― Advertisement ―

spot_img

Separar contas pessoais com as da empresa é fundamental para sucesso do negócio

Levantamento do Sebrae mostra que os pequenos negócios dos microempreendedores individuais (MEIs) têm a maior taxa de mortalidade: 29% deles fecham após 5 anos...

Lacen/ES já realizou mais de 48 mil testes para detecção da dengue nas primeiras quinze semanas de 2024

As primeiras 15 semanas epidemiológicas de 2024 já somam no Espírito Santo um total de 68.839 casos confirmados de dengue em todo Estado. O Laboratório Central de Saúde Pública do Estado do Espírito Santo (Lacen/ES), que é uma referência nacional em vigilância laboratorial, tem um papel fundamental para a realização do diagnóstico e, consequentemente, no enfrentamento à doença, com a verificação de 48.141 testes de dengue, desde as semanas epidemiológicas (SE) 01 (31/12/2023) e a SE 15 (13/04/2024).

A solicitação para realizar esses testes é feita de acordo com a progressão dos sintomas dos pacientes. Assim como para as demais arboviroses, como a chikungunya e a zika, os exames para diagnóstico da dengue realizados no Lacen/ES são os de biologia molecular e sorologia, além do isolamento viral. Nesse período, foram realizados 20.599 testes de Biologia Molecular (RT-qPCR), 27.307 testes de sorologia e 235 testes de isolamento Viral, utilizados para a vigilância epidemiológica.

O diretor do Lacen/ES, Rodrigo Rodrigues, ressalta que cada método de detecção apresenta diferenças no tempo e forma de coleta, visando à garantia da sensibilidade e especificidade dos testes realizados.

“No método de biologia molecular (RT-qPCR), a detecção do vírus é realizada na fase aguda da doença, isto é, a coleta da amostra biológica deve ser feita até o 5º dia após o início dos sintomas, e pega o vírus ainda circulando. Em contrapartida, a detecção dos anticorpos IgG e IgM é realizada na fase da soroconversão e a coleta da amostra biológica deve ser realizada em pacientes após o 6º dia do início dos sintomas, detectando a resposta imune contra o patógeno. Essa diferenciação e a coleta adequada das amostras são extremamente importantes”, explicou Rodrigues.

Ainda, segundo o diretor, a maioria dos insumos utilizados para a realização do diagnóstico da dengue e das demais arboviroses é adquirida, principalmente, pelo Governo do Estado. “São utilizadas as três metodologias para os testes de arboviroses: teste de sorologia (IgM e IgG), teste de biologia molecular (RT-qPCR) e o isolamento viral, exame de importância para a vigilância epidemiológica. Nesse momento, o Estado está abastecido com todos os tipos de insumo para a realização de testes para dengue e demais arboviroses”, frisou.

Qualidade e reconhecimento

O Laboratório Central de Saúde Pública do Estado do Espírito Santo, o Lacen/ES, é considerado Padrão Ouro, de acordo com as normativas preconizadas pelo Ministério da Saúde (MS), por ter a capacidade de atender às demandas em nível estadual e garantir a liberação dos resultados em até 48 horas após o recebimento da amostra. Por conta desse patamar, o Lacen/ES se distingue dos demais estados brasileiros pela garantia da qualidade dos resultados em tempo oportuno para as medidas de vigilância e o manejo dos pacientes, além de se destacar na rapidez das respostas em seus diagnósticos laboratoriais. 

Além disso, o Lacen/ES tem também status de laboratório de referência regional, isto é, com atuação em conjunto com a Coordenação Geral de Rede de Laboratórios de Saúde (CGLAB) e a Secretaria de Vigilância em Saúde, do Ministério da Saúde, no acompanhamento da normalização e padronização de técnicas. A referência regional do Lacen/ES é para a Rede Nacional de Laboratórios de Saúde Pública para tuberculose (TB) e Micobactérias Não Tuberculosas (MNT). É o laboratório de saúde público ou privado com o maior número de ensaios acreditados no Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) pela Norma NBR ISO/IEC 17025:2017.

O diretor Rodrigo Rodrigues explicou também que, desde os períodos de maior pico da pandemia da Covid-19, o Lacen/ES se estruturou e continua evoluindo continuamente, com o intuito de atender a grandes demandas, sendo o seu parque tecnológico o grande legado da pandemia, além do investimento da gestão, que trouxe um importante retorno à capacidade analítica instalada.

“O Lacen-ES vem se estruturando tanto no quesito parque tecnológico quanto na contratação de servidores capacitados para atender a todas as grandes demandas. Recentemente, com o aumento de casos de doenças sazonais, como a dengue, e com o constante aprimoramento das técnicas, o laboratório recebeu mais um extrator de ácidos nucleicos automatizados, o que totaliza cinco extratores, e implementou o seguimento de nova geração para as arboviroses dengue, chikungunya, Zika, oropouche e mayaro”, disse Rodrigues.

A exemplo dos quatro primeiros meses de 2024, quando o Lacen/ES realizou ensaios moleculares em uma quantidade de 152% maior que a registrada em todo ano de 2023. Com o aumento da capacidade operacional, atualmente, o setor responsável pelos exames em RT-qPCR oferece a capacidade de realizar o diagnóstico laboratorial para mais de 37 agravos de relevância para a saúde pública.

Números da Covid-19 são destaques: mais de um milhão de exames já feitos

Outro dado que demonstra a capacidade técnica do Lacen/ES, ao longo dos últimos anos, é o quantitativo de exames realizados para a detecção da Covid-19. Por meio da metodologia de biologia molecular, com a utilização do RT-qPCR, considerado exame padrão ouro, o Laboratório já realizou, de fevereiro de 2020 ao início de abril de 2024, 1.001.331 exames para a detecção do vírus SARS-CoV-2, a Covid-19.

“Esse marco reflete a dedicação de toda a equipe do Lacen/ES ao enfrentamento à pandemia e também ao vírus, além do compromisso com a  saúde pública capixaba e com um retorno importante aos investimentos que recebemos pelo Governo do Estado, além da contribuição de uma expertise técnica ao serviço prestado”, destacou o diretor do Lacen/ES, Rodrigo Rodrigues.

Como consultar CNPJ?