― Advertisement ―

spot_img

Padre é preso suspeito de estupro e importunação sexual

 

Um padre, identificado como Alexandre Paciolli, foi preso na quarta-feira (3), em uma operação coordenada pelo Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ), em Fortaleza, no Ceará, suspeito de crime de estupro e importunação sexual. O MPRJ o denunciou pelos dois crimes e pediu a prisão do sacerdote, que foi acolhida pela Justiça. Ele é ex-chefe da igreja da PUC-Rio (Pontifícia Universidade Católica do Rio do Janeiro).

Segundo a denúncia do MPRJ, o padre Alexandre Paciolli foi denunciado pelo estupro e importunação de uma fiel em Nova Friburgo (RJ). Os abusos teriam ocorrido em agosto de 2022 e janeiro de 2023. Ele foi preso preventivamente (por tempo indeterminado) na tarde de quarta-feira (3), em Fortaleza, na casa do pai dele.

Na denúncia do MPRJ, é destacado que o suspeito é um líder religioso pertencente à Igreja Católica. O padre é conhecido no Estado e já foi reitor da Igreja do Sagrado Coração de Jesus da PUC/RJ até 2022, responsável pela Igreja de São José, no bairro da Lagoa/RJ, e apresentador de programas de televisão na TV Canção Nova, em um programa dedicado às mulheres, denominado “mulheres de fé”. Alexandre Paciolli também foi o fundador da Comunidade Olhar Misericordioso e soma mais de 200 mil seguidores nas redes sociais, junto com os da comunidade católica.

Segundo o MPRJ, a Arquidiocese do Rio de Janeiro já recebeu diferentes relatos de abusos sexuais cometidos pelo padre, havendo, também, outras investigações policiais em curso, em outras comarcas do Estado.

No que se refere ao caso ocorrido em Nova Friburgo, destacam que o padre usou da “ingenuidade e da fé da vítima”, com o pretexto de estar sentido fortes dores “passou a praticar atos libidinosos com a vítima, que, tendo o denunciado como seu sagrado protetor, não conseguiu oferecer resistência”.

A 1ª Vara Criminal de Nova Friburgo expediu mandado de prisão preventiva contra o religioso, preso no início da tarde de hoje em Fortaleza, na casa do pai. O padre foi detido em ação conjunta da Promotoria de Investigação Penal de Nova Friburgo, a Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher de Nova Friburgo e a Delegacia de Narcóticos (Denarc), da Polícia Civil do Estado do Ceará.

Em nota, a Arquidiocese do Rio afirmou que afastou o padre e abriu uma investigação interna:

“A Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, após tomar conhecimento das acusações atribuídas ao Pe. Alexandre Paciolli Moreira de Oliveira, agiu imediatamente afastando o sacerdote de todas as suas funções eclesiásticas e iniciou uma investigação interna para apurar os fatos alegados. Essa medida reflete o compromisso da Arquidiocese com a integridade e a justiça, seguindo os procedimentos legais estabelecidos pela legislação da Igreja para tais situações, colaborando também com as autoridades civis na apuração dos fatos”.

O processo corre em segredo de Justiça, razão pela qual a reportagem não conseguiu identificar quem faz a defesa do padre. O espaço segue aberto.

*Com informações do jornal ‘O Globo’