― Advertisement ―

spot_img

Após retiro espiritual, vereador sai da política para ser padre no Sul do Espírito Santo: ‘voltar ao primeiro amor’

 

Após retiro espiritual, vereador Júnior Corrêa sai da política para ser padre no ES — Foto: Reprodução/Instagram

Após retiro espiritual, vereador Júnior Corrêa sai da política para ser padre no ES — Foto: Reprodução/Instagram

O vereador Júnior Corrêa (PL), de Cachoeiro de Itapemirim, no Sul do Espírito Santo, anunciou nesta terça-feira (15) que vai deixar o mandato e a pré-candidatura a prefeito da cidade capixaba para se tornar padre. A decisão do parlamentar, de 27 anos, foi tomada após a participação de pelo menos dois retiros espirituais, sendo um deles realizado durante o carnaval deste ano, nesta semana. A informação é de Viviann Barcelos, do g1 ES.

“Quero voltar ao meu primeiro amor”, disse o vereador ao g1.

Vereador mais votado na cidade em 2020 (2.519 votos), o bolsonarista também foi candidato a deputado federal pelo PL no Espírito Santo em 2022 e obteve 37.756 votos. Foi a primeira vez que ele se candidatou a um cargo político. Não tinha grande envolvimento antes disso.

Com a religião, por outro lado, Júnior teve uma ligação mais próxima desde adolescente. Aos 18 anos, ele chegou a fazer um acompanhamento vocacional, mas decidiu começar a faculdade de Economia em Goiânia, deixando de lado a vontade de ser padre.

Atualmente, ele é formado em História e Gastronomia e não há nenhuma outra pessoa na família ligada ao sacerdócio.

O parlamentar, que tem forte atuação nas comunidades católicas, é identificado com Jair Bolsonaro. Nas redes sociais, o vereador tem fotos com o ex-presidente, com o senador Magno Malta e com outros expoentes da extrema direita no estado e no país.

Vereador Júnior Corrêa, do Sul do Espírito Santo — Foto: Arquivo pessoal

Vereador Júnior Corrêa, do Sul do Espírito Santo — Foto: Arquivo pessoal

Ao g1, o jovem disse que questiona a sua permanência na política desde junho de 2023, quando participou de um retiro no mosteiro beneditino cistenciense trapista no interior do Paraná.

“Eu fiquei 15 dias em um mosteiro. Voltei mais em paz, mais tranquilo para disputar a eleição sem pretensão de ganhar ou perder. Mas logo eu percebi que tinha aquela gana de ser prefeito para fazer algo pela cidade. Em janeiro, mesmo ao analisar o contexto, eu pensei: ‘não é isso que quero pra mim’. Então, tomei essa decisão”, disse o parlamentar.

Júnior Corrêa disse que participou de um retiro em um mosteiro em junho de 2023, crucial para sua decisão. Espírito Santo — Foto: Arquivo pessoal

Júnior Corrêa disse que participou de um retiro em um mosteiro em junho de 2023, crucial para sua decisão. Espírito Santo — Foto: Arquivo pessoal

Durante o carnaval deste ano, Júnior disse também que participou de um retiro espiritual na comunidade católica Encontro, localizada no bairro IBC, em Cachoeiro.

“Ali eu decidi que queria ser muito melhor e eu sabia que não era com a política. Quando fui ver a minha trajetória, a única coisa que nunca abandonei foi a igreja”, disse.

Em relação à sua opção de vida religiosa, Júnior Corrêa disse que pretende ser um padre religioso, ou seja, vinculado a uma ordem ou congregação, sem vínculo específico com uma diocese. Uma das opções, de acordo com o parlamentar, é a Congregação dos Sacerdotes do Coração de Jesus (dehonianos).

“Eu já tinha feito acompanhamento vocacional com os dehonianos, mas eu vou aguardar terminar primeiro o mandato e depois analisar as ordens. Só sei que quero ser [um padre] religioso”, disse o vereador.

Apesar de ter anunciado que vai deixar a carreira política, Júnior Corrêa disse que não deve renunciar ao restante do seu mandato na Câmara de Cachoeiro. Ele disse que pretende se licenciar do cargo. O vice deve assumir, aí sim ele deve se dedicar à religião.

Junior Corrêa, vereador de Cachoeiro de Itapemirim, no Sul do ES — Foto: Arquivo pessoal

Junior Corrêa, vereador de Cachoeiro de Itapemirim, no Sul do ES — Foto: Arquivo pessoal

“Eu vou chamar meu suplente para a gente conversar. A ideia é dar uma oportunidade para ele mostrar o seu trabalho de vereador para prestar contas na sua candidatura à reeleição. Eu devo me licenciar para que eu possa exercer o mandato de vereador nessa reta final”, disse Corrêa.