Secretaria de Saúde apresenta balanço dos 100 dias de enfrentamento ao Coronavírus no Espírito Santo

Durante entrevista coletiva na manhã desse sábado (13), o secretário de Estado da Saúde, Nésio Fernandes e o subsecretário de Estado de Vigilância em Saúde, Luiz Carlos Reblin, fizeram um relato sobre os 100 dias de enfrentamento ao novo Coronavírus (Covid-19) no Espírito Santo.

Confira trechos da fala do secretário Nésio Fernandes:

Desafio

A pandemia desafiou governos do mundo inteiro, a economia mundial, o sistema de saúde mundial, o perfil de cada líder e aqui no Espírito Santo tivemos que administrar dentro de um contexto de país dividido, polarizado politicamente. A responsabilidade do enfrentamento à pandemia tem caído no ombro dos governadores e prefeitos. Decidimos, desde o início, preparar a rede de atenção à saúde e ainda em janeiro tivemos uma primeira reunião que debateu os assuntos advindos dessa nova doença que surgiu na China e crescia de maneira assustadora.

Organização da rede

Insistimos na importância de ampliar a rede para receber doentes, pois acertamos nas primeiras projeções, em quais seriam os ciclos iniciais do comportamento da doença no Estado e essas projeções foram sendo atualizadas, um conjunto grande de especialistas começaram a se envolver. Diante das análises feitas e subsidiadas pelo Governo do Estado, um conjunto de obras foi traçado para crescimento da rede. O Hospital Jayme dos Santos Neves, por exemplo, foi todo reorganizado internamente. Segundo levantamento que fiz junto ao Conselho Nacional dos Secretários de Saúde (Conass), o Jayme é o segundo maior hospital Covid-19 do Brasil em número de leitos, estando atrás do Hospital das Clínicas de São Paulo. O Espírito Santo preparou-se com o melhor que tem em oferta assistencial e capacidade de organização da rede para garantir não um cuidado improvisado e sim planejado, utilizando os hospitais tradicionais para atender os pacientes, pois estamos diante de uma doença nova que exigiria de toda a equipe médica uma curva de aprendizagem e preparação para conhecer e dominar com segurança a assistência hospitalar dessa doença.

Reconhecimento nacional

Desde o início dos casos no Brasil, construímos um plano de contingência que foi permanentemente atualizado, sendo elogiado até mesmo pelo Ministério da Saúde diante do nosso protagonismo na preparação para atendimento aos doentes. Recebemos elogios em relação a nossa Matriz de Risco, ao sistema de informação e-SUS Vigilância em Saúde, que desenvolvemos com apoio da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), o Painel Covid-19  para termos grau máximo de transparência na produção de dados e na distribuição desses dados para a população, órgãos de controle e imprensa.

Liderança

O governador Renato Casagrande constituiu uma importante estratégia de liderança em nosso estado, reunido um amplo debate com os outros Poderes, com atores sociais e econômicos, academia, que passaram a fazer parte de um conjunto de atores do Centro de Comando e Controle e da Sala de Situação dirigida por pessoalmente por ele diariamente.

Distanciamento

Em 100 dias, tomamos medidas que ajudaram a melhorar o grau de distanciamento entre as pessoas. Saímos de uma média de 24% de distanciamento e mantivemos a média de 44% de distanciamento. Conseguimos estimular novos estilos de vida a partir da precocidade das nossas decisões ajudaram a modelar rede de atenção, com a abertura de leitos, organização da Atenção Primária, da rede de urgência e emergência, expansão de transporte hospitalar de pacientes graves, por exemplo.

EPIs

Sabíamos que seria muito difícil por ser uma doença nova e que muitos trabalhadores da saúde adoeceriam. Por isso realizamos grandes compras de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), que não se constitui em um problema da gestão dos hospitais, pois organizamos amplas compras, doamos aos municípios e abastecemos hospitais próprios. A atuação dos profissionais tem sido exemplar no enfrentamento dessa desgastante doença.

Apoio

O diálogo com o controle externo e social tem sido positivo, cito aqui o Conselho Estadual de Saúde, organizações sociais, os Ministérios Públicos Estadual e Federal, Tribunal de Contas, Assembleia Legislativa que apoiou todas as medidas do Governo para garantir que o Estado tivesse recursos para enfrentamento da pandemia. Também cito os sindicatos dos profissionais de saúde, Conselho de Medicina e também os parlamentares da bancada Federal, deputados e senadores, que têm apoiado disponibilizando elementos e recursos e mantido diálogo constante com o nosso governador.

05 de março

No dia 05 de março tivemos o primeiro caso positivo divulgado no estado do Espírito Santo. Em uma semana, o nosso Laboratório Central (Lacen/ES) já começou a realizar o RT-PCR em tempo real e estamos há uma semana alcançando a meta diária de mil testagens/dia. Nesta semana estamos encerrando todas as amostras represadas no Lacen – a previsão de divulgação é até a segunda-feira (15).

O Lacen tem tido uma capacidade excepcional de processamento. E parabenizo aos técnicos do Lacen pela atuação em nome do povo capixaba. Hoje temos mais de 130 mil kits PCR disponíveis, temos um conjunto grande de testes rápidos sendo distribuídos para os municípios – somos um dos estados do país que mais testa. Temos critérios de testagem ampliada, não testamos apenas pacientes graves como a grande maioria dos estados do Brasil. Temos critérios clínicos e epidemiológicos, protocolos explícitos e científicos para o manejo ambulatorial e hospitalar dos pacientes.

O momento que vivemos agora é de grande acúmulo do número de casos ativos, de crescimento da pandemia no interior e na Grande Vitória e que será fundamental a ampla capacidade de testagem do nosso Laboratório Central. Conseguimos não depender somente do envio por parte do Ministério da Saúde dos kits de extração e reação.

Inquérito Sorológico

O Governo do Estado comprou diretamente kits de extração e reação, organizamos mais equipamentos para poder testar mais e temos avançado – e muito – na capacidade de diagnóstico do nosso povo com um componente estratégico para a realização dos diagnósticos. O Inquérito Sorológico foi uma decisão acertada, pois testar por si só não resolve. É preciso medir e receber um dado qualificado para termos conclusões científicas. O inquérito é uma estratégia de testagem em massa dentro de uma metodologia científica na casa das pessoas com capacidade de projetar estatisticamente qual é a presença da doença em nosso Estado, qual é a força de transmissão entre um ciclo e outro da coleta. Conseguimos produzir um dos melhores inquéritos sorológicos produzidos no Brasil.

Quero parabenizar nossa recém criada Subsecretaria de Vigilância em Saúde, em nome do subsecretário Luiz Carlos Reblin, e toda a equipe técnica que tem conduzido esse processo de maneira brilhante. Se nós errarmos na vigilância em saúde nós erramos em toda a estratégia. Ter criado a Subsecretaria de Vigilância no Espírito Santo e dado um lugar institucional para a ela é um fator de proteção e uma força grande no enfrentamento da pandemia do nosso Estado.

O sistema de notificação de agravos, o e-SUS Vigilância em Saúde, desenvolvido com apoio da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), é um importante sistema de produção de dados. Hoje, o cidadão pode acessar o Painel Covid-19 ES com informações alimentadas às 17 horas diariamente, com transparência no número de óbitos, incidência nos bairros, letalidade por município, por exemplo.

Hospitais e leitos

Mudamos o perfil de hospitais por meio de portaria específica, ampliamos o quantitativo de leitos Covid e mantemos os leitos para não-Covid. Avançamos em contratualização, por exemplo, na Santa Casa de Misericórdia de Vitória, Hospital Universitário, Clínica dos Acidentados, Hospital da Associação dos Funcionários Públicos. Reposicionamos toda a rede de atenção à saúde hospitalar com expansão de até 1.600 leitos, que representam 13 hospitais de campanha de 120 leitos cada.

Os hospitais de campanha constituem-se em uma falsa polêmica do papel que eles poderiam ter para evitar o risco extremo. Temos uma oferta adequada e remodela de leitos por características próprias da doença e por haver um limite de expansão no número de leitos de UTI por conta de recursos humanos, equipamentos e por isso poderá haver pressão assistencial e chegarmos a até 91% de ocupação de leitos e ter que aplicar a Matriz de Risco e decretarmos o Risco Extremo.

O estado de Minas Gerais, neste momento, tem disponível para Covid um pouco mais de mil leitos de UTI, isso em um estado de dimensões populacionais e territoriais muito maiores do que o Espírito Santo. A expansão que o Espírito Santo fez para atender o povo capixaba e pacientes críticos foi extraordinária e só aconteceu porque nós temos uma liderança firme e forte que nos empoderou e nos deu condições de tomar decisões quando muita gente ainda não entendia a real dimensão da doença em nosso Estado, que é a liderança do governador Renato Casagrande. Agradeço ao governador pela honra que me deu de enfrentar, sob a liderança dele, todo esse processo.

Nossa rede de urgência e emergência passou por modificações também. O tempo de espera dos nossos pacientes nas UPAs e PAs reduziu em comparação que eram nos períodos anteriores à pandemia, aumentamos a quantidade de ambulâncias para remoção de transporte hospitalar, expandimos o SAMU 192, aperfeiçoamos todo o mecanismo de regulação do paciente.

A Atenção Primária foi desafiada. Temos experiências exitosas de organização da atenção básica no nosso Instituto Capixaba de Ensino, Pesquisa e Inovação (Icepi) com o programa de provimento de formação Medicina de Família e Comunidade.

Agradeço o apoio e empenho dos secretários municipais de saúde que têm trabalhado diariamente para organizar a realidade de seus municípios. Estamos organizando uma agenda de resposta rápida da Atenção Primária em Saúde para o enfrentamento ao Covid para haver melhor notificação, melhor diagnóstico, melhor monitoramento, melhor avaliação e de bloqueio da transmissão nos bairros de maneira que a gente consiga reposicionar a atenção básica para uma agenda de retomada das atividades após pandemia. Precisamos reposicionar para organizar melhor novos surtos de Covid que possam surgir no estado.

Estudos

Temos muitas dúvidas para o futuro, mas temos convicções que estão sendo construídas. Não sabemos ainda o papel da imunidade de rebanho, da imunidade seletiva, da imunidade específica, da imunidade cruzada, da potência do sistema imune das pessoas, de qual o tamanho da população que, de fato, precisa ser exposta ao vírus para que a gente consiga ter uma estabilização do avanço da doença. No entanto, todos os recursos científicos para poder entender e interpretar todas essas questões estão em andamento no Espírito Santo e no mundo para que a gente consiga o mais rápido possível sair dessa pandemia.

Participação do subsecretário Luiz Carlos Reblin:

O esforço de toda a equipe da Secretaria e os municípios nos permitiu alcançar resultados importantes, como da campanha de vacinação contra a gripe, pois ela é importante para que a equipe médica tenha o olhar acertado para os sintomas do paciente. Fomos um dos estados brasileiros que primeiro alcançou a meta de vacinação. Construímos fundamentos que vão nos permitir avaliar essa pandemia talvez como nenhum outro estado brasileiro tenha.

A implantação do e-SUS VS permite aos profissionais da saúde que compreendam a dinâmica dessa doença e possam conduzi-lo de maneira adequada e nos preparamos para o futuro com as doenças que a gente já convive diariamente, como dengue, zika, Chikungunya, sífilis. Vamos poder estudar da mesma forma que estudamos o coronavírus. A tecnologia será nossa aliada. E estamos nos preparando para trabalhar com uma tecnologia de comunicação entre equipes de saúde e o especialista, que chamamos de regulação formativa, que será um passo imenso para passarmos a atender em um novo formato no Espírito Santo.

Mas ainda não vencemos a Covid-19. A única vacina que temos no momento é ficar em casa, sair somente se necessário, temos que reduzir a circulação. Faço um apelo quando completamos 100 dias de intensos trabalhos: faça sua parte, fique em casa.

Leia mais

Hospital Estadual de Urgência e Emergência abre vagas de emprego na área da saúde, no Espírito Santo

Oportunidades são para auxiliar de higienização e limpeza, enfermeiro, técnico de enfermagem e farmacêutico. Para se candidatar é necessário ter disponibilidade para trabalhar como...

TRE –SC desaprova contas dos partidos Patriota e Solidariedade por “falhas graves”

Pleno do Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina (TRE-SC), desaprovou as contas dos diretórios estaduais dos partidos Patriota e Solidariedade, referentes ao exercício financeiro...

Aeroportos de Viracopos e de Confins vão ser usados para transporte de remédios controlados durante pandemia

A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) liberou que mais dois aeroportos recebam remédios controlados durante a crise do novo coronavírus....

Leia também

Bolsonaro convida Meneguelli para almoço em Brasília

O Prefeito Sérgio Meneguelli irá almoçar com o Presidente da República Jair Bolsonaro na quarta-feira (2) da próxima semana, ao meio dia. A primeira...

Governo do Espírito Santo autoriza volta de aulas presenciais em cidades com risco moderado para Covid-19

O Governo do Espírito Santo autorizou a retomada das aulas presenciais nas cidades que possuem risco moderado para a Covid-19. Com isso, em Vitória,...

Feira Sabores da Terra começa nesta quinta na Praça do Papa, em Vitória

Evento será realizado até o próximo domingo (29). Segundo o governo estadual, todos os protocolos de prevenção contra o coronavírus serão seguidos. Feira Sabores da...

Prorrogação da desoneração da folha de pagamento pode beneficiar indústrias paulistas

Estado com maior PIB do Brasil, de R$ 1,9 trilhão, São Paulo corresponde ao equivalente a 29,8% da indústria nacional. O setor emprega 2.922.404...