Sem proclamação de vitória eleitoral no Peru, Castillo é vítima de campanha racista


RFI – Com palavras de ordem racistas e ameaças, manifestantes da extrema direita têm realizado marchas pelas ruas de Lima para protestar contra a eleição do presidente socialista Pedro Castillo.

Castillo tem sido chamado de “terruco”, o que no Peru é um sinônimo de terrorista, usado pela direita para desqualificar apoiadores da esquerda. É também um termo com forte conotação racista e classista, pois é usado pejorativamente para identificar comunidades rurais e andinas.

São esses grupos populares que votaram em massa em Castillo – garantindo sua vitória ainda não oficializada. Por extensão, Castillo também é chamado de “terruco” pelos opositores de direita.  

Em um país marcado profundamente por desigualdades e exclusões calcadas na questão racial, a vitória eleitoral de Castillo, um professor de origem rural e andina, representa o triunfo de um Peru marginalizado, de populações menosprezadas pelas classes ricas do país. Visto como esperança pelos grupos mais pobres do país, o socialista é entendido como uma ameaça pelos altas castas peruanas, o que fez aflorar um racismo histórico em discursos claramente violentos.

“Há uma campanha abertamente racista contra Pedro Castillo e seus apoiadores. Há de se levar em conta que o triunfo de Castillo é plebeu, popular, provinciano e andino. A parte andina do Peru votou em peso por Castillo”, afirma o sociólogo Alberto Adrianzén.

“[Este voto] também deve ser entendido como um voto contra Lima, onde Keiko Fujimori obteve o apoio de mais de 60% dos eleitores. É por isso que tem aparecido grupos abertamente racistas, com bandeiras fascistas, dizendo que vão matar os comunistas”, completa o sociólogo.

País aguarda resultado há três semanas 

Desde 11 de junho, quando Castillo reivindicou vitória nas eleições presidenciais, Keiko Fujimori, sua oponente, têm denunciado uma suposta fraude e pedido a anulação do pleito. A Missão de Observação Eleitoral da Organização de Estados Americanos (OEA) descartou irregularidades.

“Acredito que o objetivo de inflamar o racismo é buscar, como quer a direita, um confronto contra Castillo e seus eleitores. Creio que o fujimorismo busca uma reação violenta da população”, analisa Adrianzén.

No último dia 24, houve um confronto entre apoiadores de Castillo e de Fujimori diante da sede do tribunal nacional eleitoral peruano, onde as atas de votação estão sendo revisadas após pedido da candidata da direita.

A polícia abriu nessa quarta (30) uma investigação para determinar se a morte de um simpatizante de Castillo está relacionada ao confronto.

Pedro Castillo

Pedro Castillo (Foto: Reuters)

Leia mais

Leia também