Vacina 100% nacional começa a ser aplicada

Compartilhe

O Ministério da Saúde aplicou nesta terça (22) as primeiras doses da vacina contra a Covid-19 produzida no Brasil. O imunizante é da fabricante AstraZeneca, mas é inteiramente produzido em solo brasileiro, pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Ao todo, a Fundação tem 550 mil doses prontas para a entrega. O Ministério da Saúde aguarda o envio do primeiro lote para realizar uma reunião com o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) e o Conselho Nacional de Secretarias Municipais (Conasems) para definir como será a distribuição para os Estados e o Distrito Federal. 

Segundo o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, essa etapa representa a liberdade em relação à produção de vacina com o IFA nacional e uma aposta no fortalecimento do complexo econômico e industrial da saúde. “Essa é a vacina que tem o menor custo. O Governo Federal investiu R$ 1,9 milhões para a encomenda tecnológica e hoje nós podemos ter uma vacina segura, bastante eficaz, bastante efetiva e que, no Brasil, tem tido resultados extraordinários. Então, com a nossa potente campanha de vacinação, nós temos certeza que vamos vencer a pandemia da Covid-19” 

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária aprovou no dia 7 de janeiro<\/a> o registro do ingrediente farmacêutico ativo (IFA) da vacina da AstraZeneca. A vacina da Fiocruz está autorizada no Brasil desde 17 de janeiro do ano passado e recebeu o registro definitivo em março de 2021. 

A presidente da Fiocruz, Nísia Trindade, ressaltou a ampla rede de apoio que se formou para a prospecção, avaliação e suporte à implementação da encomenda tecnológica que permitiu a produção e, posteriormente, a transferência de tecnologia que se completa com a vacina 100% nacional. “A conquista de hoje tem importância fundamental não só para a nossa instituição mas, sobretudo, para o nosso país.”

O Conselho Nacional de Saúde (CNS) emitiu nesta segunda (21) uma nota felicitando a Fiocruz pelas primeiras vacinas contra a Covid-19 100% nacionais. Segundo a instituição, “o desenvolvimento da nova vacina nacional contra a Covid-19 inaugura uma etapa de avanço na superação da pandemia no Brasil e no mundo”. 

O presidente da CNS, Fernando Pigatto, destacou o papel estratégico desempenhado pela a Fiocruz e comprometimento da instituição com a saúde pública “É um motivo de muita alegria e satisfação nós estarmos celebrando esse momento, cumprimentando também os trabalhadores da Fiocruz, a quem tem a ciência como prioridade.”

Ao todo, o Ministério da Saúde contratou 105 milhões de doses da vacina da instituição para este ano, sendo 45 milhões de doses da vacina nacional. A Fiocruz já produziu um quantitativo de IFA nacional equivalente a cerca de 25 milhões de doses de vacina, das quais envasou 2,6 milhões de doses, incluindo as 550 mil já disponíveis. As demais (cerca de 2 milhões) estão em diferentes etapas para liberação.

Veja mais 

Teve Covid-19? Saiba quais são os sintomas mais persistentes<\/a>

Aprovado projeto que regulamenta retorno de gestantes ao trabalho presencial após vacina<\/a>

filhos" target="_blank" rel="noopener">Covid-19: Marcelo Queiroga defende não obrigatoriedade, mas pede que pais vacinem filhos<\/a>

Investimentos na saúde 

Durante a coletiva, Queiroga afirmou que o Governo Federal já investiu cerca de R$ 33 bilhões no combate à pandemia. Ele também afirmou que 430 milhões de doses da vacina foram distribuídas e o Brasil tem mais 500 milhões de doses asseguradas até o fim do ano. “Temos a certeza de conter o caráter pandêmico da Covid-19.”

Segundo a infectologista Joana D’arc, a imunização com o esquema completo ainda é a melhor forma de combater a Covid-19. “O que se tem observado no mundo todo é que as pessoas que têm morrido ou que estão em unidades de cuidados intensivos, na maioria dos países, são as pessoas não imunizadas ou que não completaram o esquema vacinal”, ressalta. 

A presidente da Fiocruz também destacou o papel que o Brasil passa a ter no nível global de combate à doença. “Hoje, com os estudos de efetividade das vacinas utilizadas no Brasil através do Programa Nacional de Imunizações, o Brasil poderá dar mais contribuições para a saúde pública do país e em nível global.”

Foto: Myke Sena/Ministério da Saúde Foto: Myke Sena/Ministério da Saúde

Leia também

Estados e municípios recebem R$ 7,67 bi do governo por arrecadação com leilão do pré-sal

Estados e municípios receberam, nesta sexta-feira (20), repasse de R$ 3,67 bilhões do Governo Federal pela arrecadação com...

Helicóptero faz pouso forçado, rompe fiação e deixa moradores sem luz em Barra de São Francisco

Um piloto de helicóptero precisou pousar em uma região de mata em Barra de São Francisco, no Noroeste...

Acidente com caminhonete na rodovia que liga Nova Venécia a Vila Pavão

  Um acidente envolvendo uma caminhonete foi registrado na tarde desta quarta-feira, dia 25, na BR 342, que liga...

Francisquense Diguinho é campeão de Jiu-Jitsu na categoria Master 1 no Vale do Aço

O lutador francisquense de Jiu-Jitsu, Rodrigo Rodrigues Pereira (Diguinho) participou neste domingo, 22, em Timóteo, no Vale do Aço,...

Governo Federal realiza Missão Institucional e Comercial a Países Árabes e do Leste Europeu

A Secretaria Especial de Assuntos Estratégicos da Presidência da República (SAE/PR) coordena a “Missão Institucional e Comercial a...

CHUVAS NO NORDESTE: Defesa Civil Nacional reforça alerta no litoral

A Defesa Civil Nacional reforça o alerta para o risco de chuvas intensas nesta sexta-feira (27) e no fim...

Defesa Civil reconhece situação de emergência em mais sete cidades do País

O Governo Federal, por meio do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), reconheceu a situação de emergência em sete...