Toni Lemos tem plano de recuperação econômica para Alegre, no Sul do Estado

Cantor, que foi ídolo nos anos 70 a 90, começando como o “Elvis Presley brasileiro”, vai concorrer à prefeitura da cidade pelo PP

Pré-candidato do PP à Prefeitura de Alegre, Toni Lemos anunciou que já tem uma equipe elaborando um plano de recuperação econômica e social para a cidade da região do Caparaó, no Sul do Estado. Desde que se propôs a entrar na fila para a sucessão, Toni, nascido Luiz Antonio Lemos Barbosa, passou a estudar os indicadores sociais e econômicos do município e confessou-se assustado com a realidade encontrada.

Para Toni Lemos, esta é uma boa oportunidade para provocar uma grande transformação da cidade, que é conhecida por sua vocação cultural, com dezenas de cursos de formação superior, tanto nos Centros da Universidade Federal do Espírito Santo, quanto no IFES e na Faculdade de Filosofia de Alegre.
“Vamos aproximar a academia da comunidade e fazer uma grande discussão do futuro do Alegre. O que desejamos é fazer uma mudança geral na forma de gerir o município, com ampla participação da sociedade organizada e reunindo todos aqueles que tiverem condições de contribuir para essa nova fase. Alegre precisa recuperar o protagonismo no Caparaó e projetar-se para o futuro. Em breve, daremos mais detalhes do que vamos propor na campanha eleitoral, mas posso assegurar que o filho do Alegre voltará a ter orgulho de ser alegrense”, garantiu Toni Lemos.

DESISTÊNCIA

Candidato natural do partido, o vice-prefeito Marinho Machado, presidente municipal do PP, desistiu de concorrer a uma candidatura e anunciou seu apoio para Toni Lemos, cuja ficha de filiação ao partido foi por ele abonada. Toni Lemos, é de tradicional família política da cidade – o pai, Antonio Lemos Barbosa, e o irmão mais velho, Paulo Lemos, foram prefeitos e outro irmão, Carlos Lemos, o Lalim, foi vereador.

Marinho comunicou esta semana sua decisão ao presidente regional do partido, o suplente de deputado federal e secretário de Estado de Desenvolvimento Urbano, Marcus Vicente, alegando “questões de foro íntimo”. Servidor público federal aposentado, tendo sido chefe da Agência do INSS de Alegre de 2002-2009, Mário César Machado, o Marinho, ex-jogador de futebol e presidente do Comercial de Alegre desde 1991, já vinha demonstrando cansaço com a política e vontade de se dedicar mais à família.
“O tempo passa, a gente dá a contribuição. Agora, os filhos crescem, nos trazem netos, a gente quer curtir mais esses momentos. Os aborrecimentos da política às vezes atrapalham essa harmonia e até comprometem a saúde física e emocional.

Então, acho que chegou a hora de deixar a bola com quem está com mais vontade de jogar. Política é igual futebol, a gente fica enquanto gosta do jogo”, disse Marinho.
Formado em Administração de Empresas, Marinho milita na política alegrense há mais de 20 anos, mas se elegeu vereador pela primeira vez no pleito de 2008, cumpriu dois mandatos legislativos, até 2016, sendo presidente da câmara municipal no biênio 2009-2910. É o atual vice-prefeito no mandato de 2017-2020.

Depois disso, disse que não mais disputará cargos eleitos municipais.
Apesar de seus esforços para ajudar a administração, inclusive aproximando Marcus Vicente do prefeito José Guilherme Aguilar e com isso conseguindo mobilizar recursos e obras para o município, Marinho não teve oportunidade de assumir a chefia do Executivo. Apesar de não se candidatar a nada, Marinho Machado disse que continuará apoiando o candidato do PP e que estará à disposição do futuro prefeito para passar sua experiência, caso seja eleito o candidato do partido.

Toni Lemos manifestou, no ano passado, desejo de entrar na política – dos filhos de Antonio Lemos Júnior, ele foi o único que em nenhum momento esteve na vida pública, mesmo na juventude tendo sido líder estudantil, presidindo a Casa do Estudante de Alegre. Preferiu seguir a veia artística, fazendo muito sucesso na América Latina nos anos 70 e 80 como o “Elvis Presley Brasileiro”.
No prazo legal, Toni Lemos transferiu seu domicílio eleitoral para Alegre e iniciou as conversações para se filiar. No início deste ano, foi convidado por Marcus Vicente e Marinho para se filiar ao PP, aceitando prontamente.
“O convite partindo de duas pessoas sérias como Marcus e Marinho era o que eu poderia esperar de melhor. Apesar de meu desejo pela vida política, não me filiei impositivamente. Cheguei para somar.

Entendi que a vez era do Marinho e estava dentro do projeto, para colaborar. Mas nunca neguei que estava à disposição. Agora, da mesma forma, considero fundamental a contribuição do Marinho não apenas no processo eleitoral mas, se eleito, também no exercício do mandato”, disse Toni Lemos.

Com o advento da pandemia de Covid-19, o calendário eleitoral modificou e as convenções para escolhas de candidatos ficaram para o final de agosto e início de setembro. “Agora, vamos retomar as articulações, sempre orientados pelo propósito de servir ao povo do Alegre, com o apoio dessas importantes lideranças do partido”, observou Toni.

Leia mais

Leia também