Suspeito de matar companheira com tiro na cabeça está entre os presos na Operação Caim, diz delegado • SiteBarra

Suspeito de matar companheira com tiro na cabeça está entre os presos na Operação Caim, diz delegado

Evellin Bernardo de Oliveira, de 20 anos, foi assassinada em outubro deste ano. Apontado como autor do disparo, o companheiro dela chegou a se entregar na época, mas foi liberado.

O suspeito de matar a jovem Evellin Bernardo de Oliveira, de 20 anos, com um tiro na cabeça em outubro deste ano está entre os presos da 12ª fase da Operação Caim, deflagrada pela polícia na manhã desta segunda-feira (21) no Espírito Santo.

Em entrevista à TV Gazeta, o delegado-geral da Polícia Civil, José Darcy Arruda, disse que o suspeito, que tem 21 anos, já havia sido preso na nona fase da operação, em julho, mas foi solto após audiência de custódia.

Em liberdade, meses depois, ele foi apontado como o responsável pela morte de Evellin. Na época, o suspeito chegou a se entregar dizendo que o tiro havia sido acidental e foi liberado porque já havia passado o período do flagrante.

“Ele foi preso por tráfico de drogas, e mesmo assim, ao sair, ele continuou ainda no mundo do crime, Agora, com feminicídio, certamente deve ficar preso. É o que nós esperamos”, disse Arruda.

Mais uma fase da Operação Caim é deflagrada no ES — Foto: Divulgação/ Sesp

Mais uma fase da Operação Caim é deflagrada no ES — Foto: Divulgação/ Sesp

A 12° fase da Operação Caim, uma ação conjunta de forças de segurança do Espírito Santo para prender homicidas e combater o tráfico de drogas, foi deflagrada nesta manhã.

Até o meio-dia, oito pessoas haviam sido presas na Grande Vitória. Duas delas estavam em apartamento de um condomínio de Tabuazeiro, na capital.

No local, também foram apreendidas uma escopeta calibre 12 e um fuzil falsos, que estavam escondidos em em um carro. Em poucos dias, já é a segunda vez que o mesmo condomínio é alvo da polícia por causa de denúncias relacionadas ao tráfico de drogas.

A megaoperação é coordenada pela Polícia Civil e conta com a participação da Polícia Militar, Polícia Rodoviária Federal (PRF), Núcleo de Operações e Transporte Aéreo da Secretaria da Casa Militar (Notaer), Secretaria Estadual de Justiça (Sejus), Força Nacional e Guardas Municipais.

Armas falsas são apreendidas durante operação — Foto: Divulgação/ Sesp

Armas falsas são apreendidas durante operação — Foto: Divulgação/ Sesp

Onze fases da Operação Caim já realizadas resultaram na detenção de 399 pessoas, sendo 113 homicidas, além da apreensão de 90 armas, 2.459 munições, 15 veículos, drogas e dinheiro.

O nome “Caim” faz referência à história bíblica dos irmãos Caim e Abel e remonta ao primeiro homicídio sobre o qual a sociedade teve conhecimento.