Secretário justifica reabertura de escolas nos municípios de risco moderado: ‘Não é um ambiente altamente perigoso’

Antes da decisão, as escolas nos municípios desse grupo estavam proibidas de abrir, sendo autorizadas apenas as atividades remotas. Considerando a classificação mais recente do mapa de risco, a restrição atingia Vitória, Cariacica, Viana, Barra de São Francisco e Ecoporanga.

Por Naiara Arpini, G1 ES

Aulas na rede estadual do ES voltaram no dia 13 de outubro com restrições — Foto: Reprodução/ TV Gazeta

Aulas na rede estadual do ES voltaram no dia 13 de outubro com restrições — Foto: Reprodução/ TV Gazeta

Após o Governo do Espírito Santo autorizar a retomada de aulas presenciais em municípios classificados como risco moderado para a Covid-19, o secretário estadual de Educação, Vitor de Angelo, justificou a mudança explicando que o funcionamento das escolas não têm um grande impacto para o aumento da contaminação pelo coronavírus.

Antes da decisão, as escolas nos municípios desse grupo estavam proibidas de abrir, sendo autorizadas apenas as atividades remotas. Considerando a classificação mais recente do mapa de risco, a restrição atingia Vitória, Cariacica, Viana, Barra de São Francisco e Ecoporanga.

O percentual de contaminação nas escolas foi usado pelo secretário para demonstrar que as aulas não têm um papel decisivo para o avanço do novo coronavírus.

No último dia 13, o número de alunos e profissionais infectados no Estado foi divulgado pela Secretaria Estadual de Educação (Sedu): 648 casos da doença foram confirmados na rede pública e particular de ensino após um mês do retorno das atividades presenciais.

“0,07% de alunos e cerca de 2% de professores [percentual de contaminados dentro do total que retornaram à modalidade presencial] são percentuais que indicam que escola é um ambiente altamente perigoso e decisivo para fazer um município por exemplo passar do risco baixo e moderado e precisar ser fechado? Não, acho que fica óbvio isso diante de números estatisticamente contados”, disse de Angelo.

A decisão foi anunciada pelo governador Renato Casagrande em seu perfil no Twitter. Na publicação, ele disse que a medida foi tomada após diálogo entre o governo, sindicatos e o Ministério Público Estadual (MPES).

Mudança foi anunciada pelo governador Renato Casagrande — Foto: Reprodução/ Twitter

Mudança foi anunciada pelo governador Renato Casagrande — Foto: Reprodução/ Twitter

Vitor de Angelo explicou que a autorização não é definitiva, mas pode durar até o início do ano que vem.

“Nenhuma decisão é definitiva, mas esse é o entendimento. Não há perspectiva que mude, mas outros elementos podem fazer a gente revisitar essa questão. Por ora, alcançando até mesmo o início do ano letivo de 2021, as escolas estarão abertas sempre que o município estiver em risco baixo ou moderado”.

A medida vale para todas as escolas. De acordo com o secretário, na rede estadual, as unidades voltarão a funcionar. Já na particular, a decisão caberá a cada instituição, que pode escolher manter o ensino remoto ou não.

“Não deve ter efeito prático sobre as escolas municipais, já que elas não abriram. As particulares, que já estavam abertas e acabaram fechando, bem como as escolas públicas estaduais, poderão reabrir. Não é um decreto, é uma autorização. As nossas escolas estaduais abrirão. Nas particulares, é uma avaliação de cada uma, mas eu presumo que era esse o desejo e intenção das escolas particulares”, disse.

Leia mais

Leia também