Sem previsão de vacina contra a Covid-19, Espírito Santo compra mais de 7 milhões de seringas

Secretário de Saúde fala sobre preparação do Estado para vacinação contra a Covid-19 — Foto: Reprodução/ Youtube

O secretário estadual de Saúde do Espírito Santo, Nésio Fernandes, disse nesta quarta-feira (14) que o Estado está se preparando para ter condições de vacinar a população contra a Covid-19 a partir de janeiro, caso haja vacina disponível até lá. Para isso, já foram adquiridas 7,5 milhões de seringas.

A Secretaria da Saúde (Sesa) informou que essa preparação é tanto do ponto de vista logístico quanto de insumos. Dessa forma, o Estado segue uma prática já adotada por outros países que, mesmo se nenhuma vacina aprovada, tentam garantir suprimentos de imunização em potencial para, se e quando candidatas se mostrarem eficientes, poderem iniciar campanhas rapidamente.

Do total de seringas compradas pelo Estado, 1,5 milhão já estão disponíveis e 6 milhões possuem previsão de entrega até dezembro.

“O enfretamento à pandemia da Covid-19 verá uma nova fase a partir do momento que houver disponibilidade de uma vacina segura e eficaz contra a doença. Nós optamos por adotar os critérios do Programa Nacional de Imunização (PNI) e as saídas nacionais para aquisição da vacina. Nós estamos preparando as condições para que, havendo vacina disponibilizada pelo Ministério da Saúde a partir de janeiro, o Espírito Santo tenha condição de vacinar a população”, disse Nésio.

A Sesa ressaltou que monitora as candidatas à vacina em desenvolvimento e acompanha junto ao Ministério da Saúde, e por meio do Conselho Nacional de Secretários de Estado da Saúde, todas as ações para a disponibilização da vacina aos usuários do Sistema Único de Saúde.

O Espírito Santo registrou, até esta quarta-feira (14), 3.689 mortes por Covid-19. O número de casos confirmados chegou a 141.548. O índice de letalidade da doença no Estado é de 2,6%. Os dados foram divulgados na plataforma Painel Covid-19, do Governo do Estado.

Na comparação com os dados divulgados nesta terça-feira (13), o aumento é de 9 mortes e 847 novos casos da doença.

 

Leia mais

Leia também