Sesa atualiza redefinições de perfis dos hospitais para atendimento da COVID-19

O subsecretário de Regulação, Controle e Avaliação em Saúde, Gleikson Barbosa

A Secretaria da Saúde publicou nesta quarta-feira (22) no Diário Oficial, a Portaria Nº067-R, que atualiza a redefinição dos perfis de atuação dos serviços hospitalares durante o estado de emergência em saúde pública no Espírito Santo, decorrente do novo Coronavírus (Covid-19).

São unidades da rede própria e também filantrópicos, que receberam mudanças em relação às referências hospitalares para o atendimento médico, tanto para a COVID-19 quanto para demais serviços, de uma forma a não desassistir à população que demanda o atendimento médico para demais enfermidades, como explica o subsecretário de Regulação, Controle e Avaliação em Saúde, Gleikson Barbosa.

“Temos a necessidade mantermos os atendimentos que já eram realizados antes da pandemia, assim como também viabilizar e garantir a assistência aos pacientes em potencial da COVID-19. Diante disso, o Estado tem organizado mudanças de perfis hospitalares, em busca de manter a população capixaba assistida aos serviços de saúde”, disse o subsecretário.

Na nova atualização, o Hospital Estadual Dório Silva, na Serra; o Hospital Universitário Cassiano Antonio Moraes, em Vitória; e o Hospital Maternidade São José, em Colatina passam a referências estaduais no atendimento a pacientes com COVID-19 junto às outras seis unidades já referenciadas inicialmente, como Hospital Estaduais Dr. Jayme Santos Neves; Roberto Arnizaut Silvares; Infantil de Vitória; Maternidade Sílvio Avidos; Santa Casa de Misericórdia de Cachoeiro de Itapemirim e Hospital Infantil Francisco de Assis.

Além disso, foi redefinido o perfil assistencial de outras unidades hospitalares, tais como os Hospitais Estaduais Central, de Urgência e Emergência e Antônio Bezerra de Faria, ambos localizados na Grande Vitória, que irão prestar o atendimento aos pacientes que necessitam de serviços por outras razões que não a COVID-19.

O subsecretario orienta também em relação à busca do serviço a fim de resguardar a saúde do próprio usuário. “É importante lembrar à população que em caso de sintomas respiratórios, deve-se procurar o atendimento médico seja na unidade de saúde próximo a sua residência ou no Pronto Atendimento, para assim ser direcionado em relação à conduta do tratamento”, instruiu.

Leia mais

Leia também