TSE orienta votação em aldeias indígenas

Com a pandemia do novo coronavírus, ao longo de 2020, foi discutido se seria viável a realização das eleições municipais deste ano. Após avaliações e consultas, chegou-se conclusão de que era possível a execução do pleito. Contudo, os órgãos e entidades ligados à área da saúde determinaram que, diante do atual cenário, as medidas de proteção contra a Covid-19 ainda seriam necessárias, sobretudo nos dias de votação.

Com isso, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) estabeleceu medidas sanitárias para a realização das eleições em aldeias indígenas, com o objetivo de propiciar maior prevenção contra a doença aos participantes do pleito. As medidas estão contidas em portaria publicada pelo TSE e disponível no Diário da Justiça Eletrônico (DJE).

Bruno Kanela, de 25 anos, é originário da comunidade kanela do Araguaia, da aldeia Nova Pukanu, localizada no município de Luciara – MT. Ele lamenta que não haverá disponibilidade de urnas eletrônicas no local onde mora e que seu povo terá que se deslocar até outro ponto para votar. No entanto, ele entende que a intenção do TSE é positiva e acredita que as medidas são válidas para proteger as comunidades indígenas da propagação da Covid-19.

“São medidas que devem ser respeitadas pelas pessoas, sobretudo as que irão atuar dentro das comunidades como mesários. Elas devem tomar todos os cuidados estipulados pela Portaria. Que mantenham um distanciamento dias antes de adentrarem às comunidades, usem sempre as máscaras e as viseiras, não compartilharem objetos e que não dialoguem para evitar que as comunidades não venham ser afetadas com a disseminação do coronavírus”, destaca.

Apenas em Mato Grosso, por exemplo, serão 48 pontos de votação em Territórios Indígenas, distribuídos em 30 municípios. A quantidade prevista de eleitores que devem se dirigir até estas seções é de quase 13 mil indígenas. O Exército Brasileiro será o responsável pela segurança em 32 locais indígenas, 14 pela Polícia Federal, e 2 pela Marinha.

Grupo vulnerável

Pelos termos Lei nº 14.021/2020, os povos indígenas são considerados grupos em situação de extrema vulnerabilidade à pandemia provocada pelo novo coronavírus. Por esse motivo, a Justiça Eleitoral orienta às pessoas que vão entrar em território indígena verifiquem alguns protocolos. Um deles, estabelece que, na semana anterior às eleições é preciso manter, tanto quanto possível, o distanciamento social e os cuidados sanitários para evitar o contágio.

STF mantém cassação de prefeitos pela Justiça Eleitoral durante a pandemia” target=”_blank”>STF mantém cassação de prefeitos pela Justiça Eleitoral durante a pandemia

Leia mais

Pastor Cláudio Duarte levou uma multidão para palestra em Colatina no último sábado (20)

Aconteceu na noite do último sábado o 9º Encontro de Casais Debaixo da Graça, com a...

Mulheres têm resposta imunológica mais eficiente à covid-19, aponta estudo

Mulheres têm uma resposta imunológica mais eficiente ao...

Brasil e Dinamarca assinam acordo de cooperação de aperfeiçoamento da saúde pública

Os governos do Brasil e da Dinamarca assinaram a segunda etapa do acordo de cooperação para o desenvolvimento de um sistema de classificação de...

Secretaria da Saúde apresenta resultados da quarta etapa do Inquérito Sorológico

O secretário de Estado da Saúde, Nésio Fernandes, apresentou, neste sábado (27), os resultados estatísticos da...

Leia também

Espírito Santo chega a 4.296 mortes e 177.237 curados com 191.973 casos confirmados de Covid-19

Na comparação com os dados divulgados nesta segunda-feira (30), o aumento é de 17 mortes e 1.972 novos casos da doença. Quase dois mil novos...

Prefeito de Conceição da Barra renuncia um mês antes de fim do mandato

Chicão: “Está na hora de guardar a vida...