Vereador de Vitória aciona Ministério Público por causa das cobranças do rotativo em plena pandemia

O vereador Mazinho dos Anjos (PSD), que por sinal tem tido uma atuação destacada na Câmara Municipal de Vitória pela sua atuação firme e com muita responsabilidade, tem ouvido clamor por parte de várias pessoas a respeito das cobranças feitas nos rotativos (parquímetros) da capital.

O referido vereador já solicitou a prefeitura a suspensão das cobranças, mas como a prefeitura não tomou as providencias cabíveis, Mazinho então está acionando o Ministério Público na tentativa de dar um basta nesta situação.

“Estou entrando com uma representação no Ministério Público do Estado do Espirito Santo (MPE), para que a Prefeitura de Vitoria seja notificada quanto à suspensão das cobranças nos parquímetros da cidade, enquanto durar o decreto de estado de calamidade pública”, disse o vereador Mazinho.

Mazinho dos Anjos disse que os proprietários de veículos estão revoltados com o retorno dos parquímetros, ainda em tempos de isolamento social. E não é exagero, não.

“Tenho recebido muitas reclamações de cidadãos que, ao contrário do que a prefeitura afirma, veem a volta das cobranças nos rotativos como uma forma da empresa e a prefeitura municipal de Vitoria continuarem arrecadando”, disse o vereador Mazinho dos Anjos em publicação em seu Instagram.

Vejam como as pessoas tem reclamado:

(01)Os parquímetros em Vitoria já voltaram a funcionar, das 10 às 16h. Mas o decreto de calamidade pública continua e o comércio permanece sob restrições. A Prefeitura justifica que, se a circulação de carros nas ruas aumentou, a cobrança nos rotativos pode retornar.

Não concordo. Você̂ acha que o rotativo é um serviço essencial?

Vamos cobrar para que a Prefeitura foque no que realmente importa e volte a suspender a cobrança nos parquímetros enquanto durar a pandemia.

(02) Absurdo cobrar para estacionar se a rua não está lotada de carros… O comércio está com restrições para a abertura, a maioria das pessoas está em isolamento, é insensatez cobrar para o cidadão estacionar na rua durante um estado de calamidade, sendo que ele já paga seus devidos impostos para a manutenção da mesma.

(03) Absurdo mesmo, além de não ser serviço essencial você não acha o suporte. Ontem eu precisei de moedas e não tinha. Tive que tentar trocar nos estabelecimentos para conseguir fazer o pagamento. E não apareceu ninguém para suporte. Não são serviço essencial assim como as lojas de chocolates TB não eram. Vai entender.

Leia mais

Leia também