Sedes acompanha Análise de Competitividade das empresas do setor de embalagens beneficiadas pelo Compete-ES

Representantes da Secretaria de Desenvolvimento (Sedes) acompanharam a apresentação da Análise de Competitividade do setor da Indústria de Embalagem do Estado do Espírito Santo, na última sexta-feira (18), por videoconferência com o Sindicato da Indústria de Material Plástico do Espírito Santo (Sindiplast-ES). Os dados apresentados pelo setor estão previstos na legislação do Programa de Desenvolvimento e Proteção à Economia do Espírito Santo (Compete-ES) e é realizado anualmente para cada segmento beneficiado.

O secretário de Estado de Desenvolvimento, Marcos Kneip, aponta que a reunião foi propícia para apresentar as contrapartidas do setor de embalagens do Estado. “Esse encontro é uma oportunidade que temos de mostrar à sociedade a contrapartida das empresas que possuem o Compete-ES. Temos certeza que é um setor em franco crescimento, e a Sedes está à disposição para auxiliar no que for necessário”, afirmou Kneip.

De acordo com o levantamento, elaborado pelo Instituto de Desenvolvimento Educacional e Industrial do Espírito Santo (Ideies), entidade do Sistema Findes, dentre as empresas do setor de embalagens que possuem o Compete-ES, 75% dedicam-se à fabricação de embalagens diversas. Os segmentos papelão ondulado e acessórios; produtos para o ramo alimentício; produtos para higiene e limpeza; fabricação de embalagens plásticas e de caixas e embalagens de papelão representam 8,3% cada. Em 2019, do total de vendas do setor, 28,3% das vendas ocorrem em território capixaba, e outros 71,3% foram destinadas a outros estados.

Em 2019, o faturamento bruto das empresas que responderam à pesquisa aumentou 13,7% em relação a 2018. Os principais fatores para o aumento do faturamento, apontados pelo levantamento, são: aquecimento do mercado; inovações, investimentos no parque fabril; novas técnicas de vendas; novos produtos; abertura de área de atendimento e investimento na produção; e captação de novos clientes.

As empresas do setor de embalagens investiram R$ 11,7 milhões em 2019, principalmente, para aquisição de máquinas e equipamentos. O segmento apresentou ainda as principais medidas adotadas pelas empresas diante do impacto do novo Coronavírus (Covid-19) e as perspectivas de retomada de atividades pós-pandemia. 

Os dados ressaltam que dentre as ações adotadas, 58,3% anteciparam as férias dos colaboradores, e houve a redução de apenas 25% do quadro de funcionários das empresas do setor de embalagens. Em relação a expectativa do retorno das atividades no nível anterior à pandemia, (17%) responderam que não foram afetados pela crise, (25%) vão precisar de 1 a 3 meses, (25%) de 3 a 6 meses e (33%) indicaram que vão precisar de mais de 6 meses para retornar às atividades no mesmo patamar anterior.

A subsecretária de Estado de Competitividade e Projetos Estruturantes, Rachel Freixo, destaca que a apresentação dos indicadores é fundamental para o monitoramento dos incentivos tributários. 

“As contrapartidas apresentadas anualmente pelas beneficiárias do Compete-ES são fundamentais para o acompanhamento do grau de eficiência e eficácia das políticas públicas tributárias adotadas, bem como evidencia a relevância do programa para a competitividade econômica do Estado. Especificamente quanto ao setor de embalagens, que é inevitavelmente atrelado ao desempenho das atividades industriais, vimos que em 2019 houve um crescimento nos níveis de contratação, investimentos em qualificação de mão de obra, segurança do trabalho e meio ambiente, o que confirma o bom desempenho do programa Compete-ES”, destacou Rachel Freixo.

Para o gerente de Competitividade da Sedes, Humberto Queiroz, o setor é estratégico para o Estado. “É um setor que cresce gradativamente a cada ano no Espírito Santo e de fundamental importância para a cadeia produtiva, em razão dos insumos que produz participando ativamente da economia capixaba. No Compete-ES, temos atualmente 16 empresas beneficiadas, que geram aproximadamente 762 empregos diretos. A apresentação é mais um momento significativo de proximidade e parceria, que reflete a sinergia entre o Estado e setor de embalagens. Neste ano, o estudo além de ter abordado os indicadores e as premissas de benchmarking de praxe, trouxe informações com as principais ações tomadas pelas empresas em razão da pandemia”, disse.

Participaram do encontro, além de membros da Sedes, o superintendente do Sindiplast-ES, Gilmar Nogueira.

O Compete-ES

O Programa de Desenvolvimento e Proteção à Economia do Estado do Espírito Santo – Compete-ES (Lei 10.568/2016) tem por objetivo contribuir para a expansão, modernização e diversificação dos setores produtivos do Estado, estimulando a realização de investimentos, a renovação tecnológica das estruturas produtivas e o aumento da competitividade estadual, com ênfase na manutenção e/ou geração de emprego e renda e na redução das desigualdades sociais e regionais.

Para participar do programa, os setores produtivos assinam o Contrato de Competitividade do Compete-ES, no qual assumem o compromisso de aumentar a competitividade das empresas estabelecidas no Espírito Santo, em relação às similares de outras regiões do País.

Acesse a Análise de Competitividade do setor da Indústria de Embalagens aqui.

Texto: Carolina Moreira

Leia mais

Leia também