Taxa de transmissão da Covid-19 está caindo no Espírito Santo, dizem pesquisadores

No final do mês passado, pesquisa mostrava que taxa era de 1,3, em que 10 pessoas infectadas contaminavam outras 13. Agora, estima-se que esse número caiu para 1,1.

Por Danielle Cariello, G1 ES e TV Gazeta

Taxa de transmissão da Covid-19 cai no Espírito Santo, diz grupo de estudo

Um estudo feito por pesquisadores do Governo do Estado e da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) aponta que a taxa de transmissão (RT) da Covid-19 está caindo no estado. De acordo com os especialistas, os dados sugerem o início de uma estabilização da doença.

No dia 27 de junho, a epidemiologista Ethel Maciel informou, com base nos dados da quarta fase do Inquérito Sorológico, que a taxa de transmissão do vírus no Estado era de 1,3. Ou seja: cada 10 pessoas infectadas com o coronavírus transmitiam o vírus para outras 13 pessoas.

Agora, de acordo com os pesquisadores, esse número parece ter diminuído. A velocidade de transmissão está próxima de 1,1, o que significa que cada grupo de 10 pessoas contaminadas com a Covid-19 transmite a doença para, em média, outras 11 pessoas.

“Está, de fato, diminuindo. Na última semana, o observado ficou um pouco abaixo do previsto na velocidade média. A gente estima essa velocidade em torno de 1,18 no ES. está se aproximando de 1, e isso significa que a ladeira de casos confirmados vai ficando mais suave”, explicou o professor de matemática da Ufes, Etereldes Gonçalves Júnior.

Interior

Na Grande Vitória, estima-se que a taxa esteja em torno de 0,96. Mas, no interior do Estado, a pandemia segue avançando.

“No interior, estamos em franca expansão. A velocidade é de 1,5, e na Grande Vitória já está muito próximo ou talvez até abaixo de 1”, apontou o professor.

Controle

De acordo com esses estudos, o Estado poderia ter chegado a mais de 4 mil mortes registradas no dia 8 de junho, mas, por conta das ações que estão sendo feitas – como a suspensão das aulas, uso obrigatório de máscaras e suspensão das atividades festivas – o total de óbitos chegou a cerca de 1.900 naquela data.

Para o governo, esse número ainda é alto, mas significa que a transmissão da doença está sendo controlada.

“Com a expansão do sistema de saúde, aumento do isolamento social, uso de máscaras e distanciamento social, se mantivermos esse trabalho que vem sendo feito de forma equilibrada, a tendência é de que a nossa taxa de transmissão no Estado, nas próximas semanas ou meses, chegue a um patamar abaixo de 1”, estimou o diretor presidente do Instituto Jones Santos Neves, Pablo Lyra.

No entanto, neste momento, ele alerta que a queda nesse índice não significa que as medidas de proteção devem ser relaxadas.

“Os resultados de redução da taxa de transmissão não devem ser comemorados. Eles reforçam que estamos no caminho para continuar controlando mais a pandemia e nós temos que dar sequência ao que vem sendo feito”, concluiu Lyra.

 

Leia mais

Leia também