― Advertisement ―

spot_img

Refugiados compartilham histórias e vivências em feira no Rio

A libanesa Farah Al Najjar está há 3 anos no Brasil; o venezuelano Alejandro Echezuria, há 7 anos; e, o congolês Alfred Camara...

6º TecLeite Espírito Santo reúne 300 produtores em Mucurici

Foto: Aparecida Nascimento

Essa quinta-feira (16) foi de muito aprendizado para 300 pecuaristas de Mucurici e região. O município do extremo norte capixaba recebeu a sexta edição do TecLeite Espírito Santo, evento que apresenta tecnologias para a produção sustentável de leite.

O dia de campo ocorreu no Sítio Três Irmãos, localizado no Assentamento Córrego da Laje, e foi realizado pelo Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper), Secretaria da Agricultura, Abastecimento, Aquicultura e Pesca (Seag), Embrapa Gado de Leite, Ministério do Desenvolvimento Agrário e Agricultura Familiar (MDA), Fundagres Inovar e Natercoop

A abertura contou com a presença do governador do Estado em exercício, Ricardo Ferraço; do secretário de Estado da Agricultura, Enio Bergoli; do diretor-presidente do Incaper, Franco Fiorot; e do superintendente do MDA no Espírito Santo, Laércio André Nochang.

O evento teve três estações, em que os participantes foram orientados por pesquisadores da Embrapa sobre planejamento forrageiro para produção de Leite, efeitos da dieta na reprodução e efeitos do clima na produção leiteira e alimentação dos animais.

Os assuntos abordados foram levantados pelo Incaper local com os produtores rurais da região, que produz mais de 50 milhões de litros de leite por ano.

“É a primeira vez que trazemos o TecLeite para o norte capixaba, essa importante região produtora de leite do nosso Estado. Fundamental incentivar os produtores a adotarem práticas sustentáveis para aumentar a produtividade, melhorar a qualidade e agregar valor ao leite. Trabalhamos com temas que estão em consonância com as demandas previstas no Plano Estratégico de Desenvolvimento da Agricultura Capixaba (Pedeag 4)”, destacou Franco Fiorot.

Segundo o secretário da Agricultura, Enio Bergoli, o Governo do Estado tem como meta avançar em competitividade e qualidade na produção de leite nas propriedades rurais capixabas.

“Vamos continuar a orientar e oportunizar projetos e ações de todas as instituições que trabalham na cadeia produtiva do leite no Espírito Santo. Essa é a segunda atividade mais presente nas propriedades rurais do Estado, só ficando atrás do café. Lançamos o Programa de Desenvolvimento Sustentável da Cadeia do Leite no Espírito Santo, no ano passado, com esse objetivo. Os eixos são voltados para a agregação de valor ao produto, o aumento na produção e produtividade de forma sustentável e usando novas tecnologias no campo”.

Produtores presentes aprovaram o dia de campo e pretendem aplicar em suas propriedades os conhecimentos repassados pelos pesquisadores.

“Gostei do incentivo para produção de volumoso, estocar forragens como cana, palma, capiaçu, para poder fornecer alimentação de qualidade aos animais nos períodos secos. Isso é muito importante na nossa região, que fica próxima do semiárido”, disse o produtor de Mucurici, Renan Almeida da Silva.

Mais de 1.500 pecuaristas atendidos com capacitações

Fruto de convênio de cooperação técnica entre a Embrapa Gado de Leite e o Incaper, o TecLeite ES faz parte do Projeto de Fomento da Bovinocultura Sustentável, integrante do Programa de Desenvolvimento Sustentável da Cadeia do Leite do Espírito Santo.

“Com o público dessa edição, o TecLeite chegou à marca de mais de 1.500 pecuaristas capixabas atendidos com capacitações presenciais gratuitas, ministradas por profissionais qualificados da Embrapa e do Incaper”, afirmou o coordenador de produção animal do Incaper, Bernardo Lima.

Para o analista da Embrapa Gado de Leite, Websten Cesario da Silva, a parceria com o Incaper é de extrema importância para a Embrapa se aproximar do produtor rural. “É uma via de mão dupla, em que os nossos pesquisadores repassam informações aos técnicos do Incaper, ao mesmo tempo em que os técnicos repassam as demandas do campo para a pesquisa. Pesquisa e extensão trabalham juntas. Esse modelo de parceria, inclusive, serviu de exemplo para a Embrapa fazer contratos com outras agências de extensão rural do País”, pontuou Cesario.