União Europeia fecha acordo para reduzir emissões de gases do efeito estufa em 55% até 2030

Reuters – A União Europeia fechou um acordo nas primeiras horas de quarta-feira sobre uma lei de mudança climática histórica que coloca novas e mais rígidas metas de emissões de gases de efeito estufa no centro de todas as políticas da UE.

O acordo chega bem a tempo para uma cúpula de líderes mundiais organizada pelo governo dos EUA na quinta e sexta-feira, onde a UE e outras potências globais irão promover suas promessas de proteger o planeta.

A lei climática europeia norteará as regulamentações do bloco nas próximas décadas. Inclui uma meta de reduzir as emissões líquidas em pelo menos 55% até o final da década em relação aos níveis de 1990 – abaixo da meta de 60% buscada pelo Parlamento Europeu – para orientá-la no sentido de atingir zero emissões líquidas até 2050.

Se adotado globalmente, o caminho líquido zero até 2050 limitaria os aumentos da temperatura global a 1,5 grau acima dos níveis pré-industriais e evitaria os piores impactos das mudanças climáticas.

Após meses de disputas e uma noite inteira de negociações na terça-feira, os negociadores que representam o Parlamento Europeu e os 27 governos da UE concluíram a lei. O acordo ainda precisa da aprovação formal do parlamento e dos governos nacionais.

“Este é um momento marcante para a UE”, disse o chefe da política climática do bloco, Frans Timmermans, em um comunicado. “O acordo de hoje também reforça nossa posição global como líder no enfrentamento da crise climática.”

Um punhado de países, incluindo Grã-Bretanha e Nova Zelândia, consagrou metas de emissões zero líquidas em lei, mas a UE de 27 países é o maior emissor a fazê-lo.

A meta de redução das emissões líquidas em toda a UE em pelo menos 55% até 2030, em relação aos níveis de 1990, substitui a meta anterior de redução de pelo menos 40%. Em 2019, as emissões da UE já eram 24% menores do que em 1990.

Os legisladores da UE queriam ir mais longe para 60% até 2030. Ativistas verdes disseram que o corte deveria ser de 65%.

“Estou satisfeito hoje”, disse o social-democrata sueco Jytte Guteland, o principal negociador do Parlamento Europeu. “O mais importante era garantir que a ciência fosse mais integrada à legislação da UE.”

O legislador verde da UE, Michael Bloss, disse que Bruxelas sacrificou a ambição de apressar um acordo a tempo para a cúpula dos EUA.

A meta de 2030 prepara o terreno para um grande pacote de regulamentações da UE, previsto para junho para reduzir as emissões, incluindo propostas para renovar o mercado de carbono da UE, padrões mais rígidos de CO2 para carros e uma tarifa de fronteira para impor custos de CO2 nas importações de produtos poluentes.

Os negociadores concordaram em limitar a quantidade de remoções de emissões que podem ser contadas para a meta de 2030, a 225 milhões de toneladas de CO2 equivalente.

O objetivo é garantir que a meta seja cumprida cortando as emissões de setores poluentes, em vez de depender da remoção de CO2 da atmosfera por meio de florestas que absorvem carbono.

O objetivo é garantir que a meta seja cumprida cortando as emissões de setores poluentes, em vez de depender da remoção de CO2 da atmosfera por meio de florestas que absorvem carbono.

A lei exige que Bruxelas crie um corpo independente de especialistas científicos para aconselhar sobre políticas climáticas, além de um orçamento de gases de efeito estufa que estabeleça o total de emissões que a UE pode produzir de 2030-2050, sem frustrar seus objetivos climáticos.

 

 

Cúpula do Clima discutirá metas contra o aquecimento global e Brasil corre o risco de ficar isolado

Cúpula do Clima discutirá metas contra o aquecimento global e Brasil corre o risco de ficar isolado (Foto: PETAR KUJUNDZIC/REUTERS)

Leia mais

Leia também