“Se a curva continuar ascendente no número de casos, poderemos, sim, decretar lockdown”, diz prefeito de Nova Venécia

O prefeito de Nova Venécia, André Fagundes, juntamente com diretor do Hospital São Marcos, Alessandro Prado Aguilera, com o enfermeiro, Ulysses Maria Pereira Silva, o vice-prefeito, Paulo Roberto, e o secretário de Saúde, Juliano Bettim Motta, fez um pronunciamento à população de Nova Venécia durante uma entrevista coletiva na tarde desta quarta-feira (24). As informações são de Jhon Martins da Rede Notícia.
“Venho aqui hoje para solicitar o apoio de todos os munícipes e das cidades vizinhas. Muito se falou sobre o auto índice de contaminação da Covid-19 e, por isso, o Governo do Estado fez um Decreto colocando algumas medidas restritivas. O município de Nova Venécia aderiu todas de forma integral e, agora, a gente já observa as prefeituras de Barra de São Francisco e de Água Doce do Norte estabelecendo lockdown e toque de recolher”, disse o prefeito.

Na manhã desta quarta-feira, André se reuniu com a administração do Hospital São Marcos, que se encontra com 100% dos leitos ocupados, e disse que algumas medidas e ações foram estabelecidas. “Todos os níveis e as condições laborais e de estrutura física da Secretaria Municipal de Saúde e do Hospital São Marcos foram extrapolados. Tem muita coisa diferente acontecendo nessa mesma pandemia e até a forma de conduzir as pessoas contaminadas está deixando muitos profissionais de saúde surpresos pela forma abrupta da comunicação e pelo agravamento dos sintomas”.

Segundo André, ainda nesta quarta-feira, dia 24, ele estará se reunindo com a equipe técnica da Prefeitura para estabelecer algumas medidas ainda mais restritivas. “O momento exige isso”, falou o prefeito.

André ainda falou que o município está se preparando para muito mais para não ser surpreendido, principalmente, pela capacidade laboral, estruturação física e até de recursos humanos. “Vamos intensificar os atendimentos de Covid-19 com o apoio do Hospital São Marcos nos diagnósticos e não só pacientes de urgência e emergência”.

“A nova variante está presente entre nós, a capacidade laboral dos profissionais de saúde está praticamente muito aquém do que a necessidade apresenta e nossa estrutura física, assistencial e até de insumos chegando ao seu limite. Precisamos tomar algumas medidas que vão, literalmente, desagradar algumas pessoas, mas que, com certeza, será em favor da continuidade e da preservação da vida de cada um.

É um momento muito difícil. Prefeito nenhum, governador nenhum, presidente nenhum, vereador nenhum quer ver a economia do Município, do Estado e da União fragilizadas, mas, no momento, não há outra solução. Nós não podemos nos omitir do posicionamento, da consciência e da postura de restringir e impedir o aumento do contágio no nosso município. Peço o apoio de todos, a compreensão do comércio e de todos os comerciantes, que é a classe que mais passa dificuldade econômica, principalmente, a todos que trabalham com eventos culturais, lazer e atividades esportivas. Precisamos trabalhar incansavelmente para minimizar esses efeitos ou podemos nos preparar para mais”, afirmou André.

O prefeito também confirmou que, nos próximos dias, estará autorizando um processo seletivo para a contratação de novos profissionais de saúde para o enfrentamento à doença. “A necessidade do processo seletivo é iminente para tentarmos amparar, mais ainda, o sistema de saúde do município a nível público. Sendo assim, estamos com escassez tanto a nível especializado, como nível técnico.

A readequação do sistema de atendimento passa, principalmente, por uma melhor receptividade em relação à UPA, mas, também, pelo novo canal de atendimento à Covid no Hospital São Marcos, independente do processo seletivo”, falou o secretário de Saúde de Nova Venécia, Juliano Bettim Motta.

Juliano também comentou sobre as medidas, que ainda não foram anunciadas. “Em nome da Secretaria de Saúde, mostramos que a necessidade é eminente. Nossa demanda, nossa capacidade técnica, está em um nível máximo de entendimento e de resolutividade. Houve um aumento exponencial em termos de resolutividade e prestação de serviços às coisas básicas. Estamos atendendo cerca de 200 pessoas suspeitas de Covid-19 na UPA e nas unidades básicas de saúde que possuem médicos. Em termos de exames, subimos a demanda em cerca de 40%.

Entendemos que se não tomarmos medidas drásticas, a gente não vai conseguir combater essa pandemia como ela está vindo. Não é nem uma onda, é um maremoto. Nossa capacidade de resolutividade foi desmoronada com esses novos conceitos e apresentações que essa doença nos traz. A evolução clínica de uma pessoa normal para se tornar grave está em níveis extremamente perigosos, os profissionais de saúde estão praticamente sem mãos frente à essa situação, o que mostra para nós que há uma necessidade eminente que tomemos essas medidas”.

Segundo Juliano, nos últimos sete dias a Secretaria Municipal de Saúde realizou cerca de 340 testes de Covid-19. “Somos extremamente criteriosos. Você tem que estar com um quadro clínico que me mostre a necessidade. Então, entendemos que só vamos poder nos reorganizar em termos de assistência se a população participar com a gente dessa demanda”.

Presente no pronunciamento, o vice-prefeito, Paulo Roberto Alves Damaceno, fez um apelo à população. “Quero aproveitar, primeiramente, para agradecer o empenho das pessoas que trabalham na linha de frente do combate à Covid-19. Sabemos o quanto que elas têm sido pressionadas psicologicamente e emocionalmente, diante desse quadro tão triste que estamos vivendo.

Quero fazer um apelo àqueles comerciantes que não estão naquela faixa de restrição comercial, intitulados como atividades essenciais, e estão trabalhando, mas que procurem reduzir o número de pessoas dentro do seu estabelecimento, limitem o número de pessoas que entram, não esqueçam de usar álcool em gel, em especial, os supermercados, desinfetando os carrinhos.

Àquelas pessoas, que mesmo que tenham sua atividade enquadrada como essencial, mas que tenham condições econômica de se manter um pouco mais restritiva, que nos ajude a vencer essa doença tão grave. Quero pedir às pessoas aposentadas, jovens, adolescentes, que não estão no mercado de trabalho, que fique em casa para diminuir o fluxo de pessoas nas ruas. Para quem gosta de jogar futebol, baralho na Praça, vamos se conscientizar. O Poder Público não gosta de agir na repreensão, mas, em determinado momento, frente a falta de consciência de muitos cidadãos, acaba sendo necessário. Se mantenham o máximo possível dentro dos seus lares, mantendo os cuidados sanitários indicados para que Nova Venécia vença esse momento tão difícil”, disse.

Lockdown

“Já tem um Decreto Estadual que limita as mínimas medidas a serem adotadas e assim nós fizemos. Nós estamos indo, querendo ou não, um pouco além, mediante a situação estabelecida e apresentada pelo Hospital São Marcos e observando a característica e a desenvoltura dessa doença nos últimos dias. Se no entendimento do município e da equipe técnica for observado uma progressão de contágio pelo número de notificações, de paciente intubados e pela escassez de medicamentos para a intubação, não tenho dúvidas de que poderá, sim, acontecer um lockdown em Nova Venécia”, disse André Fagundes.

Transporte coletivo

“Tivemos uma conversa muito afinada com a empresa São João, eles nos relataram alguns dados, especificamente do quantitativo e dos horários dos ônibus e, naquele período, onde houve uma gravação que causou polêmica nas redes sociais, tinham outros dois veículos logo atrás. O primeiro ônibus ficou muito lotado, o segundo com a capacidade bem mais reduzida e o último com cerca de 10 passageiros. Então, precisamos melhorar essa comunicação e informar mais a população sobre os horários dos ônibus”, finalizou o prefeito.

 

Leia mais

Leia também