Sob a liderança de Biden, ataques à China dão o tom do comunicado final do G7


Na sua primeira viagem como chefe de Estado ao exterior, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, conseguiu que o G7 aprovasse um comunicado final duro em relação à China. 

No documento do grupo dos sete países mais ricos do mundo, a China é citada  diretamente cinco vezes. Entre outras menções, uma inclui Taiwan, tema sensível para os chineses.
O documento critica a suposta falta de transparência na investigação sobre a origem do novo coronavírus, a intervenção estatal e práticas comerciais distorcivas. 

O G7 também acusa a China de não respeitar os direitos humanos e as liberdades fundamentais, especialmente em Hong Kong e Xinjiang, informa a Folha de S.Paulo.

Mas os ataques à China não foram unanimidade em todos os seus aspectos. Houve relutância  por parte de países europeus em afrontar um país com o qual o continente tem importantes negócios comerciais e de investimentos. 

Joe Biden

Joe Biden (Foto: Reuters)

Leia mais

Leia também