― Advertisement ―

spot_img

Imagens mostram assassinato de homem em Alto Rio Novo

 

Imagens de câmeras de segurança flagraram a execução de um homem na tarde de sábado (9), em um bar em uma região conhecida como Placa, na zona rural de Alto Rio Novo, no Norte do Espírito Santo. Nas imagens é possível ver o momento em que um suspeito, com capacete, já chega atirando na vítima. Há um corre-corre e a vítima tenta fugir do assassino, que lhe segue. Na sequência, o atirador corre para um moto Bros, de cor vermelha, que já o aguardava, e foge. É possível ver ainda, o momento em que Ronivon Vaz, de 46 anos, aparece na parte externa do bar, próximo de uma rodovia, já baleado. Ele chegou a ser socorrido, mas faleceu.

A Polícia Militar informou que policiais foram acionados por funcionários do Hospital de Alto Rio Novo, pois havia dado entrada um homem, de 46 anos, baleado. No local a equipe hospitalar informou que a vítima tinha sido socorrida, com vida e consciente em um veículo particular por uma testemunha. Enquanto a vítima recebia atendimento, os militares foram conversar com a testemunha que relatou que estava em seu estabelecimento comercial com a vítima e outras pessoas quando, repentinamente, ouviu disparos de arma de fogo. “Então, iniciou-se uma correria e a testemunha percebeu que uma moto saiu em alta velocidade pela rodovia e que o homem estava caído com perfurações na mão, ombro e pescoço. Imediatamente, a vítima foi socorrida ao Pronto Atendimento, porém não resistiu aos ferimentos e foi a óbito. Buscas foram realizadas, mas ninguém foi detido”, informou a Polícia Militar.

A Polícia Civil informou que o caso seguirá sob investigação da Delegacia de Polícia de Alto Rio Novo. Até o momento, nenhum suspeito foi detido. O corpo da vítima foi encaminhado pela perícia da Polícia Científica (PCIES) para o Serviço Médico Legal (SML) de Colatina, onde passará pelo processo de necropsia. Posteriormente, será liberado para os familiares.  De acordo com a Polícia Civil, “informações podem ser compartilhadas de forma sigilosa por meio do Disque-denúncia (181), que é uma linha de contato gratuita, disponível em todos os municípios do Estado. As informações passadas pela comunidade podem ser cruciais para o avanço das investigações”.