Trabalhadores em situação análoga à escravidão são resgatados em fazendas do Espírito Santo

Compartilhe

 

Alojamento em que trabalhadores foram encontrados no ES não seguia as condições exigidas pela lei — Foto: Reprodução/MPT-ES

Alojamento em que trabalhadores foram encontrados no ES não seguia as condições exigidas pela lei — Foto: Reprodução/MPT-ES

Ao todo, nove trabalhadores em situação análoga à escravidão foram resgatados em fazendas de café, cacau e seringal localizadas no interior do Espírito Santo. A informação é de Maíra Mendonça, do g1 ES.

Os flagrantes ocorreram durante a Operação Resgate II, que foi realizada no mês de julho. A ação, no Espírito Santo, faz parte uma força-tarefa, que aconteceu de forma simultânea em outros 23 estados, envolvendo órgãos como Ministérios Públicos do Trabalho (MPT) estaduais e Federal (MPF); Subsecretaria de Inspeção do Trabalho, Ministério do Trabalho e Previdência (SIT); Polícia Federal (PF); Defensoria Pública da União (DPU), e Polícia Rodoviária Federal (PRF).

Segundo o MPT, 337 trabalhadores foram resgatados em todo o país.

No estado, a fiscalização ocorreu em duas etapas. Entre os dias 12 e 14 de julho, ela foi feita em propriedades rurais das cidades de Vila Valério e Jaguaré. Já de 18 a 22 de julho, foram percorridas fazendas de Linhares, Mantenópolis, Jaguaré, Ponto Belo e São Mateus.

Os nove trabalhadores em situação análoga à escravidão foram encontrados nas cidades de Jaguaré e Linhares, no Norte do estado.

Segundo o procurador do Trabalho, Marcos Mauro Rodrigues Buzato, entre eles, havia uma senhora que não possuía documentação, apenas a certidão de nascimento.

“Foi necessário atuação da força-tarefa no sentido de possibilitar a expedição de documentos básicos para que ela pudesse ter sua carteira de trabalho eletrônica devidamente preenchida. Para tanto, foram empreendidos esforços junto à Polícia Civil e a Receita Federal”, explicou.

Alojamento em que viviam trabalhadores em situação degradante no ES — Foto: Reprodução/MPT-ES

Alojamento em que viviam trabalhadores em situação degradante no ES — Foto: Reprodução/MPT-ES

Em Linhares foram encontrados sete dos nove trabalhadores em situação degradante. Segundo o MPT, um termo de ajuste de conduta (TAC) emergencial foi firmado com o empregador. No documento, o proprietário se comprometeu a sanar as irregularidades constatadas pela fiscalização e a pagar indenização por danos morais individuais e coletivos, a fim de compensar a violação a direitos fundamentais trabalhistas ocorrida.

Haverá uma investigação para saber se o empregador fará adequação da conduta e se irá continuar mantendo os direitos dos trabalhadores.

O advogado público Juliano Martins de Godoy destacou que, caso os empregadores não aceitem pagar os valores devidos aos trabalhadores e suportar os danos coletivos, o defensor público ajuizará as ações cabíveis, movendo até mesmo uma ação civil pública, caso seja necessária.

As condições que caracterizam o trabalho escravo contemporâneo estão estabelecidas no artigo 149 do Código Penal. São elas: trabalho forçado, jornada exaustiva, trabalho em condições degradantes e servidão por dívida. Não é necessário que todos os aspectos estejam presentes.

O auditor-fiscal do Trabalho, Cláudio Secchin, relatou que, durante a ação fiscalizatória no estado o que mais o surpreendeu “foi ter um cenário de desleixo e descaso com a estada dos trabalhadores em alojamentos de uma grande empresa do agronegócio”.

A Procuradora do Ministério Público do Trabalho no Espírito Santo (MPT-ES), Fernanda Barreto Naves, explica que o resgate consiste em acabar com a situação degradante, mas os trabalhadores podem optar por continuar trabalhando no local, desde que o proprietário se comprometa a seguir a lei.

No caso de Linhares, por exemplo, os sete resgatados foram retirados da condição degradante em que viviam por conta da má qualidade dos alojamentos. Eles foram alocados em uma pousada e em uma casa alugada, mas optaram por continuar trabalhando e a empresa aceitou por continuar com o contrato de trabalho.

“Eles receberam todas as verbas recisórias e vão fazer um novo contrato de trabalho para recomeçar essa relação, agora de uma forma legal”, disse a procuradora.

O nome das propriedades e empresas onde os trabalhadores foram encontrados não foi revelado pelo MPT.

Leia também

Mulher morre após moto ser atingida por carro na ES-257

    Uma mulher de 47 anos morreu depois que a motocicleta dela foi atingida por um carro, na manhã...

Quadra de esportes da escola Joao Bastos recebe nova pintura

Servidores da secretaria de Obras da prefeitura de Barra de São Francisco, realizaram uma nova pintura no piso...

Semana Nacional da Pessoa com Deficiência Intelectual e Múltipla 2022

A inspiração é um dos principais sentimentos capazes de mover o mundo, pois propicia ao ser humano buscar...

Ipea projeta queda da extrema pobreza no Brasil em 2022

Um estudo apresentado nesta quarta-feira (17) pelo presidente Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Erik Figueiredo, aponta estimativa...

Secretário de Esportes, Juninho Abreu, autoriza construção de campos Bom de Bola e entrega van em Paulista

O secretário de Estado de Esportes e Lazer (Sesport), Júnior Abreu, esteve em Barra de São Francisco, na...

Bruno & Barreto, Henrique & Juliano, Jão e mais: veja a agenda cultural do Espírito Santo

Confira a agenda cultural com shows e outros eventos marcados no Espírito Santo nos próximos dias. Bixarte é uma...

Morador de rua é assassinado no centro de Barra de São Francisco

A polícia militar do 11º BPM de Barra de São Francisco, registrou uma chamada de homicídio no centro...

Corpo de homem é encontrado em córrego no interior de Nova Venécia

Um homem morreu afogado, após cair em um córrego na localidade de Santa Ana do Córrego Grande, na...