Vereador capixaba é alvo de operação do MPES por prática de ‘rachid’

O Ministério Público do Espírito Santo (MPES) deflagrou nesta quinta-feira (11) a Operação “Consultório do Crime”, para investigar a prática de “rachid” na Câmara de Vereadores de Linhares, no Norte do Estado. A informação é da TV Gazeta.

O “rachid” acontece quando um político exige parte do pagamento de servidores como condição para a obtenção ou manutenção do trabalho. O investigado é o vereador Doutor Luiz Carlos Almeida (PDT).

A defesa do vereador disse que ainda não conhece a denúncia em sua totalidade, porque ela foi anônima e está em sigilo e que, assim que tomar conhecimento da operação, se pronunciará.

O procedimento está sob segredo de justiça. Foram cumpridos os oito mandados de busca e apreensão e uma pessoa foi presa por porte ilegal de arma de fogo.

O procurador da Câmara de Linhares, Márcio Pádua disse que também ainda não tem conhecimento total sobre o conteúdo da investigação.

“Nós recebemos no início da manhã o Gaeco com expedição do mandado de busca aqui dentro no gabinete de um dos vereadores da Câmara. Recebemos, acompanhamos o trabalho e não tivemos nenhuma informação oficial sobre o procedimento, até mesmo porque está em sigilo. Não temos informação sobre o que está sendo apurado”, disse.

Além disso, o procurador informou que, até o momento, não há qualquer tipo de determinação de afastamento do vereador.

“Não temos nenhuma determinação legal de afastamento de nenhum vereador. Enquanto não recebemos, o trabalho está sendo realizado normalmente. Claro que tem a iniciativa de qualquer cidadão, qualquer vereador, dar início paralelamente a um procedimento administrativo para eventual cassação ou análise desse fator que também está sendo investigado”, explicou.

Prédio da Câmara Municipal de Linhares — Foto: Divulgação/Câmara de Linhares

Prédio da Câmara Municipal de Linhares — Foto: Divulgação/Câmara de Linhares

 

Leia mais

Leia também