Vacina da AstraZeneca/Oxford é alvo de suspensão em série em vários países


Espanha, França, Itália e Alemanha, além de Portugal, Eslovênia e Chipre, anunciaram nesta segunda-feira(15), a suspensão da vacina contra o coronavírus desenvolvida pela farmacêutica AstraZeneca e pela Universidade de Oxford. Eles são os últimos em uma lista crescente de países que decidiram suspender ou limitar as inoculações com a droga devido a relatos de que algumas pessoas vacinadas desenvolveram coágulos sanguíneos.

As medidas foram aprovadas apesar de a Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmar que não há motivo para interromper o uso do medicamento, pois “nenhuma relação causal foi demonstrada” entre a vacina e os relatos de formação de coágulo no sangue.

Em 11 de março, a Dinamarca foi o primeiro país a anunciar a suspensão do uso da vacina AstraZeneca como medida de precaução, temendo que pudesse estar relacionada a coágulos sanguíneos sofridos por pessoas inoculadas. Naquele mesmo dia, Islândia e Noruega fizeram o mesmo, suspendendo temporariamente o uso de todo o fornecimento da droga.

Um dia depois, a Bulgária interrompeu o uso da vacina, depois que uma mulher com várias doenças subjacentes que havia recebido a droga recentemente morreu. Uma investigação inicial sugeriu que o paciente morreu de insuficiência cardíaca e a autópsia não encontrou nenhuma ligação com a droga.

Em 12 de março, a Tailândia atrasou abruptamente o início do lançamento da vacina, impedindo o primeiro-ministro Prayut Chan-O-Cha de receber a primeira dose (embora na segunda-feira tenha sido informado que o país começará a usar a vacina AstraZeneca a partir de 16 de março) . Por sua vez, a República Democrática do Congo, que também deveria iniciar a vacinação, adiou sua campanha de “medidas cautelares”.

Irlanda e Holanda entraram na lista em 14 de março, seguidos pela Indonésia. Nesta segunda-feira, Alemanha, Itália, França e Espanha anunciaram medidas semelhantes, ressaltando que são temporárias e que foram tomadas “por precaução”, enquanto se aguarda o parecer da Agência Europeia de Medicamentos (EMA, por sua sigla em inglês) sobre o medicamento . O uso da vacina também foi suspenso por Chipre, Portugal e Eslovênia.

Nem todos os países que tomaram esse tipo de medida suspenderam totalmente o uso da vacina. A Áustria anunciou a suspensão de um único lote da droga em 8 de março, após a morte de uma enfermeira de 49 anos de “graves distúrbios de sangramento” dias após a injeção.

Estônia, Lituânia, Letônia e Luxemburgo também suspenderam o uso de doses do mesmo lote, que já foi entregue a 17 países e incluiu um milhão de vacinas. Em 11 de março, a agência italiana de medicamentos AIFA também proibiu o uso daquele lote como medida de precaução, levando a uma decisão semelhante da Romênia.

AstraZeneca informou no domingo passado que não encontrou evidências de que sua vacina contra o coronavírus cause um aumento no risco de coágulos sanguíneos.

A empresa disse que realizou “uma revisão cuidadosa” de todos os dados disponíveis em mais de 17 milhões de pacientes inoculados com seu medicamento na União Europeia e no Reino Unido. De acordo com a empresa, os resultados “não mostraram evidências de um risco aumentado de embolia pulmonar, trombose venosa profunda ou trombocitopenia, em qualquer faixa etária definida, sexo, lote ou em qualquer país em particular”, informa a RT.

(Foto: REUTERS/Dado Ruvic)

Leia mais

Leia também