― Advertisement ―

spot_img

Ministra da Saúde comemora dados da imunização infantil

A ministra da Saúde, Nísia Trindade, avalia que a melhoria da cobertura vacinal no Brasil é consequência do comprometimento dos trabalhadores da saúde, associado...

Filme sobre masculinidade negra estreia no Cine Metrópolis

Um relato íntimo conduz o segundo longa-metragem do cineasta Edson Ferreira, que estreia em Vitória em sessão especial na próxima quinta-feira (20), a partir das 19h, no Cine Metrópolis, localizado na Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), campus de Goiabeiras, Vitória. No filme “A Serena Onda que o Mar me Trouxe”, o diretor narra de forma documental e poética a história de seu pai, Edson Silva (1930-2018), um homem negro, pobre, nascido na periferia, que ganha o mundo ao ingressar na Marinha, nos anos 1940.

 O início do evento de lançamento contará com apresentação do duo Ogó, formado por Gessé Paixão e Vitor Martins, que busca discutir por meio da música as masculinidades negras, temática que o filme também aborda. Logo depois, haverá exibição da obra cinematográfica, às 20 horas, seguida de um bate-papo com o diretor Edson Ferreira, mediado pela cineasta Daiana Rocha, uma oportunidade para o público interagir com o diretor, que nasceu em Brasília, mas vive no Espírito Santo desde a adolescência. O filme permanece em cartaz nos dias seguintes no Cine Metrópolis. Os ingressos custam R$ 16,00 (inteira) e R$ 8,00 (meia).

 A obra, produzida pela Filmes da Ilha, já circulou por festivais em Porto Alegre (RS) São Luís (MA) e Afogados da Ingazeira (PE), e entrou no circuito comercial em Salvador (BA) e Maceió (AL), já tendo previsto estrear também em salas de cinema de João Pessoa (PB) e Aracaju (SE), contando com distribuição da Borboletas Filmes, produtora e distribuidora de conteúdo audiovisual com expertise acentuada em temáticas identitárias, e recursos do Ministério da Cultura, do Governo Federal, por meio da Lei Paulo Gustavo, via Edital da Secretaria da Cultura do Espírito Santo (Secult).

 A história da construção do filme começa anos atrás quando Edson Ferreira produzia um curta-metragem documental sobre um time de futebol amador treinado por seu pai, personagem tão íntimo que foi ganhando cada vez mais força para o diretor, levando-o a redescobrir e ressignificar a trajetória de seu genitor. “Entendi que ele veio de um lugar muito especial, sofisticado, embora a família muito pobre. Havia uma sofisticação na lida com a vida, com o carinho, o afeto, que eu sinto remontar muito à ancestralidade negra africana. O sentido do que é família. E eu comecei a entender mais a minha própria história, porque eu tenho certos gostos, vontades e desejos”, relata o cineasta.

 Então, o curta deu lugar a um longa-metragem que traz como ponto central o afeto, que o diretor destaca como o afeto preto. O papel do homem negro na sociedade, sem estigmas. Assim, Edson Ferreira conta a história do amor do pai pelas pessoas e o impacto que ele provocou ao longo de sua vida. Um homem que tinha o dom de valorizar as pessoas, de extrair o que elas tinham de melhor. O documentário revela o talento, o sentimento e a história de um homem que, mesmo sem ser conhecido de um grande público, foi uma pessoa de grandes feitos.

 O cinema brasileiro, historicamente construído majoritariamente por pessoas brancas e de classes abastadas, vem nos últimos anos sendo ocupado por cineastas e temáticas negras e indígenas, processo do qual Edson Ferreira faz parte, pois em 2014 se tornou o primeiro homem negro a dirigir um longa-metragem de ficção no Espírito Santo, “Entreturnos”.

 “Eu tenho muito este sentimento de que o Cinema Preto é um cinema de sentimento, de ação, de ligar a câmera e fazer. Sei que temos uma necessidade muito grande de fazer todo um trabalho de background. Não é só filmar por filmar. Sinto que a concretude do cinema preto se estabelece no momento em que filmamos, em que a gente dá o REC, no momento em que registramos corpos pretos, as inquietações que nós temos”, relata o cineasta, que é membro da Associação dos Profissionais do Audiovisual Negro (APAN).

 Ele considera um momento especial a exibição da obra no Espírito Santo, estado que tem mais da metade da população negra, embora muitas vezes se enalteça apenas as heranças italianas e alemãs. “Trazer para as telas um protagonismo preto é permitir a quem sempre foi negligenciado a possibilidade de se ver na tela. Me junto às vozes de tantas e tantos realizadores negros para dizer: ‘queremos contar nossas próprias histórias’”.

Serviço
Filme a Serena Onda que o Mar me Trouxe, de Edson Ferreira

Programação de estreia no Cine Metrópolis.

Quinta-feira (20)
19h15: Abertura da bilheteria e início da apresentação do Duo Ogó
19h45: Fim da apresentação e entrada do público na sala
20h: Apresentação do filme e início da projeção
21h20: Fim da exibição e início do debate
22h: Encerramento do debate

* Valor dos ingressos: R$16,00 (inteira) e R$8,00 (meia).
** O filme continua em cartaz até a quarta-feira, 26 de junho:

Horários:
Quinta-feira (20/06) às 20h
Sexta-feira (21) e Sábado (22) às 18h30
Segunda (24), Terça (25) e Quarta (26) às 20h

Trailer do filme: https://www.youtube.com/watch?v=VBhcX4VT1j0

Teaser do filme: https://www.youtube.com/watch?v=UGvbCPiDMY4

LocaL: Cine Metrópolis, Avenida Fernando Ferrari, 514, UFES – Goiabeiras, Vitória