Veneciano aprovado em vestibulares dos EUA e outros pelo Brasil afora

Murilo Calegari de Souza vai ingressar em uma universidade na Califórnia, foi a opção que ele escolheu, após ser aprovado em cinco instituições norte-americanas. Na matéria tem o Paulo Victor Novais Ferrari, selecionado na USP e UFF, o João Gabriel Costa Fanticelli, que está com tudo pronto para cursar Medicina no Rio de janeiro e Juliana Marcarini Carloni, que vai cursar Engenharia de Computação, na USP

Reportagem: Cintia Zaché / Rede Notícia

Aprovado em cinco universidades dos Estados Unidos, o veneciano Murilo Calegari de Souza, 19 anos, escolheu a Universidade de Duke, em Durham, Carolina do Norte, para cursar o ensino superior. A profissão que vai seguir, ele ainda não sabe, mas cogita em Ciência da Computação. “Lá é diferente, o estudante faz a opção pelo curso após o segundo ano de estudos. Estou cogitando também em fazer Matemática junto, já que dão essa oportunidade de fazer dois cursos”, diz Murilo.

As aprovações americanas do estudante começaram a sair resultado em março, e de lá para cá, Murilo coleciona esse leque de opções, e por conta disso, preferiu não se inscrever no Sistema de Seleção Unificada. “Eu já tinha sido aprovado onde desejava, então, já estava bom. Aqui no Brasil, passei na Fundação Getúlio Vargas, no curso de Ciências de Dados e Inteligência Artificial, por um vestibular próprio deles”, explica.

Filho dos contadores Eliana Calegari de Souza e Mauro Zeferino de Souza (In Memória), morador do bairro Rúbia, Murilo cursou o ensino Médio no Instituto Federal do Espírito Santo (Ifes), de Nova Venécia, no curso de Edificações. O Ensino Fundamental, a Casa -Escola Montessoriana “A Ciranda” foi a responsável pelos estudos do menino, que até o 4° ano, foi aluno da EMEF Dr. Renato Araújo Maia e EMEF Tito dos Santos Neves.

Aprovação
Para conquistar a tão esperada vaga em uma universidade americana, Murilo se inscreveu em 21 delas. O teste também foi realizado lá nos Estados Unidos, onde o veneciano precisou ser avaliado não somente por nota da prova. “Eles gostam de falar que o processo é holístico, é mais similar a uma entrevista de emprego. Não te avaliam só pela nota de uma prova. Eu enviei várias informações minhas. A nota do Enem é fator quase não levado em consideração. O que conta mais é o histórico escolar e também a nota de um outro teste, o SAT”, explica.

O Teste de Aptidão Escolar, que é o SAT, é uma prova padronizada utilizada por diversas universidades americanas, como um dos critérios no processo seletivo de estudantes para a graduação, composta por duas seções obrigatórias: interpretação de texto e gramática em inglês e matemática, além de uma redação opcional. “Esse teste é aplicado várias vezes durante o ano, porém, por conta da pandemia, fiz duas vezes, uma no Rio de Janeiro, e outra em Londrina, Paraná”, relata.

Além de todo incentivo e auxílio do Ifes, Murilo também participou do “Prep, Estudar Fora”, que é um programa gratuito on-line, com grade específica para quem deseja estudar fora do País e só é aceito no programa, através de seleção. “Sempre gostei de matemática. Mas é preciso ter um bom desempenho em tudo. Há questões levadas em conta para uma aprovação nos EUA, que não são consideradas aqui no Brasil, uma delas, é sobre atividades extracurriculares desempenhadas. Aprendi Libras com uma amiga que estudei no Ifes, e isso, contou ponto para minha aprovação também, os critérios lá são bem diferentes dos daqui”, relata.

Murilo ainda tem Inglês fluente e sua matéria preferida é matemática, inclusive esteve em Taiwan pelo Ifes, selecionado para participar da Ásia International Mathematical Olympiad (AIMO), uma olimpíada de competição internacional. “Tudo contou para eu ser aceito na universidade americana, inclusive essa olimpíada, que não posso esquecer que, foi o veneciano Richarlison quem doou R$ 50 mil para irmos”, relata.
Agora, Murilo aguarda somente o visto para ingressar, em agosto, na Universidade de Duke.

» Murilo é filho da contadora Eliana Calegari de Souza e Mauro Zeferino de Souza (in memorian)

Aprovado na USP e na UFF

Paulo Victor Novais Ferrari, 19, foi aprovado em 6° lugar, na Universidade de São Paulo (USP), no curso de Gestão de Políticas Públicas, e mais outras diversas faculdades particulares. A notícia chegou no último dia 06, para completar a alegria dos pais do estudante, os empresários, Elessandro Ferrari e Maria Aparecida de Novais Ferrari. “Parabéns meu filho, estamos muito orgulhosos com os caminhos que você está trilhando e que saiba, com serenidade, escolher o que for melhor para sua vida. Te amamos!”, expressam os pais.

Mesmo com a aprovação, Paulo Victor, que já estava cursando o primeiro período de Relações Internacionais na Universidade Federal Fluminense (UFF), resultado que saiu no último mês de dezembro, e agora, mesmo com a recém aprovação na instituição paulista, ele não pretende abandonar o curso para ir para a USP. “Eu preferi a UFF por dois motivos: o primeiro seria que já me acomodei no curso e o segundo ponto é que, relações internacionais tem um leque maior de opções no mercado, enquanto gestão de políticas públicas é muito direcionado”, fala.

Em Nova Venécia, Paulo Victor estudou na Casa Escola Montessoriana A Ciranda, e o término do Ensino Médio foi em uma escola particular em Vila Velha. “Eu me sinto mais leve, mesmo com responsabilidades da faculdade, mas o fardo do Enem, pelo menos já acabou, coisa que complica e faz muitos estudantes terem problemas sérios. Agora é só comemorar e me profissionalizar”, fala.

» Paulo Victor Novais Ferrari foi aprovado na UFF e USP, e jé está cursando a universidade
» Paulo Victor e os pais, Elessandro Ferrari e Maria Aparecida de Novais Ferrari

Medicina na UFRJ

João Gabriel Costa Fanticelli, 20, foi aprovado em Medicina, na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), é a primeira vez que o veneciano tenta o vestibular e a nota do estudante na instituição carioca foi 819,79. “Já havia pensando em atuar em outras profissões, mas nos últimos anos, fui descobrindo a Medicina. Gosto muito de estudar o corpo humano e seus mecanismos”, diz.

Filho dos contadores Marcos Fanticelli e Mariluce Oliveira Costa Fanticelli, João Gabriel também poderia escolher ingressar na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), mas teve com sua primeira escolha, o Rio de Janeiro.

Em Nova Venécia, o estudante sempre foi aluno de escola pública, e estudou no Dom Bosco, EMEF Veneciano e IFES (Nova Venécia), formando em Técnico em Edificações. Após, João arrumou as malas e foi para o Rio de janeiro, por lá, fez um cursinho preparatório para vestibular e conseguiu a aprovação tão desejada. “Primeiro foi um susto. Eu acordei no dia que saiu o resultado e a primeira coisa que fiz, foi olhar se tinha passado. Depois veio a felicidade quando falei para a minha mãe, e ela me abraçando (acho que ela tinha ficado mais feliz que eu na hora). E por fim, me senti realizado, pois foi um ano lutando sem parar e sem desistir, cerca de 11 horas de estudos por dia, Ainda mais com essa pandemia, foi ainda mais difícil, mas no fim, veio a vitória”, narra.

Sobre ser uma pessoa inteligente, o veneciano é modesto em falar. “Pergunta complicada, não me acho inteligente e sim, esforçado. Meus amigos de escola sempre disseram que sou inteligente. Sempre gostei de estudar. Biologia e Química eram minhas matérias prediletas, também gosto de matemática. Enfim, a hora chega para todo mundo. Só precisamos ter paciência e, principalmente, nunca desistir”, completa.,

» João Gabriel Costa Fanticelli vai cursar Medicina na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)
» João Gabriel é filho dos contadores Marcos Fanticelli e Mariluce Oliveira Costa Fanticelli

USP e UNICAMP

Para finalizar, Juliana Marcarini Carloni, 18 anos, foi aprovada em Engenharia Elétrica na Unicamp e na USP, pela Fuvest, e ainda, engenharia de computação na USP, pelo Sisu. “É uma sensação muito boa, porque a aprovação é o primeiro passo para muitas oportunidades futuras, estou muito feliz”, diz.

Filha do professor Alcimar Carloni e da contadora Roselena Marcarini Carloni, a veneciana decidiu cursar Engenharia de Computação, na USP.

Juliana completou o Ensino Fundamental na Casa-Escola Montessoriana A Ciranda, e finalizou o Ensino Médio no Ifes, em Vitória, no curso de Eletrotécnica.

» Juliana com os pais, Alcimar Carloni e Roselena Marcarini Carloni, e o irmão, Henrique

 

» Murilo Calegari de Souza aprovado em cinco universidades norte-americanas

Leia mais

Leia também