Vereador é preso suspeito de mandar matar ativista político

Jonas Soprani, de 48 anos, foi assassinado a tiros em Linhares — Foto: Reprodução/TV Gazeta

Um vereador de Linhares, no Norte do Espírito Santo, foi preso nesta quinta-feira (29) em Belo Horizonte suspeito de mandar matar o ativista político Jonas Soprani (PSB).

Jonas foi assassinado a tiros em um bar de Linhares no dia 23 de junho. O crime é investigado pela Delegacia de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP) do município. Outras duas pessoas suspeitas do crime já haviam sido presas.

De acordo com o delegado Fabrício Lucindo, o vereador Waldeir de Freitas (PTB) estava na capital mineira para um curso. O parlamentar é apontado como um dos mandantes do crime.

No dia do crime, o vereador lamentou a morte do ativista em uma rede social.

Vereador Waldeir de Freitas (PTB) — Foto: Reprodução/TV Gazeta

A Polícia Civil de Minas Gerais cumpriu o mandado de prisão. Uma equipe da Polícia Civil do Espírito Santo vai trazer o suspeito ao estado.

A previsão é de que o vereador seja interrogado em Linhares nesta sexta-feira (30).

A Câmara de Linhares informa em nota que ainda não foi notificada oficialmente sobre a prisão do vereador.

A nota diz ainda que o inquérito policial tramita em segredo de Justiça, “o que impossibilita, no momento, a avaliação para adoção de qualquer eventual providência”.

“A Câmara aguarda a conclusão das investigações e permanece à disposição das autoridades”, diz parte da nota.

No dia do crime, o vereador lamentou a morte do ativista em uma rede social. — Foto: Reprodução/Instagram

O crime

De acordo com o delegado da DHPP de Linhares que conduzia o inquérito, Tiago Cavalcante, havia indícios de crime de pistolagem e que poderia estar ligado a motivações políticas. A declaração foi dada pelo delegado dias após o crime.

Jonas Soprani foi candidato a vereador de Linhares nas eleições de 2020, mas não se elegeu.

Conhecido como ativista político na cidade, ele costumava postar vídeos em suas redes sociais, nos quais dizia fiscalizar as ações da Prefeitura e da Câmara da cidade. Ele foi também o autor de denúncias entregues à Câmara e costumava fazer duras críticas aos poderes da cidade.

No dia 20, os irmãos gêmeos Cosme Damasceno e Damião Damasceno foram presos por suspeita de ligação com o crime. Eles estavam em Cariacica, na Grande Vitória, com o carro usado no dia do assassinato.

G1 ES