Vacinação contra Covid-19: informações sobre públicos a serem imunizados no Espírito Santo

Com o anuncio do Ministério da Saúde, na última sexta-feira (28), sobre a inclusão da população geral (de 18 a 59 anos) ao Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19 (PNO) e somado à vacinação dos públicos já pré-definidos e que estão em andamento, seja pelo PNO ou pela estratégia estadual, a Secretaria da Saúde (Sesa) preparou um guia com informações sobre os públicos a serem vacinados no Espírito Santo.

Ampliação à população geral

A partir da chegada de uma nova remessa de doses enviadas ao Estado, ainda esta semana, o Governo fará o envio aos municípios de vacinas destinada à população geral. O Ministério da Saúde definiu, na última sexta-feira (28), a inclusão da população de 18 a 59 anos na Campanha de vacinação contra a Covid-19.

No Espírito Santo foi pactuado, por meio da Resolução Nº 086/2021 da Comissão Intergestores Bipartite (CIB), que a operacionalização ocorrerá por faixa etária. O escalonamento se dá para melhor organização e devido à escassez de doses.

Assim, a imunização será iniciada dos 55 aos 59 anos, seguindo 50 a 54 anos; 45 a 49 anos; 40 a 44 anos; 35 a 39 anos; 30 a 34 anos; 25 a 29 anos; 18 a 24 anos.

Além disso, é definido também por meio da Resolução nº 086/2021 que, do quantitativo de novas doses que chegar ao Estado, 80% serão encaminhados à população em geral, por faixa etárias, e 20% mais a reserva técnica serão encaminhados aos demais grupos prioritários já definidos anteriormente.

Os municípios terão autonomia de iniciar uma nova faixa etária sempre que a anterior atingir a meta de vacinação de 90%.

Maio tem inclusão de sete novos grupos prioritários

Entre a ordenação do Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19, do Ministério da Saúde, e a antecipação de grupos feita pela estratégia do Governo do Espírito Santo, no Plano Estadual, o mês de maio contou com o início da vacinação de sete novos grupos prioritários.

São eles: comorbidades, pessoas com deficiência permanente, gestantes e puérperas, trabalhadores do sistema prisional e socioeducativo, trabalhadores do transporte coletivo rodoviário de passageiro, da população em situação de rua e dos trabalhadores de portos e aeroportos, totalizando pouco mais de 640 mil capixabas.

Pessoas com comorbidade: atualizações e novidades

No início do mês de maio, o Estado deu início à vacinação do grupo de comorbidades. Em pouco mais de 30 dias, o Ministério da Saúde, por meio do Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19 (PNO), e o Governo do Estado, por meio do Plano Estadual de Imunização contra a Covid-19,realizaram atualizações, a fim de ampliar e garantir a vacinação a uma maior parcela da população.

Para a sétima versão do PNO, o Ministério definiu a inclusão para as comorbidades prioritárias e as doenças neurológicas crônicas.

São consideradas doenças neurológicas crônicas: doença cerebrovascular (acidente vascular cerebral isquêmico ou hemorrágico, ataque isquêmico transitório, demência vascular); doenças neurológicas crônicas que impactem na função respiratória, indivíduos com paralisia cerebral; esclerose múltipla e condições similares; doenças hereditárias e degenerativas do sistema nervoso ou muscular; deficiência neurológica grave.

Vale ressaltar que os transtornos mentais não são considerados doenças neurológicas crônicas.

Outra atualização, ao longo deste mês, foi em relação à definição de hipertensão arterial para as comorbidades. No Espírito Santo, com a publicação da Nota Técnica COVID-19 N° 12/2021, fica definido que, no caso de hipertensão, serão aceitos laudos médicos, cadastro preexistentes na unidade básica ou declarações do enfermeiro dos serviços de saúde onde o usuário faz tratamento com a descrição da comorbidade ou condição existente, com a descrição “hipertensão arterial”, independente da confirmação de lesão em órgão alvo.

Vacinação para pessoas com deficiência permanente é ampliada

Em pactuação entre Estado e municípios, por meio da Comissão Intergestores Bipartite, na Resolução CIB Nº084, fica definida a ampliação da vacinação a todas as pessoas com deficiência permanente, independente de receber ou não o Programa de Benefício de Prestação Continuada (BPC).

Como comprovação no ato da vacinação, o usuário deverá apresentar o documento de identificação com foto, além de um dos documentos abaixo:

  1. Laudo médico indicando a deficiência existente;
  2. Declaração do enfermeiro do serviço de saúde onde o usuário faz acompanhamento;
  3. . Cartão de gratuidade no transporte público que indique condição de deficiência permanente;
  4. Documentos comprobatórios de atendimento da pessoa com deficiência permanente em centros de reabilitação ou unidades especializadas no atendimento de pessoas com deficiência;
  5. Documento oficial de identidade com a indicação da deficiência que indique se tratar de pessoa com deficiência permanente.

Como funciona a estratégia estadual na vacinação Covid-19

O Espírito Santo vem se destacando no cenário nacional com a estratégia estadual de ampliação dos grupos prioritários na vacinação contra a Covid-19, utilizando, para isso, as doses da reserva técnica.

“Com a otimização no uso das doses por meio dos municípios, o Estado consegue, utilizando a reserva técnica, ampliar a campanha para demais grupos. Utilizamos cerca de 90% da reserva técnica, sem comprometer o estoque na Rede Estadual de Frio”, explicou a coordenadora do Programa Estadual de Imunizações e Vigilância das Doenças Imunopreveníveis, Danielle Grillo.

Por meio dessa estratégia, o Estado já antecipou a vacinação dos grupos de trabalhadores de segurança, da educação, do transporte rodoviário coletivo, do sistema prisional, de parte das pessoas com deficiência permanente sem o Programa de Benefício de Prestação Continuada (BPC) e de pessoas em situação de rua. “Vale ressaltar que seguimos rigorosamente o ordenamento do Plano Nacional e também a estratégia que o Estado estabeleceu, seguindo pela importância social e de possíveis transmissores da doença”, informou a coordenadora.

Vacina da Pfizer em todo território capixaba

O Espírito Santo recebeu a primeira remessa de imunizantes da Pfizer/BioNTech, ainda no começo do mês de maio. Inicialmente, as doses foram destinadas somente às capitais, devido às especificidades tanto no armazenamento quanto no manuseio.

Com a suspensão da vacina Covishield (Oxford/Fiocruz), conhecida como AstraZeneca, no dia 11 de maio, o Governo Estadual passou a encaminhar o novo imunizante a algumas cidades polos, a fim de otimizar a vacinação de gestantes e puérperas.

Neste processo, as equipes estaduais de imunização passaram a capacitar os profissionais das regionais de saúde e também dos municípios, visando à ampliação em todo o território. As capacitações ocorreram tanto in loco, como de forma on-line.

Com a utilização da Pfizer também para o público de comorbidades, o Estado passa a distribuir a todos os 78 municípios.

Mais celeridade na vacinação dos trabalhadores da educação

Na última quarta-feira (26), os secretários de Estado da Saúde e da Educação, Nésio Fernandes e Vitor de Angelo, anunciaram por meio de um pronunciamento on-line o início da vacinação dos trabalhadores da educação do Ensino Superior. O Estado já havia iniciado a imunização dos trabalhadores do Ensino Básico.

Além disso, ficou definido também que a operacionalização das ações será exclusiva dos municípios, responsáveis pelo agendamento dos grupos, não precisando seguir mais o escalonamento por idades.

 


Leia mais

Leia também