SP: 58% das empresas do estado precisam se adequar à Lei Geral de Proteção de Dados

LOC.: A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) visa padronizar regulamentos e práticas para promover proteção aos dados dos cidadãos brasileiros que estejam em território nacional. Atualmente, há uma série de normas setoriais que regulam especificamente cada área, mas ainda há o gargalo de um marco legal que defina direitos e deveres no trato de informações. 

A eventual aprovação da legislação acarretará em novas exigências da lei, o que vai fazer com que diferentes áreas de uma empresa, como financeiro, administrativo, jurídico e TI assegurem a existência de processos e recursos claros para prevenir uso inadequado dos dados e evitar vazamentos de informações e ataques de hackers. 

Sancionada em agosto de 2018, a LGPD ainda não está em vigência. O principal entrave da legislação que estabelece normas específicas para coleta, tratamento e segurança de informações pessoais envolve a criação da Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD), órgão federal que vai editar normas e fiscalizar procedimentos sobre proteção de dados pessoais.

A coordenadora do Observatório da Privacidade da Data Privacy, Mariana Rielli, classifica a ANPD como essencial para a interpretação dos dispositivos da Lei Geral de Proteção de Dados. Para Rielli, a principal vantagem da LGPD é a segurança jurídica.
 

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) visa padronizar regulamentos e práticas para promover proteção aos dados dos cidadãos que estejam em território nacional. Atualmente, há uma série de normas setoriais que regulam especificamente cada área, mas ainda há o gargalo de um marco legal que defina direitos e deveres no trato de informações pessoais. A eventual aprovação da legislação acarretará em novas exigências da lei, o que fará com que diferentes áreas de uma empresa, como financeiro, administrativo, jurídico e TI, assegurem a existência de processos e recursos claros para prevenir uso inadequado dos dados e evitar vazamentos de informações e ataques de hackers. 

Em São Paulo, segundo a Associação Brasileira das Empresas de Softwares (ABES), 58% das empresas ainda precisam de ajustes em suas políticas e processos para se adequarem à LGPD. A pesquisa online com quase mil negócios também revela que 30% sofreram algum tipo de violação nos últimos dois anos e 76% lidam com coleta de dados importantes.  

O empresário Carlos Manfroi, proprietário de uma empresa de TI, trabalha para se adequar à legislação. “Estamos fazendo os termos de aceite da forma que a gente trabalha com relação aos dados dos clientes junto à nossa assessoria jurídica, trabalhando os softwares para que seja feita a captura das informações de forma mais ágil”, explica. 

“Esse dado de que 58% das empresas ainda precisam se adequar à Lei Geral de Proteção de Dados é preocupante. Vai ser necessário muita cautela para que a gente não prejudique tantos as empresas que recolhem os dados, como o cidadão que deve protegê-los”, pontua o deputado federal Jefferson Campos (PSB-SP). 

Sancionada em agosto de 2018, pelo então presidente Michel Temer, a LGPD ainda não está em vigência. O principal entrave da legislação que estabelece normas específicas para coleta, tratamento e segurança de informações pessoais envolve a criação da Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD), órgão federal que vai editar normas e fiscalizar procedimentos sobre proteção de dados pessoais. A avaliação do governo era de que a nova autarquia seria inconstitucional porque o Legislativo não pode criar órgãos que gerem despesas para o Executivo.

A Lei de Proteção de Dados pode entrar em vigor ainda este mês, caso o Congresso Nacional não aprove a MP 959 até o final de agosto. Ela trata da operacionalização do pagamento do Auxílio Emergencial, mas também modifica a data de entrada em vigor da LGPD, de 14 de agosto deste ano para 03 de maio de 2021. Isso quer dizer que se a MP caducar, muitas empresas, principalmente as pequenas e médias, terão problemas para se adequar.

A coordenadora do Observatório da Privacidade da Data Privacy, Mariana Rielli, classifica a Autoridade Nacional de Proteção de Dados como essencial para a interpretação dos dispositivos da Lei Geral de Proteção de Dados. Para Rielli, a principal vantagem da LGPD é a segurança jurídica.

“A grande diferença que LGPD traz é uma maior segurança jurídica. Hoje em dia, quase todos os modelos de negócio utilizam base de dados e alguns são centrados no uso de dados pessoais. São quase que exclusivamente baseados nisso. O que a LGPD faz é uniformizar esse ambiente regulatório e traz a certeza para as empresas de quais são as obrigações delas e todas elas serem regidas pelo mesmo diploma legal”, avalia Mariana Rielli.

A lei tem padrões internacionais

A Lei Geral de Proteção de Dados teve como base a legislação vigente na União Europeia, equiparando as regras do Brasil a padrões internacionais. Pela proposta, haverá maior controle sobre o uso de informações pessoais pelos cidadãos, a possibilidade de verificar, corrigir e excluir dados, além de ter o poder de escolha ao consentir com a coleta e tratamento de seus dados. “Existia aquela lenda de que a LGPD seria um empecilho à inovação e ao crescimento das empresas, e na verdade, é justamente o contrário. Ela traz segurança para que as empresas possam tratar dados pessoais e fazer isso de forma responsável”, explica Mariana Rielli.

Estão previstas medidas de segurança que precisam ser tomadas, como o desenvolvimento de políticas e planos de proteção de dados. O objetivo é que todas as informações que identifiquem uma pessoa precisam ser protegidas, como nome, sobrenome, dados bancários, endereços de IP e até endereços de e-mail. Informações como filiação a sindicatos, religião e opinião política também são considerados pela LGPD, como “dados pessoais sensíveis”.

Na avaliação do deputado federal Eduardo Cury (PSDB-SP), a LGPD garante proteção aos dados pessoais do cidadão. Para Cury, o alinhamento brasileiro às normas internacionais é um ganho para o país. “Ao mesmo tempo que o Executivo atrasou a estruturação da ANDP, as empresas também atrasaram, voluntaria ou involuntariamente, por causa da adequação à nova legislação. Quando os setores público e privado estiverem aplicando a Lei Geral, não há dúvidas de que haverá ganhos para o cidadão, de que terá garantias de que seus dados serão protegidos e para o Brasil, que se alinhará com os países que tem a melhor governança nessa ma/téria”, destaca. 

Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Leia mais

Audiência pública do FNDE discute aquisição de recursos digitais para o PNLD

Com o objetivo de discutir propostas e reunir subsídios para o Programa Nacional do Livro e do Material Didático (PNLD), o Fundo Nacional de...

Governo do Estado investe mais de R$ 14 milhões em obras de infraestrutura em Viana

Foto: Rodrigo Araujo/Governo-ES O município...

Cidadania lança cartilha sobre benefício para grupos populacionais tradicionais

Inauguração da Casa de Cultura Kayapó na aldeia Moxkarakô, S.Félix do Xingu, PA. – Foto: ...

Vacinação contra sarampo será concentrada no saguão da Prefeitura na próxima semana em Nova Venécia

A Campanha de Vacinação Contra o Sarampo será intensificada na próxima semana em Nova Venécia para facilitar ao público que ainda não tomou a...

Leia também

Garoto Riquelme, que sonha em ser policial, visita pelotão de Água Doce do Norte

Este é o garoto Riquelme! Um grande amigo da Polícia Militar. Riquelme disse aos militares que "sonha em ser um policial um dia". Os guerreiros de ortiz...

Motoristas podem conferir e pagar infrações por meio da Carteira Digital de Trânsito

Motoristas de todo o país já podem acompanhar, receber e pagar multas por meio do aplicativo Carteira Digital de Trânsito (CDT). Isso ocorre pois...

Eleições 2020: Prazo para envio de candidaturas aos cartórios eleitorais e internet termina neste sábado (26)

O prazo final para que partidos e coligações apresentem requerimento de registros de candidatos termina às 19h deste sábado (26). O pedido, que anteriormente...

Equipes de saúde continuam sendo informatizadas em todos os estados. Saiba mais

O Ministério da Saúde homologou a adesão de mais Equipes de Saúde da Família informatizadas ao Programa de Apoio à Informatização e Qualificação dos...