, no caminho, Weliton mudou a versão e contou onde o corpo realmente estava, em uma área de mata às margens da Rodovia ES-120, no bairro Padre Mathias, em Cariacica.

Apesar da informação da localização do corpo, o suspeito detido nega que tenha cometido o crime e afirma que apenas solicitou a corrida pelo aplicativo.

Ele nega envolvimento no crime, mas temos provas suficientes, como testemunhas, informações. Ele nos levou ao local que estava o corpo. Ele informa que só acionou a corrida e que os comparsas teriam comentado onde teriam deixado o corpo“, disse o delegado Marcos Aurélio Ferreira, da Divisão de Furtos e Roubos de Veículos.

Segundo o delegado Luiz Gustavo Ximenes, também da Delegacia de Furtos e Roubos de Veículos, os três suspeitos teriam envolvimento com outros roubos a motoristas de aplicativo.

Os três indivíduos, o que foi preso e os dois que estão foragidos, vêm praticando diversos crimes de roubo a transportes de aplicativo. Peço que as vítimas compareçam à delegacia para a gente poder investigar“, destacou.

A Justiça também expediu mandados de prisão por latrocínio para os outros dois suspeitos, identificados pela polícia como: João Paulo Brandão de Brito e Caio Mendes Chaves. Eles agora são considerados foragidos.

Fonte: Folha Vitória

Foto: Reprodução

 

 

Preso pela morte de motorista de aplicativo foi agredido pelo “tribunal do tráfico”