Troca de serviços ganha força entre capixabas durante a crise do coronavírus no Espírito Santo

Em meio à crise econômica acentuada pela pandemia do novo coronavírus, profissionais de todos os setores têm buscado alternativas para tentar manter o negócio. Do outro lado, o período não parece convidativo às compras, o que deixa consumidores receosos na hora de gastar.

Por isso, no Espírito Santo, a troca de produtos e serviços ganhou força neste período e tem facilitado a vida de muitos capixabas, sem que eles precisem colocar a mão no bolso.

Foi assim que a publicitária e designer Nalú Valentim conseguiu reformar o espaço de trabalho em casa sem gastar nada.

“A casa da gente reflete muito na nossa emoção, então eu queria botar uma cor, umas prateleiras uma plantas. Mas não tenho habilidade para isso”, disse Nalú.

Através da permuta, o profissional de serviços gerais Fernando Peterle vai dar uma cara nova para a cantinho de trabalho da Nalú e, em troca, ela vai cuidar das redes sociais dele.

“Os acessos de redes sociais tem aumentado e como eu tenho executado bastante serviço, é uma hora boa para fazer o gerenciamento das minhas redes”, explicou Fernando.

A plataforma onde eles se encentraram e combinaram a troca de serviços é chamada AUATI e foi criada pela empresária Rafaela Marques quando ela mesma precisou terminar uma reforma e não tinha dinheiro para a obra.

“Fui para a internet e comecei a buscar empresas que tivesse interesse em trocar comigo. De tanto buscar, consegui trocar. Foram quase R$ 20 mil em trocas. Troquei com vidraçaria, cabeamento elétrico e até com pedreiro”, disse.

Hoje, são cerca de 130 empreendedores cadastrados, oferecendo produtos e serviços em troca de outros produtos e serviços. Todos economizam e se ajudam nesse momento de crise.

Para participar, o interessado precisa fazer um cadastro e informar o que oferece e pelo que deseja trocar.

“Agora com a pandemia, cresceu muito. Nós chegamos a ter 30 cadastros em um único dia. Hoje, a plataforma já recebe cadastros de várias cidades do Brasil”, explicou Rafaela.

Quem também precisou de permuta para dar uma guinada no negócio foi a Esthefanie Rangel, que tem uma loja de acessórios para carros.

“Nós assumimos a loja há pouco tempo e, para conseguir dar uma alavancada, procuramos serviços de marketing e vimos que seria possível trocar nossos serviços pela ferramenta do marketing. Foi o que fizemos”, contou.

Satisfeita com a ideia, agora, ela quer reformar a loja e já está procurando uma nova permuta.

Sebrae

De acordo com o Sebrae-ES, momentos de crise são propícios para ter ideias inovadoras, como a desenvolvida pela empresária Rafaela Marques.

“Ainda que pareça clichê, em momentos de crise é quando a inovação vem à tona com maior frequência. Ao sair da zona de conforto o empreendedor é obrigado a repensar seu negócio com um todo, desde a forma de contato e venda aos clientes, passando pelo desenho de como buscar novos clientes, até o formato de administração de pessoas e recurso”, explica o analista do Sebrae-ES, Samuel Graciolli.

Os empreendedores que tiverem ideias diferentes e queiram desenvolver negócios inovadores podem contar com a instituição.

“O Sebrae possui a Trilha SebraeUp de Inovação que auxilia empreendedores a tirar a ideia do papel, validar as hipóteses de soluções para o problema que a ideia se propõe a resolver. Há também a consultoria de Modelagem de negócio que ajuda na estruturação da ideia e das informações necessárias ao negócio”, afirma.

 

Leia mais

Leia também