Três Santas: Espírito Santo ganha novo circuito turístico

As três santas da região Serrana do Espírito Santo viraram, nesta quinta-feira (24), a nova rota turística do estado. Segundo a publicação de Ana Clara Morais, no G1 ES, o anúncio do circuito que abrange os municípios de Santa Leopoldina, Santa Maria de Jetibá e Santa Teresa foi feito pelo governo estadual.

Localizados na Região dos Imigrantes, com fortes influências da cultura europeia, os municípios oferecem uma experiência de história, agroturismo e arquitetura, com construções que datam do final do século 19 e meados do século 20.

O circuito também é berço de uma religiosidade trazida pelos imigrantes, refletida em belas igrejas, festas e tradições herdadas, principalmente, pelos pomeranos, alemães, italianos e austríacos.

No caso de Santa Maria de Jetibá, a tradição herdada é a da religião luterana, em função da colonização pomerana.

Além das belezas históricas e culturais, a rota abriga cachoeiras, vales e montanhas. Entre as atrações mais conhecidas estão a Cachoeira Véu da Noiva e Moxafongo, em Santa Leopoldina, a Barragem do Rio Bonito, onde é possível fazer passeios de barco ou caiaque, a rampa de voo livre em Santa Teresa e a Pedra do Garrafão, em Santa Maria de Jetibá.

Produtor colhe uvas em Santa Teresa, no Espírito Santo — Foto: Wando Fagundes/ TV Gazeta

Produtor colhe uvas em Santa Teresa, no Espírito Santo — Foto: Wando Fagundes/ TV Gazeta

As “Três Santas” colecionam, ainda, títulos na agropecuária. Os três municípios são os maiores produtores de uva e vinho (Santa Teresa), ovos (Santa Maria de Jetibá) e gengibre (Santa Leopoldina). Na região é possível encontrar propriedades ruais abertas para visitação.

A influência europeia pode ser experimentada, inclusive, na culinária local. Mantendo as tradições, alguns estabelecimentos servem receitas que passam de geração para geração como os pães Milchbrot, Spitzbuben, Käsekuchen, Streusel Kuchen, Strudel, biscoitos caseiros de nata, polvilho ou amanteigado.

Casarão de mais de 100 anos mostra um pouco sobre a cultura pomerana

Casarão de mais de 100 anos mostra um pouco sobre a cultura pomerana

Considerada o marco da cultura pomerana no Espírito Santo, Santa Maria de Jetibá surgiu da chegada dos primeiros imigrantes, vindos da Soberania, a partir do ano 1857. O município alcançou sua emancipação em maio de 1988.

É possível encontrar um empenho para a transmissão dos costumes e da língua pomerana, através da dança, música e gastronomia.

 Trajes, danças e música típica pomerana — Foto: Acervo/ A Gazeta

Trajes, danças e música típica pomerana — Foto: Acervo/ A Gazeta

Conhecida como “filha do sol e das águas”, Santa Leopoldina está situada a 47 km de Vitória e tem em seu território um importante acervo arquitetônico do Espírito Santo, com 36 prédios tombados como patrimônio estadual.

As construções, erguidas no final do século 19 e meados do século 20, marcam o tempo em que o município vivia seu apogeu econômico. Fora do centro, é possível encontrar matas, montanhas, cachoeiras e trilhas ecológicas.

Já Santa Teresa, 83 km da capital, acumula os títulos de capital estadual do Jazz e do Blues, da Gastronomia e Italiana e de Pioneira da Imigração Italiana no Brasil.

Casa do Lambert, no Sítio Histórico de Santa Teresa — Foto: Divulgação/Governo do ES

Casa do Lambert, no Sítio Histórico de Santa Teresa — Foto: Divulgação/Governo do ES

Berço da colonização italiana no Brasil, o município teve sua história iniciada em 1874 e integra a Rota Imperial.

Cerrcado por montanhas, Santa Teresa tem a identidade marcante que combina a cultura, natureza – com cerca de 40% do território coberto por Mata Atlântica – e o agroturismo.

Santa Teresa, ES — Foto: Prefeitura de Santa Teresa

Santa Teresa, ES — Foto: Prefeitura de Santa Teresa

Museu do Colono, em Santa Leopoldina — Foto: Divulgação/ Secult

Museu do Colono, em Santa Leopoldina — Foto: Divulgação/ Secult