Universidade de Oxford inicia testes de nova vacina contra HIV em humanos


– A Universidade de Oxford, no Reino Unido, iniciou os testes em humanos para o desenvolvimento de uma nova vacina contra o HIV. Na Fase 1 da pesquisa contra o vírus da AIDS, estudiosos têm como objetivo verificar a segurança, a tolerabilidade e a imunogenicidade do imunizante HIVconsvX contra variantes do agente infeccioso.

De acordo com a instituição, 13 adultos saudáveis, HIV-negativos, com idades entre 18 e 65 anos e que são considerados sem alto risco de infecção, receberão inicialmente uma dose da vacina seguida por uma nova dose de reforço em quatro semanas.

O professor Tomáš Hanke, professor de imunologia de vacinas do Instituto Jenner, da Universidade de Oxford, e pesquisador principal do ensaio, disse: “Uma vacina eficaz contra o HIV tem sido esquiva há 40 anos. Este ensaio é o primeiro de uma série de avaliações desta nova estratégia de vacina em indivíduos HIV-negativos para prevenção e em pessoas vivendo com HIV para cura”.

Enquanto a maioria das vacinas candidatas contra o HIV trabalham induzindo anticorpos gerados pelas células B, o HIVconsvX induz as células T potentes e destruidoras do patógeno do sistema imunológico, direcionando-as para regiões altamente conservadas e, portanto, vulneráveis ​​do HIV – um “calcanhar de Aquiles” comum à maioria das variantes do HIV.

De acordo com a Dra. Paola Cicconi, Pesquisadora Clínica Sênior do Instituto Jenner, da Universidade de Oxford, e Investigadora Chefe do estudo, “alcançar a proteção contra o HIV é extremamente desafiador e é importante que aproveitemos o potencial protetor do anticorpo e das células T braços do sistema imunológico”.

Atualmente, a prevenção do HIV se concentra principalmente em intervenções comportamentais e biomédicas, como circuncisão masculina médica voluntária, uso de preservativo e medicamentos anti-retrovirais usados ​​antes da exposição.

Segundo o professor Tomáš Hanke, “há fortes evidências de que a carga viral indetectável do HIV evita a transmissão sexual”. “No entanto, o ritmo de declínio em novas infecções por HIV não atingiu a meta acelerada acordada pela Assembleia Geral das Nações Unidas em 2016: menos de 500.000 novas infecções por ano em 2020”.

“Mesmo no contexto mais amplo de aumento do tratamento e prevenção anti-retrovirais, uma vacina contra o HIV-1 continua a ser a melhor solução e provavelmente um componente chave para qualquer estratégia para acabar com a epidemia de AIDS”, acrescentou.

Os pesquisadores esperam poder relatar os resultados do ensaio HIV-CORE 0052 até abril de 2022.

Também há planos para iniciar testes semelhantes na Europa, África e os EUA.

*Com informações da Universidade de Oxford


Leia mais

Leia também