Vice-governadora apresenta o programa Agenda Mulher para a empresária Luiza Trajano

Foto: Leandro Braga/Vice-Governadoria

A vice-governadora do Espírito Santo, Jaqueline Moraes, reuniu-se com a presidente da rede varejista Magazine Luiza, Luiza Helena Trajano, na manhã desta segunda-feira (9), no gabinete do Tribunal de Justiça do Estado do Espírito Santo (TJES). No encontro, a executiva e Jaqueline Moraes manifestaram a intenção de fortalecer os laços locais trabalhando juntas, unindo o Programa Agenda Mulher, da Vice-Governadoria, e o Grupo Mulheres do Brasil, movimento feminino político suprapartidário comandado por Luiza Helena Trajano, que atualmente reúne mais de 34 mil mulheres de todas origens e profissões, em 49 localidades do Brasil e do exterior.

Tanto o Programa da Vice-Governadoria quanto o Grupo Mulheres do Brasil atuam buscando o protagonismo feminino em parceria com Organizações Não Governamentais (ONGs), instituições e governos em ações de empreendedorismo feminino com objetivo de combater a violência contra a mulher e alcançar igualdade racial, políticas públicas, inclusão da pessoa com deficiência e outros importantes assuntos por meio de seus comitês temáticos.

Durante a reunião, Jaqueline Moraes explicou que a equipe do programa busca diálogo com a iniciativa privada para ampliar os investimentos na área do empreendedorismo, carro chefe do programa aprovado pelo Planejamento Estratégico do Governo do Estado 2019-2022.

A vice-governadora destacou a importância da participação do setor produtivo e entidades representativas, como o Magazine Luiza e o Grupo Mulheres do Brasil, junto ao Governo do Estado no incentivo ao empreendedorismo como alternativa para a independência e inclusão social das mulheres, principalmente aquelas que vivem em situação de vulnerabilidade.

Jaqueline Moraes reafirmou seu propósito como vice-governadora de trabalhar para que as mulheres sejam representadas com igualdade na economia. “É privado para muitas mulheres o acesso a conteúdo, cursos, palestras e outros serviços que venham realmente ao encontro de suas necessidades. É justamente nesta falta de um conhecimento mais profundo que queremos atuar, com ações decisivas para o sucesso dessas mulheres empreendedoras”, declarou.

Luiza Trajano, por sua vez, falou sobre a necessidade de ter uma força política apartidária para transformar o Brasil. “Foi quando criamos o Grupo Mulheres do Brasil, para construir um Brasil melhor a partir do protagonismo feminino. Em um país onde a desigualdade de gêneros é grande, a mulher ganha menos do que o homem trabalhando exatamente igual, na mesma função, e o problema da violência contra a mulher é alarmante, tudo isso mostra a importância de um movimento de mulheres que tenha esse olhar crítico e atento a essas causas e trabalhe para criar políticas públicas que transformem a sociedade como um todo”, explicou a empresária. Ela disse ainda que volta ao Espírito Santo para formatar melhor a atuação do Grupo Mulheres do Brasil e encontrar novamente a vice-governadora.

Paz em Casa

Luiza Helena Trajano, cuja empresa está se instalando no Espírito Santo e deve gerar, até o final de 2020, novos postos de empregos diretos na Grande Vitória, esteve no Espírito Santo para a abertura da solenidade que marca o início da 16ª Semana Justiça pela Paz em Casa. O evento, organizado pela juíza e coordenadora da Coordenadoria Estadual da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar, do Poder Judiciário do Espírito Santo, Hermínia Azoury, aconteceu nesta segunda-feira (9), no Salão Pleno do Tribunal de Justiça do Espírito Santo (TJES), com a participação da vice-governadora do Estado, Jaqueline Moraes; do desembargador Fernando Zardini Antonio; do presidente da Associação dos Magistrados do Espírito Santo (Amages), Daniel Peçanha; do representante do presidente do Tribunal de Justiça do Espírito Santo (TJES), Thiago Albani;  da promotora de justiça e coordenadora do Núcleo de Enfrentamento às Violências Domésticas e de Gênero em Defesa das Mulheres (Nevid), Claudia Albuquerque Garcia; entre outra autoridades.

Durante o evento, a empresária ministrou uma palestra com o tema “A Importância da Iniciativa Privada no Combate à Violência Doméstica Contra a Mulher”. Segundo ela, a sociedade civil deve assumir seu protagonismo na discussão política. “O meu propósito é a sociedade civil parar de reclamar e assumir o seu papel político, que não é partidário. Estou trabalhando muito isso para nos tornarmos protagonistas e pararmos de reclamar. Estou trabalhando para a solução”, asseverou. Trajano também falou sobre a violência contra a mulher e como a empresa mudou depois que uma funcionária foi assassinada pelo marido.

Texto: Andrezza Steck

Leia mais

Sicoob ES prorroga dívidas de 15 mil cooperados

Cerca de 15 mil pessoas e empresas já...

Aviação: Anac flexibiliza resolução durante pandemia

Regras têm caráter temporário enquanto houver a pandemia – Foto: FAB ...

Governo cria aplicativo que garante comunicação entre professores e estudantes

Buscando uma solução tecnológica para o acesso dos estudantes ao conteúdo das disciplinas nesse período de...

Projeto “Adote uma árvore” será lançado nesta segunda-feira em Nova Venécia

  A Prefeitura de Nova Venécia, por meio da Secretaria Municipal de Meio Ambiente, em parceria com o Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente...

Leia também

Mais de 460 casos de covid-19 são constatados em casas de repouso para idosos, aponta MPES

O Ministério Público do Espírito Santo constatou que...

Último dia para quem quer participar do Sisu do meio do ano se inscrever no sistema

Estudantes que participaram da edição de 2019 do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) podem se inscrever, até esta sexta-feira, 10, para o Sistema de Seleção...

Menino de quatro anos morre afogado em córrego no Noroeste do Espírito Santo

O pai da criança, Adriano Gomes, estava trabalhando na lavoura de café e conta que o menino ficou sozinho enquanto a mãe saiu para...

Justiça do Espírito Santo determina que vídeo antigo de Casagrande em festa junina seja retirado do ar

Imagens foram registradas em 2017, mas publicadas como se fossem atuais. Para o juiz, a publicação apresenta 'a clara intenção de macular a honra'...