Secretário da Saúde anuncia aumento na testagem e pede leis que obriguem uso de máscaras

O secretário de Estado da Saúde, Nésio Fernandes, anunciou uma mudança no procedimento na testagem para coronavírus: o paciente será submetido ao teste PCR no momento da consulta na rede pública. Não precisará esperar a janela de espera com o início de sintomas que varia de três a oito dias. A Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) passará a divulgar um painel de ocupação de leitos também da rede privada a partir da próxima quinta-feira (08). Ele também cobrou que os municípios se esforcem por incentivarem à criação de leis que indiquem uso obrigatório de máscaras e medidas mais rígidas contra aglomerações. Ele citou os prefeitos de Anchieta e de Barra de São Francisco nesse quesito, que estabeleceram essas regras. “Estamos recomendando que todos os prefeitos, vereadore, câmaras municipais implementem legislações municipais para instituir a obrigatoriedade do uso de máscaras. O uso de máscara deve se tornar uma obrigação legal por causa do momento em que vivemos”, reforçou.

Todas as informações foram dadas numa coletiva virtual de imprensa que aconteceu na tarde desta segunda-feira (05). Fernandes está acompanhado do subsecretário Luiz Carlos Reblin, recuperado da covid-19. Ele estava afastado das funções desde o dia 21 de março.

Atualmente, a taxa de ocupação de leitos de UTI exclusivos para paciente com coronavírus está em 94,99%.

Confira as falas de Nésio Fernandes e Luiz Carlos Reblin:

Retorno do subsecretário Luiz Carlos Reblin

Reblin: Agradeço a todas as manifestações que recebi em meu nome e em nome da minha esposa. Adoeci pelo covid. Minha esposa também. Fomos cuidados como a ciência nos orienta, pelas boas práticas do conhecimento técnico científico que o médico, que nos acompanhou, adquiriu ao longo deste tempo. Só utilizei um antitérmico e muita hidratação. Aliás, este é um grande recado a quem está com a doença: hidrate-se de maneira adequada. Assim como na dengue, nessa doença, a hidratação é a palavra-chave. Na covid, a hidratação é chave. Hidrate-se muito bem se você adoecer pela covid. Eu e minha esposa nos recuperamos. E desde semana passada já reiniciei minhas atividades aqui na secretaria.

Índice de internações

Nésio: Desde o dia 25 e 26 do mês passado, estamos apresentando o início de uma estabilização muito alta. Ainda é precoce afirmar que alcançamos um teto de casos observados. As internações continuam crescendo. Desde semana passado, observamos uma redução nas internações por condições não-covid em consequência da quarentena que implantamos em 100% dos municípios capixabas. Estamos identificando também uma pequena desaceleração na curva de novos casos graves e de enfermaria. Porém, ainda temos uma curva crescente e aumento de casos que exigem internações em enfermaria e em UTIs. No entanto, observamos uma breve desaceleração dessa quantidade de pacientes.

Pacientes na fila por um leito hospitalar

Neste momento temos cinco pacientes na fila da Central de Regulação aguardando leitos de UTI e 88 pacientes sendo atendidos pelo Samu. Ou seja, temos 93 pacientes sendo atendidos com uma solicitação que poderá resultar em internação em um leito de UTI na rede hospitalar.

Explicação sobre números de pacientes à espera de leitos

É importante esclarecer a respeito do tema muito abordado pela imprensa sobre a quantidade de pacientes que aguardam por um leito de UTI ou enfermaria no Espírito Santo. Nem todos os pacientes que estão nas UPAS e PAs estão aguardando leito hospitalar. Uma parte recebe alta após 18 a 36 horas de observação nesses serviços. Temos um conjunto de pacientes que, na avaliação do médico assistente desses serviços pré-hospitalares são solicitados e encaminhados para a regulação. Nem todos os que são passados para o serviço regulador reúnem características clínicas necessárias para uma internação hospitalar. O sistema de regulação existe para garantir o acesso hospitalar a cada tipo de recurso. A partir do momento em que o encaminhamento feito pelo serviço pré-hospitalar é aprovado, é que passa a ser considerado um paciente na fila de espera. O médico regulador tem um período de tempo para solicitar a vaga. O hospital tem um período de aceite ou não e aí é feita a remoção do paciente. Em caso de pacientes leves, a remoção é feita por iniciativa municipal. No caso de pacientes graves, encorajamos para que os serviços procurem o Samu e o Samu faça a regulação para garantir um atendimento mais ágil. Estamos reforçando toda a rede. Temos 20 ambulâncias avançadas. No entanto, a quantidade de pacientes é muito grande. Chegamos a remover 160 pacientes em 24 horas. É uma operação de transferência muito grande, numa intensidade que nunca foi vivida em momento anterior na história da Saúde no Estado.

Estabilização de óbitos

Devemos ter esta semana uma expectativa de que o comportamento do número de óbitos possa variar  a aquilo que ocorreu na última semana. Nós podemos viver um início de  estabilização do comportamento de óbitos a partir desta semana com uma variação de 15% a 20% dos óbitos que tivemos na semana epidemiológica anterior a esta. Os resultados da quarentena poderão ser observados a partir da próxima quinzena, quando olharmos para trás e identificarmos o comportamento da curva de casos, de internações e também o comportamento da estabilização dos óbitos, que é o indicador mais tardio a ser refletido, diante de qualquer medida tomada para poder avaliar a pandemia.

Testagem PCR no momento da consulta

Já distribuímos 120 mil testes de antígenos. Na últimas três semanas 40 mil testes foram registrados. Esta semana distribuiremos 190 mil testes. Ao longo do mês de abril queremos um momento de testagem ampla e em massa. Todo e qualquer paciente, após atualização de nota técnica, deverá realizar o teste no momento da consulta, sem aguardar a janela para o PCR. Se testar positivo, deverá proceder a testagem dos contatos mais próximos. E ao paciente será determinado o isolamento. Caso resulte negativo, será recomendado ao paciente o isolamento e realizar o PCR na janela de três a oito dias. Desse modo, entendemos que poderemos avançar na testagem dos pacientes sintomáticos.

Recomendação aos municípios

Uma nova etapa de testagem será iniciada. Estamos recomendando aos municípios que adotem a testagem de antígenos em toda a atenção básica do nosso Estado. O município que não quiser implementar será por opção do mesmo. Cerca de 80% dos pacientes atingidos por covid são pacientes leves. São pacientes que devem ser atendidos, monitorados e medicados pela atenção primária. Não devem procurar os serviços de pronto-atendimento se desenvolvem sintomas leves.

Mais de 100 óbitos por dia

Com a mudança na testagem é possível que os casos observados possam aumentar por conta da mudança. O mesmo aconteceu no ano passado quando passamos a considerar e testar contatos intradomiciliares. Até o presente momento, temos 5578 casos notificados, sendo 1880 casos confirmados e 80 óbitos registrados. Entre hoje e amanhã, poderemos ter recordes pela violência da pandemia e pelo delay (atraso) no registro administrativo por causa dos feriados. É possível que o Estado passe, em algum momento, a mais de 100 óbitos por dia.

Cansaço do isolamento domiciliar

Não queremos que vidas se percam. Entendemos que é natural que todos estejam cansados: é um direito do corpo, é um direito da nossa alma, da nossa juventude, dos trabalhadores. Estamos cansados de enfrentar essa pandemia há mais de um ano. No entanto, o cansaço não pode se transformar em negação, em comportamento de alto risco. Por isso, no momento mais crítico, é importante que toda a população entenda que entramos na vigência do mapa de risco. Temos 3/4 de toda a população capixaba em municípios classificados em risco extremo, com amplas medidas e restrições a atividades sociais e econômicas. Essas medidas deverão ser respeitadas. Sem essa redução de interação social não será possível evitar que muitos óbitos ocorram na próxima semana. Isolar-se nesse momento e só sair de máscara para atividades essenciais é um gesto que poderá evitar mortes, contaminação e internações. A proporção de pessoas assintomáticas ou oligoassintomáticas (com poucos sintomas) é muito grande na covid-19.

Lei para uso obrigatório de máscara

Precisamos reforçar o grau de adesão ao distanciamento social. Vamos viver um mês de abril ainda muito restrito. Recomendamos que os municípios implementem legislações para instituir a obrigatoriedade do uso das máscaras. Isso deve ser de competência municipal. Temos prefeitos no Brasil que adotaram medidas muito rigorosas, como em Araraquara e Belo Horizonte que decidiram de maneira complementar adotar medidas mais duras. Sem a unidade dos poderes é muito difícil enfrentar a pandemia sozinho.

Mais medidas restritivas

Reblin: Medidas complementares podem ser feitas pelos municípios, sempre medidas mais restritivas. Não é possível flexibilizar as atividade, a medida tem que ser de mais restrições, especialmente no uso da praia e dos espaços públicos.

Barreiras sanitárias inteligentes

A respeito de barreiras sanitárias inteligentes, estamos preparados para receber informações de empresas que transportam passageiros para o Espírito Santo. Com a suspensão das viagens intermunicipais e interestaduais, vamos aguardar a organização dos fluxos dos passageiros. Em relação à empresas aéreas, elas solicitaram um tempo, que está sendo discutido, a fim de alinhar as estruturas de informação para alimentar o sistema que a gente precisa.

Painel de ocupação de leitos na rede privada

Já iniciamos a avaliação com os hospitais, mas somente sete hospitais neste final de semana alimentaram de maneira adequada o censo. Acreditamos que até quinta-feira, os dados já estejam disponível. Mas a partir de quinta-feira, vamos divulgar os dados da rede privada independente ou não dos hospitais terem fornecido os dados. Iremos divulgar aqueles que não o fizerem e não divulgaram as informações para abastecer a transparência. Não encontramos resistência dos hospitais privados em relação à divulgação de seus dados.

Informações: Folha Vitória

Leia mais

Leia também