spot_img

― Advertisement ―

spot_img

Saúde realiza Dia D de combate à dengue

No sábado e domingo, 2 e 3 de março, a Secretaria Municipal de Saúde (Semus), em parceria com as secretarias municipais de Defesa Social, Trânsito...

Brasil registra 12 mortes por dengue em três semanas

O Distrito Federal e Goiás já decretaram estado de emergência por conta do aumento nos casos de dengue. O governo de Minas Gerais, que também enfrenta um surto da doença, já declarou que também vai decretar a mesma situação. A preocupação não é à toa, já que nas três primeiras semanas do ano, foram confirmadas 12 mortes pela doença e mais de 120 mil casos prováveis. No mesmo período do ano passado, foram contabilizadas 26 mortes e 44 mil casos prováveis.

Além das mortes já confirmadas pelo Ministério da Saúde, outras 85 ainda estão sendo investigadas. A preocupação nacional com o problema tem um motivo maior, já que foi confirmada a circulação de quatro sorotipos da dengue no país — entre eles, o sorotipo 3, que não circulava de forma epidêmica no Brasil havia mais de 15 anos.

O infectologista Marcelo Daher explica que o perigo desse novo sorotipo é a falta de imunidade da população, já que os vírus que circulavam no Brasil nos últimos anos eram sorotipos 1 e 2.

“O vírus vai encontrar um número maior de pessoas mais suscetíveis a doenças, sem imunidade — o que aumenta o risco de uma epidemia da doença”.

Enfrentamento no DF

Nas três primeiras semanas do ano, o DF registrou 17.150 casos suspeitos de dengue — um aumento de 646% em relação ao mesmo período do ano passado. Por causa desse aumento, o governador Ibaneis Rocha declarou situação de emergência nesta quinta-feira (25). Além da expansão de casos da dengue, o texto publicado no Diário Oficial cita o “risco de epidemia por doenças transmitidas pelo [mosquito] Aedes aegypti”, o que inclui enfermidades como zika e chikungunya, além da febre amarela.

Um dos casos confirmados foi o da professora Loane Perdigão, moradora do Plano Piloto em Brasília. Ela conta que os primeiros sintomas que sentiu foram no começo de janeiro: febre alta e dores muito intensas no corpo. Quando o exame de sangue constatou a infecção e as plaquetas começaram a cair, ela precisou ser hospitalizada. Ela contou ao Brasil 61 os incômodos que a doença provoca:

“É algo que eu nunca tinha sentido, uma dor insuportável no corpo todo, além do mal-estar.” Loane ainda faz um alerta. “Acredito que as pessoas têm que se cuidar, passar repelente, ter cuidado com o lixo, com o armazenamento da água. Se fizermos uma campanha boa, teremos uma redução dos casos de dengue — é o autocuidado e o cuidar dos outros.”

Medidas adotadas em Goiás

Em Goiás, o estado de emergência foi decretado nesta sexta (26) junto com a criação do  Gabinete Contra a Dengue — após o estado registrar 13.619 casos notificados e uma morte confirmada em 2024. Segundo o governador Ronaldo Caiado, estratégias como a telemedicina devem ajudar no combate à doença. A iniciativa foi feita em parceria com a Universidade de Goiás, que disponibilizou a estrutura para que os médicos da secretaria de Saúde do estado pudessem estar em contato direto com os médicos das cidades do interior.

“Às vezes o médico está sem saber a dosagem correta para a hidratação, muitos médicos acabam passando apenas 500ml de soro — por isso não resolve nada. O paciente precisa ser hiper hidratado  e o médico que está na ponta tem o conhecimento específico e é capaz de responder a todas as perguntas e preocupações do colega médico da outra ponta.”

Segundo o governador, que também é médico, a telemedicina é capaz de dar não só agilidade ao tratamento como confiança ao profissional na linha de frente.

Vacina

Segundo o Ministério da Saúde, a partir de fevereiro a vacinação contra a dengue será feita em 521 municípios que foram selecionados atendendo a três critérios:

  1. municípios de grande porte — com mais de 100 mil habitantes;
  2. com alta transmissão de dengue no período 2023-2024;
  3. cidades com maior predominância do sorotipo DENV-2.

No total, 16 estados e o Distrito Federal têm cidades que preenchem os requisitos.

O público-alvo serão crianças e adolescentes de 10 a 14 anos, já que essa é uma das faixas etárias que concentram maior número de hospitalizações por dengue. De janeiro de 2019 a novembro de 2023, o grupo respondeu por 16,4 mil hospitalizações, atrás apenas dos idosos, grupo para o qual a vacina não foi autorizada.

lista das cidades onde será feita vacinação contra a dengue

Descarte de lixo em locais inadequados oferece riscos à população. Foto: Reprodução SES GO/Iron Braz Descarte de lixo em locais inadequados oferece riscos à população. Foto: Reprodução SES GO/Iron Braz