Setor alimentício aumenta faturamento mesmo em período de pandemia

As empresas que compõem o setor alimentício no Espírito Santo aumentaram o faturamento, mesmo no período da pandemia do novo Coronavírus. É isso que aponta a 5ª edição do Boletim da Receita Estadual – Impactos Econômicos da Covid-19, elaborada pela Secretaria da Fazenda (Sefaz).

A análise foi feita com base nos dados de março a junho da Receita Estadual, na comparação com o mesmo período do ano passado. No intervalo, o setor varejista hortifrutigranjeiro foi o que apresentou a maior alta de faturamento: 35%. Na sequência aparecem açougues e peixarias (17,3%), produtos alimentícios (13,3%) e supermercados (12%). Também tiveram crescimento no faturamento a venda de produtos farmacêuticos (11,6%), gás liquefeito (8,6%) e materiais de construção (8,2%).

O resultado positivo deste setor, no entanto, não foi suficiente para evitar a queda na arrecadação estadual do Imposto de Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). Em todo o período analisado, foi registrada uma queda de 7,91% na arrecadação de ICMS, quando comparado com o exercício anterior, representando uma insuficiência de arrecadação de R$ 284 milhões.

De acordo com o gerente de Arrecadação e Cadastro da Secretaria da Fazenda, auditor fiscal Leandro Kuster, o Estado deu início a uma recuperação na arrecadação no final do primeiro semestre. “Embora a arrecadação do ICMS, principal fonte de receita do Estado, não tenha chegada ao patamar do exercício anterior, percebe-se uma recuperação da receita a partir do mês de junho. Para que possamos continuar nesta tendência, a atividade econômica precisa melhorar, bem como há espaço para ampliação do esforço fiscal, com ações efetivas de monitoramento e ações fiscais em campo”, afirma Kuster.

Os segmentos que tiveram a maior queda no faturamento foram calçados (-56,7%), vestuário (-49,3%), bares e restaurantes (-45,7%), óticas (-41,8%), lojas de materiais esportivos (-34,7%), cosméticos (-30,5%), combustíveis (-29,6%), tecidos (-27%) e móveis (-19,4%).

Apesar da queda de tantos segmentos, o estudo aponta que, em junho, já houve uma recuperação do setor varejista como um todo – tanto percentualmente quanto em absoluto. Em abril, o faturamento do varejo foi de R$ 2,47 bilhões – uma queda de 17,6% na comparação com abril do ano passado. Já em maio, o faturamento subiu para R$ 2,85 bilhões e a queda na comparação com 2019 ficou em 4,6%. Em junho, a arrecadação voltou a subir, chegando a R$ 2,88 bilhões e a queda na comparação com junho do ano passado ficou em 3,9%.

ICMS por atividade fiscal

Entre março e junho, o Estado aumentou a arrecadação de ICMS em alguns setores. O maior crescimento foi nas atividades do Fundap, que aumentaram 7,4%. Logo depois aparece o setor atacadista (5,1%), transporte (2,4%) e café (1,4%).

As quedas foram maiores nas indústrias (-36,4%), substituição tributária (-31,9%), energia elétrica (-29,1%) e no Simples Nacional (-19,7%).

O preço dos combustíveis, assim como o do petróleo Brent, caiu no início da pandemia, mas vem se recuperando. A gasolina iniciou o período analisado custando, em média, R$ 4,53 e fechou o mês de junho a R$ 4,04 – apresentando uma redução de 10,8%. O etanol iniciou março com o valor de R$ 3,82 e fechou junho com R$ 3,29 (-13,8%). Por fim, o diesel S10 e S500 iniciou o período com o valor de R$ 3,26 e encerrou o mês de junho com R$ 3,12 (-12,3%).

No preço do Brent foi observada uma das maiores variações. Em março, ele estava cotado a US$ 50,03 e chegou a US$ 19,33 no fim de abril. Desde então, o preço do petróleo vem se recuperando, mas ainda longe de atingir os patamares observados em março. No último dia de junho o Brent estava cotado em US$ 41,1.

“O Brent (preço de referência no mercado spot internacional do petróleo) foi cotado a US$ 40/barril, em junho, e, para julho, a cotação média esperada é de US$ 42/barril. Ou seja, registramos uma recuperação 115% no preço do barril em julho com relação a abril, mês em que a cotação foi de US$ 18,50/barril”, avalia o assessor especial do Núcleo de Petróleo e Gás, auditor fiscal Luiz Cláudio Nogueira.

“No que se refere aos derivados, também registramos recuperação em junho. O preço médio da gasolina foi de R$ 4,05/litro em junho (recuperação de 9,0% em relação a maio). O etanol registrou preço médio de R$ 3,30/litro em junho (recuperação de 3,5% em relação a maio). O diesel S500 registrou preço médio de R$ 3,07/litro em junho (recuperação de 9,6% em relação a maio). O diesel S10 registrou preço médio de R$ 3,20/litro em junho (recuperação de 8,5% em relação a maio)”, acrescenta Nogueira.

“O isolamento social decorrente da pandemia do Covid-19 provocou forte retração na demanda (consumo) de petróleo e derivados, impactando sensivelmente os preços, com reflexos na arrecadação do ICMS e das participações governamentais (royalties e participação especial). De todo modo, os dados mostram que esse cenário vem mudando gradativamente em razão da retomada do consumo, evidenciando tendência de recuperação econômica” salienta o auditor fiscal.

Queda no consumo de energia elétrica

Nos quatro meses analisados na 5ª edição do Boletim da Receita Estadual – Impactos Econômicos da Covid-19, houve queda no consumo de energia elétrica. A maior queda aconteceu em maio, quando foram consumidos 1,27 bilhões de quilowatt-hora – um valor 29,2% menor que o registrado em maio de 2019. A redução média no período foi de 18%.

No Poder Público foi registrada a maior queda de consumo de energia, chegando a 37,22% de média. No comércio a queda média foi de 18,98% e, na indústria, 11,4%. No comparativo com as demais classes, o consumo de energia elétrica nas residências apresentou a menor queda: 4,16%.

Abertura e fechamento de empresas

Mesmo que os efeitos econômicos do Coronavírus ainda estejam sendo sentidos pela sociedade, alguns pontos indicam uma retomada à normalidade. O número concessões de novas inscrições estaduais, que é a abertura de novos estabelecimentos junto à Receita Estadual, chegou a 703 em junho – uma queda de apenas 2,6% na comparação com junho de 2019. Em maio, por exemplo, a queda chegou a 20,6% e em abril a 56%.

O número de empresas em processo de solicitação de baixa, porém, ainda é grande. Somente em abril a solicitação de baixas foi menor em 2020 do que em 2019. Em março, o número de baixas foi 145,9% maior, em maio 51,8% e, em junho, 55,1%.

“A boa notícia é que número de concessões de inscrições estaduais foram normalizadas e percebe-se uma recuperação nos setores econômicos, em especial no setor varejista”, afirma o secretário de Estado da Fazenda, Rogelio Pegoretti. “Esse tipo de estudo realizado pela Receita Estadual é fundamental para tomada de decisão por parte do governo, pois assim é possível acompanhar como está sendo a retomada da atividade econômica, bem como a situação fiscal, possibilitando assim uma melhor gestão dos recursos públicos”, comenta Pegoretti. O próximo boletim conterá novos dados da situação fiscal do Estado a ser divulgado no mês de setembro.

Leia mais

Esesp lança agenda de cursos 100% on-line para abril

Com o intuito de manter ativo o processo de desenvolvimento pessoal e profissional dos servidores públicos...

Família Valardão já se encontra curada do coronavírus em Santa Luzia do Azul, distrito de Água Doce do Norte

Sr. José, Ana Karolliny e Sra. Maria.A felicidade da família Valardão, está estampada no rosto de...

São Mateus confirma sexto caso de coronavírus

Está confirmado pela Secretaria de Saúde de São...

Governo do Estado anuncia abertura das inscrições do Programa Jovens Valores 2020

O governador do Estado, Renato Casagrande, anunciou, nesta segunda-feira (02), o novo edital do Programa Jovens Valores, que vai ofertar 1.835 vagas de estágio...

Leia também

Espírito Santo chega a 3.452 mortes e 116.537 curados em 126.606 casos de Coronavírus

O Espírito Santo registrou, até esta quarta-feira (23), 3.452 mortes por Covid-19. O número de casos confirmados chegou a 126.606. O índice de letalidade...

Propaganda eleitoral para candidatos municipais começa dia 27 de setembro

Com a promulgação da Emenda Constitucional (EC) nº 107/2020, que adia eleições municipais para 15 (1º turno) e 29 de novembro (2º turno), ficou...

O TEMPO E A TEMPERATURA: Sudeste do país tem previsão de chuva, nesta quinta-feira (24)

Apesar de as instabilidades perderem força, o tempo com chuva deve permanecer sobre a maior parte da região Sudeste do país, nesta quinta-feira (24),...