― Advertisement ―

spot_img

Começa a instalação de novos radares nas rodovias do Espírito Santo

A instalação dos novos radares eletrônicos nas rodovias estaduais já começou a ser feita na ES-020, a Rodovia das Paneleiras, na Serra. De acordo com...

Blinken negocia no Egito acordo para libertar reféns do Hamas

 Foto: Mark Schiefelbein/POOL
Foto: Mark Schiefelbein/POOL

 O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, se reuniu com líderes no Egito e deve viajar ao Catar nesta terça-feira, 6, para conversar com as autoridades do país no segundo dia de uma viagem ao Oriente Médio que visa contribuir para a costura de um acordo de pausa nos combates em Gaza e na libertação de reféns israelenses no enclave palestino. Além disso, Blinken busca assegurar os aliados americanos na região que Washington não quer que a troca de ataques entre forças americanas e milícias apoiadas pelo Irã se transforme em uma guerra regional.
Blinken desembarcou no Cairo em sua quinta viagem a região desde os ataques do dia 7 de outubro em Israel para se encontrar com o presidente Abdel Fattah El-Sisi do Egito antes de viajar para Doha na terça-feira para uma reunião com o xeque Tamim bin Hamad Al-Thani, o emir do Catar, e o xeque Mohammed Al-Thani, o primeiro-ministro e ministro das Relações Exteriores do país.
Blinken começou a viagem reunindo-se na Arábia Saudita na segunda-feira, 5, com o príncipe herdeiro Mohammed bin Salman, discutindo como alcançar “um fim duradouro para a crise em Gaza”, bem como a necessidade de reduzir as tensões em toda a região, de acordo com o porta-voz do Departamento de Estado, Matthew Miller. Ele também deverá realizar reuniões com líderes de Israel e da Cisjordânia durante a viagem. Todos são atores-chave nas negociações sobre uma potencial pausa nos combates em Gaza.
Acordo
Mediadores egípcios e do Catar apresentaram ao grupo terrorista Hamas uma proposta, apoiada pelos Estados Unidos e por Israel, que interromperia os combates entre Israel e o Hamas pela primeira vez desde uma trégua de uma semana em novembro, quando mais de 100 reféns israelenses foram libertados, assim como centenas de prisioneiros palestinos que estavam em Israel.
O governo do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e os seus aliados árabes ainda aguardam uma resposta do Hamas sobre o acordo, que envolveria a troca de mais de 100 reféns adicionais detidos em Gaza para uma pausa nos combates e a libertação dos palestinos detidos nas prisões israelenses.
Uma autoridade dos EUA, falando sob condição de anonimato ao The New York Times para detalhar os esforços diplomáticos, disse que Blinken diria aos aliados americanos na região que os recentes ataques do governo Biden contra milícias apoiadas pelo Irã não deveriam ser interpretados como uma escalada dos combates no Oriente Médio.
Miller disse que Blinken e o príncipe herdeiro da Arábia Saudita discutiram a “necessidade urgente de reduzir as tensões regionais”, citando os ataques do grupo houthi do Iêmen que estão minando a liberdade de navegação.
Quando visitar Israel nesta viagem, espera-se que Blinken transmita as preocupações americanas sobre o número de mortos de civis em Gaza, segundo autoridades americanas. Segundo números do ministério da Saúde de Gaza, que é controlado pelo Hamas, mais de 27 mil pessoas morreram no enclave palestino desde o inicio da guerra, que começou no dia 7 de outubro após um ataque terrorista do Hamas que matou mais de 1.200 pessoas em Israel e é considerado o maior ataque terrorista da história de Israel e o maior contra judeus desde o Holocausto.
Blinken também discutirá o que os diplomatas chamam de planos do “dia seguinte” para governar Gaza após o fim dos combates, incluindo um possível papel para a Autoridade Palestina, que administra partes da Cisjordânia.
Combates em Gaza
Nesta fase da guerra em Gaza, as Forças de Defesa de Israel (FDI) estão focando as operações no sul da Faixa de Gaza, em regiões próximas a cidade de Rafah, cidade no enclave palestino que faz fronteira com o Egito e que abrigou milhares de palestinos deslocados. Grupos de ajuda humanitária temem que o número de mortes possa aumentar consideravelmente se as forças israelenses começarem a operar mais intensamente na cidade.
As autoridades de ajuda humanitária alertam que a perda de vidas pode ser “enorme”, uma vez que a cidade já aumentou para cinco vezes a sua capacidade anterior à guerra, de acordo com o Gabinete das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários. Na noite de segunda-feira, 5, o ministro da Defesa de Israel, Yoav Gallant, reiterou que o país transferiria as suas operações militares para Rafah.
“Todo terrorista escondido lá deveria saber que se renderá ou morrerá”, disse Gallant, chamando a cidade de “o último reduto do Hamas”. (Com agências internacionais).

Foto: Mark Schiefelbein/POOL