― Advertisement ―

spot_img

Covid-19: nova vacina começa a ser aplicada em PE

Assim como o vírus da gripe vai sofrendo mutações ao longo do tempo, o Sars-CoV-2, que causa a Covid-19, também. Por isso, a cada...

Bandes divulga projetos selecionados em edital de Chamada Pública para emissão de debêntures

O Banco de Desenvolvimento do Espírito Santo (Bandes) divulgou, nessa segunda-feira (11), o resultado da Chamada Pública de seleção de projetos estratégicos do Fundo Soberano do Estado do Espírito Santo para emissão de debêntures não conversíveis em ações. Lançado em 2023, o Programa destina R$ 250 milhões em recursos do Fundo Soberano para empreendimentos no Estado.

O banco capixaba divulgou os resultados em uma primeira chamada na qual as quatro empresas com as maiores notas de classificação foram selecionadas, a partir das etapas de análise efetuadas pelo banco, considerando a viabilidade dos projetos, a capacidade de promoção do desenvolvimento regional e o atendimento a aspectos de desenvolvimento sustentável. Nesta primeira chamada, o valor total dos quatro projetos foi de cerca de R$ 150 milhões.

Para chegar ao valor máximo global de R$ 250 milhões destinados ao programa, o banco também divulgou nessa segunda-feira (11) as três empresas seguintes que foram classificadas na fase anterior, em uma segunda rodada para apresentar a documentação até esta sexta-feira (15), de modo a dar início ao processo de análise para completar os R$ 100 milhões restantes.

As informações completas estão disponíveis no site do banco. O Programa é um mecanismo desenvolvido pelo Governo do Estado, por meio do Bandes, com o papel de atrair empreendimentos compromissados com aspectos que promovam o desenvolvimento sustentável e, sobretudo, o desenvolvimento regional em municípios do interior do Espírito Santo.

O diretor-presidente do Bandes, Marcelo Barbosa Saintive, destaca que o processo de Chamada Pública para a emissão de debêntures não conversíveis em ações habilita as empresas para acessar o mercado de capitais. “Além de serem projetos que acarretam crescimento para os municípios onde se instalam, as empresas passam a ter mais oportunidades de investimento e robustez, porque as avaliações de rating do processo de análise do Bandes podem conferir acesso ao mercado de capitais como uma forma de levantar recursos e diversificar investimentos. Essa relação dinâmica contribui para o ganho de competitividade das empresas do Estado”, ressalta Saintive.

Com foco na geração de empregos, renda e integração com o setor produtivo local, a implantação desses projetos contribui para transformar a realidade local. Os sete projetos chamados serão instalados em cinco municípios: Colatina, Linhares, Pinheiros, São Domingos do Norte e Serra.

Entenda o processo de seleção

O processo de seleção incluiu três etapas: a fase habilitatória ou qualificatória; a fase classificatória e a seleção final. Na primeira etapa, foi verificado se os projetos atendiam aos critérios estabelecidos e se tinham a documentação necessária, além da ausência de restrições.

Em seguida, os projetos foram classificados com base em três critérios técnicos e objetivos: “Desenvolvimento Regional”, avaliando a capacidade do projeto de gerar empregos, a localização do empreendimento e a integração com a cadeia produtiva; o “Risco Envolvido”, que considera o prazo de execução do projeto, o nível de inovação e as licenças requeridas, e, também, as práticas “ESG”, momento em que se avalia se o projeto conta com planejamento aderente a aspectos de ações sustentáveis, boas práticas sociais e de governança corporativa.

Por fim, os projetos passaram por uma avaliação mais aprofundada conduzida pelo Bandes e por uma consultoria especializada, que elaborou os ratings das empresas e das propostas. Na fase de seleção final, foi analisado o Plano de Negócios do projeto e toda a documentação, bem como avaliações econômicas e de risco.

Modalidade de financiamento

As debêntures são emitidas por sociedades anônimas e utilizadas, por exemplo, para financiar projetos que aumentarão a capacidade produtiva da empresa ou a sua entrada em um novo segmento. A flexibilidade do título possibilita à empresa emissora estruturar operações de médio e longo prazo, conforme a necessidade de recursos, com custos de captação para os emissores menores, especialmente quando se trata de empréstimos bancários de curto prazo, e garantias diferenciadas.

Gostou do conteúdo? Conheça outras matérias sobre o assunto:
Bandes recebe projetos para Programa Funses ESG de Desenvolvimento até dia 17 de julho

Informações sobre o Programa:
www.bandes.com.br/esg