― Advertisement ―

spot_img

Ibovespa fecha em queda de 0,58% e começa a quarta-feira aos 123,7 pontos

  O Ibovespa (índice da bolsa de valores brasileira) caiu 0,58% e fechou a terça-feira(28) a 123,7 mil pontos. A alta da inflação de consumo...

Sudeste, Centro-Oeste e Sul elevam sinais de aumento de Síndrome Respiratória Aguda Grave por Covid-19

As regiões Sudeste, Centro-Oeste e Sul do Brasil têm apresentado sinais de aumento de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) associados à Covid-19. Dados do último Boletim InfoGripe da Fiocruz mostram que em estados como Espírito Santo, Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso do Sul e Paraná foi verificada uma probabilidade de crescimento de 95% nas últimas seis semanas.  

O coordenador do InfoGripe, Marcelo Gomes, explica que o cenário não é exclusividade dessas regiões, uma vez que entre os estados nordestinos também foi verificada uma situação que acende um alerta. 

“A gente também tem alguns estados do Nordeste que também apontam sinal de crescimento, mas nesses, ainda não está muito claro qual é o agente infeccioso que está por trás dessa retomada, exceto o caso da Bahia em particular, onde já podemos observar uma possível associação com o vírus Influenza A, o vírus da grupe”, explica.

Em 2024, já foram contabilizados 241.640 casos de Covid-19 no Brasil<\/a>

Brasil passa de 991 mil casos prováveis de dengue em 2024<\/a>

Em todo o país, quanto ao ano epidemiológico 2024, já foram notificados 10.985 casos de SRAG. Do total, 37,7% com resultado laboratorial positivo para algum vírus respiratório; 41,8% negativos; e ao menos 14,5% em espera por resultado laboratorial. Vale destacar que, entre os casos positivos, 8,4% são Influenza A; 0,4% Influenza B, 11% vírus sincicial respiratório e 69,6% Covid-19. 

Capitais 

Entre as capitais, 17 registraram tendência de crescimento nas últimas seis semanas. Entre elas estão Aracaju (SE), Belém (PA), Boa Vista (RR), Campo Grande (MS), Cuiabá (MT), Fortaleza (CE) e Maceió (AL).

Por outro lado, Belo Horizonte (MG) e Porto Alegre (RS) apresentam possível queda nos casos, com tendência de redução que chaga a 75%. A maior queda foi registrada em Macapá (AP).
 

Foto: Adenir Britto/PMSJCFoto: Adenir Britto/PMSJC