Sem internet, delegacias do Acre aguardam conexão via satélite do Governo Federal

Para tentar resolver a falta de conexão nas delegacias, o governo do Acre se uniu ao Ministério da Justiça e Segurança Pública para instalar internet via satélite nas unidades do estado. A situação atual da conexão da segurança pública do Acre é grave. Grande parte das delegacias sequer tem internet. E, para tentar driblar os problemas, ainda tiram do próprio bolso para custear a infraestrutura. Em algumas cidades, como Sena Madureira e Feijó, os policiais fizeram parcerias com empresários, cedendo o uso das antenas de rádio em troca da instalação da internet – uma solução de emergência, mas muito distante do ideal, já que pode comprometer a independência do trabalho dos agentes de investigação.

Depois de anos de dificuldades com conexão, no mês passado, o governo local fechou um contrato com uma operadora para prover internet em 20 delegacias do interior do estado pelo preço de R$ 34 mil reais por mês. Algumas chegariam a pagar mais de R$ 2 mil reais por mês pela internet. (Veja na arte) A justificativa dada pelo governo para o preço salgado é que o trabalho policial exige uma conectividade melhor do que a normal.

Segundo apurou o portal Brasil 61, estava em negociação também um contrato com a mesma operadora para as delegacias da capital Rio Branco, o que poderia elevar o custo mensal da conectividade para R$ 60 mil, valor que será poupado pela adesão do estado ao projeto do governo federal.

Pandemia da Covid-19 expõe fragilidade da conexão de internet no Brasil

Cidades e estados brasileiros se adequam à chegada do 5G no país

Enquanto a internet não chega, a segurança no Acre sofre pela falta de conectividade. Sem ela, policiais não conseguem utilizar o sistema unificado para registrar os Boletins de Ocorrência. Em vez disso, enviam documentos de uma delegacia para outra usando o 3G do celular pessoal ou levam os documentos físicos de uma unidade para outra, o que torna o processo lento.

O presidente do Sindicato dos Policiais Civis do Acre, Tibério César da Costa, dá um exemplo prático: os policiais usam um sistema online para registrar roubos e furtos de veículos e viabilizar uma reação rápida nas fronteiras do estado, que são rota de fuga de criminosos. “Eu só faço a inserção desse dado de roubo e furto se tiver internet e na madrugada a conexão fica difícil. Aqui no Acre tem uma peculiaridade de que, em uma hora você atravessa para território boliviano, de alguns municípios. Assim, você prejudica a vítima por conta de uma falha estrutural do estado”, explica.

Veja a entrevista completa:

Outro problema da falta de conexão é que os dados criminais não chegam ao governo federal, dificultando a formulação de políticas públicas de segurança para o interior do Brasil.

Segurança Pública Conectada

Por esses motivos, o Acre foi um dos estados contemplados pelo programa Segurança Pública Conectada. O governo federal vai investir R$ 5 milhões para instalar internet via satélite em delegacias, unidades da Polícia Militar e guardas municipais de nove estados. No Acre, as instalações já começaram a ser feitas. 

O Secretário de Justiça e Segurança Pública do Acre, Paulo Cézar Rocha dos Santos destaca que, na primeira fase da implantação, o foco será a Polícia Civil. “Todas as delegacias da capital e do interior, inclusive dos municípios isolados terão a possibilidade de lavrar ocorrências em tempo real, em uma plataforma eletrônica que garantirá maior celeridade às investigações criminais”.

Para o coordenador-geral de Gestão e Integração de Dados da Secretaria Nacional de Segurança Pública, Wanderley Silva, o maior ganho será na formulação de políticas públicas voltadas para a segurança: “Essas conexões serão custeadas pelo Ministério da Justiça. Esse projeto foi levado para o conselho gestor do Fundo Nacional de Segurança Pública e foi aprovado por unanimidade. Hoje, dados de ocorrências criminais em municípios que não tem conectividade não chegam para o nosso Sinesp Integração, são dados que não são contabilizados para a segurança pública”, explica.

A ideia é que o programa seja aplicado em 600 pontos de outros nove estados, além do Acre: Alagoas, Amapá, Rio Grande do Norte, Roraima, Sergipe, Tocantins, Rio de Janeiro, Piauí e Maranhão, de acordo com o governo federal. A transmissão será possível devido ao Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas 1, construído por encomenda do governo brasileiro e lançado em 2017. A expectativa é que todas as instalações sejam concluídas em dois meses.

 

Foto: Sejusp/AC

Leia mais

Espírito Santo dá início a última etapa do Inquérito Sorológico

Entre os dias 22 e 24 de junho,...

Homem sai para pescar e morre afogado no Ribeirãozinho, interior de Ecoporanga

No início da noite de sábado, 29 de agosto de 2020, por volta das 18 horas, a Polícia Militar de Ecoporanga foi acionada para...

Criminosos colocam fogo em dois ônibus na Grande Vitória

Primeiro caso aconteceu no bairro Ipanema, em Viana, e o segundo em Roda D'água, em Cariacica. 1 de 1 Segundo o Corpo de Bombeiros, o primeiro...

Leia também

PM prende acusados de tráfico de drogas no interior de Água Doce do Norte

Na noite deste domingo (20), policiais militares do 11º BPM realizaram a prisão de dois acusados de tráfico de drogas no município de Água...

PM detém homem com simulacro de arma de fogo na cintura em Águia Branca

Na noite da última sexta feira (18), policiais militares do 11º BPM detiveram um indivíduo que portava um simulacro de arma de fogo na...

Carro capota no córrego do Paraíso e homem fica ferido

Na tarde desta segunda-feira, 21 de setembro, no Córrego do Paraíso, ES-320, por volta das 13:30h, a Polícia Militar de Ecoporanga registrou mais um...

Fim de semana com prisões e apreensões em Guarapari

Neste fim de semana, policiais militares do 10º...