Sectides, Setur e Bandes se reúnem com representantes do setor hoteleiro e de eventos

Para enfrentamento à pandemia do novo Coronavírus (Covid-19), o Governo do Estado lançou no dia 19 de março, um pacote estimado em R$ 1,8 bilhão com medidas socioeconômicas para apoiar diversos setores e dentre eles, o de hotelaria e o de eventos. Nesta terça-feira (30), representantes da Secretaria da Ciência, Tecnologia, Inovação e Educação Profissional e Desenvolvimento Econômico (Sectides), da Secretaria de Turismo (Setur) e do Banco de Desenvolvimento do Espírito Santo (Bandes) se reuniram por videoconferência com integrantes dos setores para uma primeira reunião após o anúncio feito pelo governador do Estado, Renato Casagrande, com o intuito de ouvir o segmento, receber sugestões e esclarecer dúvidas sobre as linhas de crédito disponíveis.

Neste momento, em que a pandemia apresenta um cenário mais severo e, por isso, foi necessária a adoção de medidas restritivas por parte do Governo do Estado para preservar vidas, o setor de hotelaria e de eventos, assim como os demais necessita de apoio. Neste sentido, foi anunciado o Fundo de Proteção ao Emprego (Capital de Giro), que contará com o aporte do Governo do Estado no valor de R$ 250 milhões e será gerenciado pelo Bandes, tendo como público empresas de todos os portes que foram impactadas pela pandemia. Os juros são de acordo com a taxa Selic, a carência são 12 meses e o prazo total do financiamento, 60 meses. Os interessados devem preencher cadastro no site do banco. A linha começa a operar no mês de abril

O secretário de Estado da Ciência, Tecnologia, Inovação e Educação Profissional e Desenvolvimento Econômico, Tyago Hoffmann, destacou que o setor hoteleiro tem atendido às orientações de higienização, o distanciamento social e o respeito às normas que estabeleceram os limites de reservas por período, mas tem sofrido economicamente.

“Os setores de turismo e de eventos estão entre os mais afetados durante esta pandemia e necessitam de todo o apoio para superar este período desafiador e também manter postos de trabalho que estão envolvidos. Por isso, mantemos o diálogo franco e aberto, estamos trabalhando juntos para que as medidas propostas alcancem o maior número de empresas. O Fundo de Proteção ao Emprego é uma grande aposta do Governo do Estado, estará vigente partir de abril e tem o propósito de dar suporte por meio da oferta de crédito. Nos próximos dias, junto com a Setur, faremos nova reunião para tratar da promoção do setor no pós-pandemia”, disse Hoffmann.    

O diretor-presidente do Bandes, Munir Abud de Oliveira, afirmou  que a atuação do banco capixaba é fundamental agora. “Temos que nos colocar como um suporte para os setores de turismo e eventos, apoiando as empresas com alternativas de crédito facilitado, desburocratizado e que chegue a todo o Espírito Santo de maneira equilibrada e acessível. Dito isso, estamos usando todo o leque de financiamentos que o Bandes já tem em sua carteira, e criando ainda mais instrumentos, como o crédito emergencial com recursos do Fundo de Proteção ao Emprego”, enfatizou.

O gerente de Estudos e Negócios da Setur, Rafael Granvilla, ressaltou que as medidas econômicas apresentadas pelo Governo foram bem recebidas pelo setor de turismo. “A desburocratização e o acesso a juros mais baixos eram demandas recorrentes de um dos segmentos mais afetados pela pandemia, mas que segue otimista com o potencial de recuperação. Aliado a um plano de retomada, a ser construído junto aos representantes do segmento, os representantes das entidades acreditam na recuperação e no potencial de desenvolvimento da cadeia produtiva do turismo.”

Segundo o presidente do Instituto Capixaba de Turismo, Gustavo André Alves, é válido o encontro com representantes do Governo para que o turismo possa mostrar a real situação vivida pelo segmento. “Na reunião realizada estavam presentes os principais diretores de empresas que compõe o trade turístico no Estado. Essa aproximação é extremamente valiosa por nos dar a oportunidade de sermos ouvidos e também buscar soluções para as questões econômicas que estão sendo colocadas devido à pandemia”, frisou Alves.

Participaram da reunião o representante do SindiHotéis-ES, da Associação Brasileira de Empresas de Eventos (ABEOC-ES) e demais representantes da rede hoteleira do Estado.

Outras informações sobre as medidas, você encontra aqui.

Plano Espírito Santo — Convivência Consciente

É um conjunto de ações envolvendo órgãos do poder público e do setor produtivo para promover o desenvolvimento econômico, priorizando as pessoas, com o objetivo de reduzir os impactos sofridos pela população capixaba em decorrência da pandemia da Covid-19. São previstos mais de R$ 32 bilhões em investimentos dos Governos Federal, do Estado e do setor privado até o final de 2022. A estimativa é de que sejam criadas mais de 100 mil vagas de emprego.

O Plano apresenta sete eixos de atuação: Desburocratização; Medidas Tributárias; Crédito e Financiamento; Monitoramento dos Impactos na Economia; Aceleração dos Investimentos Públicos e Privados; Inovação e Tecnologia e Geração de Emprego e Renda.

O Conselho Gestor do Plano Espírito Santo — Convivência Consciente é formado pelas Secretarias de Economia e Planejamento (SEP); Mobilidade e Infraestrutura (Semobi); Fazenda (Sefaz); Governo (SEG), Ciência, Tecnologia, Inovação, Educação Profissional e Desenvolvimento Econômico (Sectides), que vão acompanhar de perto a implementação das medidas previstas no Plano. O Conselho será responsável ainda pelas orientações a serem seguidas conforme as prioridades do Governo, propondo ações de rearranjo da conjuntura econômica e potencializando a recuperação da economia do Estado.

Informações sobre linhas de financiamento:

www.bandes.com.br/emergencial

faleconosco@bandes.com.br

 

Leia mais

Leia também