TSE rejeita punição para abuso de poder religioso nas eleições

Por 6 votos a 1, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) rejeitou instituir o abuso de poder religioso em ações que podem levar à cassação do mandato de políticos. Ao tomar essa decisão, a Corte julgava o caso específico da vereadora e pastora Valdirene Tavares dos Santos, eleita em 2016 no município de Luziânia (GO). Valdirene teve o mandato cassado pelo Tribunal Regional Eleitoral de Goiás (TRE-GO) após ser acusada de pedir votos em um evento na catedral da Assembleia de Deus da sua cidade. 

O TSE avaliou que o Ministério Público Eleitoral (MPE), autor do pedido de cassação da vereadora, não apresentou provas relevantes de que Valdirene cometeu crime de abuso de poder religioso. O caso começou a ser julgado em 25 de junho deste ano e foi finalizado na última terça-feira (18). O relator da ação, ministro Edson Fachin, pretendia instaurar o abuso de poder religioso nas eleições deste ano, mas foi vencido por ampla maioria. 

“Por essa razão, entendo que a intervenção das associações religiosas nos processos eleitorais deve ser observada com a devida atenção, tendo em consideração que as igrejas e seus dirigentes ostentam um poder para reduzir a liberdade para o exercício do voto e debilitar o equilíbrio entre as chances das forças em disputa”, defendeu Fachin na primeira sessão do caso.

Ao votar contra a ação, o presidente do TSE, ministro Luís Roberto Barroso, afirmou que a legislação que trata das eleições já prevê eventuais condutas de abuso religioso, como por exemplo ao proibir doações de instituições religiosas a candidatos e vedar a realização de propaganda política em templos. No entanto, segundo Barroso, no caso analisado não foi encontrada nenhuma irregularidade.

“A instrução demonstrou que se tratou de um discurso de menos de três minutos para [um público de] aproximadamente entre 30 e 40 jovens, nas instalações da instituição religiosa. Não teria havido, segundo os autos, pedido expresso de votos ou menção às eleições.”

ELEIÇÕES 2020: Mídia e redes sociais podem causar impacto nas urnas

Proposta de adiamento das eleições deste ano altera datas do calendário eleitoral

Jurisprudência

Carla Rodrigues, advogada eleitoral, diz é que é de responsabilidade do Poder Legislativo definir novos critérios sobre abusos eleitorais.“A [eventual] mudança deve ocorrer por meio do Congresso Nacional, não seria o TSE a criar uma nova figura abuso de poder. A lei  eleitoral prevê abusos como o político, de meios de comunicação e econômico.”

Os ministros Alexandre de Moraes, Tarcísio Vieira, Og Fernandes, Luís Felipe Salomão e Sérgio Banhos acompanharam o voto do presidente da Corte e venceram a tese defendida por Edson Fachin, que destacou que é dever da Justiça Eleitoral proteger a legitimidade do voto dos cidadãos e também impedir coações que prejudiquem a liberdade de escolha dos eleitores. 

Foto: Divulgação/TSE

Leia mais

Pátria Voluntária contribui para fortalecimento dos pequenos agricultores

O agronegócio é responsável por 21% do Produto Interno Bruto (PIB) e 20% dos empregos no país. Foto: Banco de Imagens O agricultor trabalha para...

RS: Implantação da Política Nacional de Incentivo à Agricultura de Precisão pode reduzir custos de plantio e potencializar produção

O Rio Grande do Sul tem uma das principais receitas do país no setor de agronegócios. O estado encerrou 2019 com o sexto maior...

Policiais civis serão vacinados contra gripe nesta quinta-feira (16)

A Polícia Civil vai disponibilizar 250 doses para os policiais civis que estão na ativa e...

Preço da cebola despenca na Ceasa. Já o valor do kg do tomate sobe quase 50%, aponta Conab

Levantamento da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), órgão vinculado ao Ministério da Agricultura, mostra que o preço da cebola apresentou queda na principais Centrais de...

Leia também

Vila Pavão vacina quase três mil animais entre cães e gatos

Entre os dias 08 a 28 desse mês,...

Polícia Militar recupera motocicleta em Nova Venécia logo após ter sido furtada

Na noite do último domingo (27), policiais militares...

Veneciano é candidato a vereador em Rio Branco, capital do Acre

O empresário e farmacêutico veneciano, Alexandre Thomazini, tentará, pela segunda vez, uma vaga na Câmara de Vereadores do município de Rio Branco, capital do...