Saiba como bancos de leite ajudam mães a alimentarem bebês com leite materno no Espírito Santo

O Agosto Dourado é marcado pela promoção, proteção e apoio ao aleitamento materno e entre os dias 1º e 7 de agosto também acontece em 120 países a Semana Mundial de Aleitamento Materno. A reportagem especial é de Fabiana Oliveira, do G1 ES.

No Espírito Santo, mães que têm dificuldade durante o processo de amamentação ou não podem amamentar seus bebês internados em unidades de tratamento intensivo neonatal, podem contar com a ajuda dos bancos de leite.

Esses locais não só coletam o leite das doadoras para os bebês que estão nas unidades de tratamento, mas também atuam como um ponto de apoio para as mães que amamentam seus filhos.

Um dos seis bancos que existem no estado fica no Hospital da Polícia Militar do Espírito Santo (HPM), em Vitória. O local também oferece o serviço de coleta domiciliar, o que facilita a vida das doadoras que não tem condições de levar a doação até o banco de leite.

O responsável pela coleta domiciliar do banco de leite do HPM há 22 anos é o sargento Rodrigues. Ele é responsável pela rota que inclui toda a Região Metropolitana da Grande Vitória. Além dele, o banco de leite conta com nove profissionais, entre civis e militares.

Pelo celular ou pessoalmente eles fornecem informações sobre problemas que podem ocorrer como mastite ou fissuras nas mamas e ainda ensinam como as mães que doam leite ou voltam ao trabalho podem coletá-lo e armazená-lo corretamente.

Uma das mães que já precisou de ajuda do banco de leite do HPM é a maquiadora Ana Carolina Morais Machado, de Morada de Laranjeiras, na Serra. Ela tem dois filhos, o mais novo é o Ravi, de quatro meses.

“No meu primeiro filho tive princípio de mastite e a profissional do banco de leite me ajudou muito. Agora no segundo fui orientada pelo celular sobre o mesmo problema e também sobre armazenamento do leite para o filho”, contou.

Ana Carolina também é doadora de leite humano e contou que não sabia que não é recomendado amamentar outra criança ou doar o leite pra outra pessoa sem passar pelo banco de leite.

“Foi por meio do banco de leite que descobri que não é recomendado amamentar ou doar o leite diretamente para a pessoa porque o leite amadurece de forma diferente de uma criança pra outra e pode ser que uma criança da mesma idade não precise dos mesmos nutrientes que o meu leite tem e isso pode até fazer mal para ela”, explicou.

Como o HPM não dispõe de unidades de tratamento intensivo neonatal, o leite recebido é pasteurizado e disponibilizado sob prescrição médica para recém-nascidos prematuros ou com baixo peso internados em unidades neonatais de todos os hospitais do Espírito Santo.

Atualmente, o banco de leite do HPM conta com 49 doadoras cadastradas e a média mensal de doações é de cerca de 80 litros por mês.

O sargento contou que a maior quantidade de leite que coletou em um único dia foram 12 litros.

“Foi no primeiro semestre deste ano. Deu trabalho, mas foi muito gratificante”, disse.

Sobre a importância desse trabalho, ele diz que é um esforço coletivo dos profissionais que atuam no baco de leite em parceria com a comunidade.

“Somos todos juntos o braço direito daquele recém-nascido prematuro ou com baixo peso que está em alguma unidade lutando pela própria vida”, finalizou.

De acordo com o Ministério da Saúde, o Agosto Dourado simboliza a luta pelo incentivo à amamentação – a cor dourada está relacionada ao padrão ouro de qualidade do leite materno.

O Ministério da Saúde recomenda a amamentação até os dois anos de idade ou mais e, de forma exclusiva, nos seis primeiros meses de vida, mesmo nas mães que tiveram casos confirmados de Covid-19.

De acordo com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), bebês que são amamentados ficam menos doentes e são mais bem nutridos do que aqueles que ingerem qualquer outro tipo de alimento.

A partir dos seis meses, os bebês precisam de uma alimentação variada, mas o aleitamento materno deve continuar até o segundo ano de vida da criança ou mais.

O leite materno continua sendo uma importante fonte de energia, proteína e outros nutrientes, como vitamina A e ferro.

De acordo com o Ministério da Saúde, o leite materno é a forma de proteção mais econômica e eficiente para diminuir as taxas de mortalidade infantil, sendo capaz de reduzir em até 13% os índices de mortes de crianças menores porque protege a criança de doenças como diarreia, infecções respiratórias e alergias, além de evitar o risco de desenvolvimento de hipertensão, colesterol alto, diabetes e obesidade na vida adulta.

Banco de leite do Hospital das Clínicas: funciona das 6h30 às 18h30, de segunda a sexta-feira, no endereço Avenida Marechal Campos, 1.355, Maruípe, Vitória. Contatos: (27) 3335-7515 e (27) 3335-7424.

Banco de leite do Hospital Estadual Infantil e Maternidade Dr. Alzir Bernardino Alves (Himaba): funciona das 8h às 17h, de domingo a sábado, inclusive feriados, no endereço Avenida Ministro Salgado Filho, 918, Soteco, Vila Velha. Contato: (27) 3636- 3151.

Banco de leite do Hospital da Polícia Militar do Espírito Santo (HPM): funciona das 7h às 13h, de segunda a sexta, no endereço Avenida Joubert de Barros, 555, Bento Ferreira, Vitória. Contato: (27) 3636-6568.

Banco de leite do Hospital Evangélico de Cachoeiro de Itapemirim: funciona das 7h às 19 horas, de segunda a segunda. Endereço: Rua Anacleto Ramos, 55, Bairro Ferroviários. Contato: (28) 3521-6199 / (28) 3526-6219.

Banco de leite do Hospital e Maternidade São José, Colatina: funciona das 7h30 às 17h no endereço Ladeira Cristo Rei, Centro, Colatina. Contato: (27) 2102-2144.

Banco de leite da Santa Casa de Misericórdia: funciona das 7h às 16h, de terça a quinta, no endereço Rua Dr. João dos Santos Neves, 143, Vila Rubim, Vitória. Contato: (27) 3212-7246.

Maquiadora Ana Carolina contou com a ajuda do banco de leite para resolver problemas que surgiram durante a amamentação — Foto: Arquivo pessoal

Maquiadora Ana Carolina contou com a ajuda do banco de leite para resolver problemas que surgiram durante a amamentação — Foto: Arquivo pessoal

Banco de leite do HPM recebe, em média, 80 litros de leite humano por mês — Foto: Arquivo pessoal

Banco de leite do HPM recebe, em média, 80 litros de leite humano por mês — Foto: Arquivo pessoal

Sargento Rodrigues do banco de leite do HPM faz a coleta domiciliar de leite materno em toda a Grande Vitória — Foto: Arquivo pessoal

Sargento Rodrigues do banco de leite do HPM faz a coleta domiciliar de leite materno em toda a Grande Vitória — Foto: Arquivo pessoal