― Advertisement ―

spot_img

Suspeito de tráfico de drogas é preso com arma na cintura no centro de Vila Pavão

  Na tarde do último domingo (16 de junho), um homem de 28 anos foi preso em flagrante por tráfico de drogas e porte ilegal...

Roda Viva não pergunta a Leite sobre motores roubados de comportas

Governador do Rio Grande do Sul foi pouco questionado sobre falhas na manutenção do sistema antienchente da capital gaúcha; não foi indagado por que faltavam motores nas comportas e por que só 4 de 24 bombas de sucção estavam funcionando durante a enchente

O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), foi poupado pelos entrevistadores do programa “Roda Viva”, da TV Cultura, na noite de 2ª feira (20.mai.2024). Em alguns momentos o debate foi direcionado para temas ligados ao meio ambiente, como algumas normas estaduais flexibilizadas pela administração do tucano –como se isso tivesse sido o motivo principal das enchentes recentes.

Sobre a reforma do código ambiental estadual, o governador gaúcho respondeu que não houve flexibilização, mas uma atualização das normas para que fossem condizentes com as leis federais.

Mas não houve questionamentos diretos sobre falhas objetivas no sistema de prevenção de alagamentos que estava defeituoso na região de Porto Alegre e permitiu o desastre.

A capital gaúcha tem um sistema com 14 comportas (grandes portas de aço) e 23 bombas de sucção de água que permitem que a cidade resista até a chamada cota 6 (até 6 metros acima do nível do mar). Em nenhum momento houve água nesse nível na enchente recente. O que aconteceu, como mostrou o Poder360, foi uma série de defeitos nas comportas –vários motores para movimentar as portas foram roubados e nunca repostos– e nas bombas de sucção, pois só 4 estavam em operação durante as chuvas.

Nenhum dos entrevistadores do Roda Viva fez 3 perguntas diretas ao governador:

  1. “por que o seu governo não reparou as comportas que estavam sem motores nem modernizou o sistema de fechamento das portas de aço para evitar vazamentos?”;
  2. “por que seu governo não consertou as 19 bombas de sucção que estavam sem operar e que ajudam a devolver para o Guaíba águas das chuvas?”;
  3. “o senhor sempre diz que há recursos escassos, mas quanto teriam custado esses reparos se tivessem sido feitos depois das enchentes de 2023?”.

Em alguns trechos do programa, entrevistadores perguntaram se os administradores públicos –governador e prefeitos– não deveriam estar preparados, uma vez que houve enchentes em 2023. Eduardo Leite respondia sempre tergiversando, dizendo que choveu mais de 1.000 mm em um tempo muito curto e isso impediu qualquer reação.

“Nosso governo tem buscado fazer tudo ao alcance para reduzir o impacto das ações, tem buscado dar condições melhores de resposta, mas naturalmente lidamos com as condições limitadas que temos, que vêm de outras gestões”, disse Leite, ao ser perguntado sobre erros do governo estadual.

De novo, não havia perguntas diretas para redarguir e indagar ao governador sobre por que o Estado não reparou os sistemas de proteção, com diques, comportas e bombas.

Veja como é o sistema na galeria de infográficos abaixo:

Em entrevista ao Poder360, o professor da UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul) Fernando Dornelles, engenheiro civil e doutor em recursos hídricos e saneamento ambiental, afirmou que o sistema era falho e se provou ineficiente com as chuvas intensas.

A situação mostrou pontos vulneráveis que deveriam ser corrigidos, segundo afirmou o professor.

“O fato é que os pontos vulneráveis, que são as partes móveis (comportas e casas de bomba) não impediram a água de entrar. Isso foi uma falha. Saber exatamente por que elas falharam é uma investigação que precisa ser feita. Será que se sabia disso? Foi negligência? Quem operava não pensou na hipótese do Guaíba subir 4 metros e como que responderia?”, disse.

 

 

Roda Viva não pergunta a Leite sobre motores roubados de comportas