Unidade prisional recebe doação da DPU para confecção de amigurumis

A Penitenciária de Segurança Média 1, no complexo de Viana, recebeu na tarde dessa quinta-feira (03), da Defensoria Pública da União (DPU), diversos materiais de costura para o projeto Reabilitarte. A doação é destinada a confecção de 180 amigurumis, bonecos confeccionados em crochê ou tricô, que serão entregues no mês de outubro às crianças que lutam contra o câncer no Hospital Infantil Nossa Senhora da Glória, em Vitória.

Os materiais, que incluem 339 novelos de linha de crochê, 15 rolos de barbante, 33 quilos de fibra para enchimento, além de agulhas e demais aviamentos, foram arrecadados na campanha “Um amiguinho para chamar de meu”, promovida pela DPU em Vitória e a Associação Nacional dos Defensores Públicos Federais (Anadef).

A defensora Pública Federal, Karina Bayerl, responsável pela coordenação de projetos e ações itinerantes do núcleo de Vitória, explicou que o objetivo das campanhas realizadas pelo núcleo é sempre integrar as ações com os projetos do sistema prisional. “Sempre envolvemos o sistema prisional nas campanhas e projetos, pois nosso objetivo é unir alternativas de ressocialização com ações de solidariedade”, ressaltou Karina Bayerl.

No projeto Reabilitarte participam 96 internos que cumprem pena na Penitenciária de Segurança Média 1. Iniciado em 2016, a iniciativa promove o desenvolvimento de artesanatos diversos com a técnica do crochê, além de costura, confecção de tapetes, redes e demais materiais. O projeto funciona como atividade laborativa e terapêutica para os custodiados. Desde o início do projeto, internos já produziram mais de dois mil amigurumis que foram doados a diversas instituições em ações de solidariedade.

A subsecretária de Estado de Ressocialização em exercício, Regiane Kieper, destacou a importância de parcerias como esta para a reintegração social de pessoas privadas de liberdade. “As doações recebidas hoje vão fortalecer o projeto da unidade prisional e ampliar o número de atividades laborativas do preso. Com a parceria, o interno também tem a oportunidade de participar de um projeto tão importante de solidariedade e de se sentir produtivo”, disse Regiane Kieper.